30.12.13

2013 está enfim acabando.Conto os dias, as horas, os minutos e segundos, embora saiba que na verdade a vida segue adiante, seguindo o tempo, independentemente de um calendário.Mesmo assim fecha-se mais um ciclo e o momento é perfeito para avaliações.Não vou dizer que foi um ano ruim, mas também não foi tão bom assim.O primeiro semestre do ano até que foi bom, fecundo.Já o segundo é melhor nem comentar.Vamos deixar prá lá...
Trabalhei como nunca, aliás até hoje cedo e honestamente não vi vantagem.Não foi algo tão prazeroso assim.Tanto que conto os dias para as minhas próximas férias.Faltam 116 dias! Estou desde já me prometendo não atender celular e nem responder e-mails profissionais neste período.
Quero ser mais imperfeita!
E em 2014 desejo perceber mais o que dizem os olhos alheios.

25.12.13

O Natal aqui acontece de forma um tanto diferente.Não trocamos presentes nem aproveitamos a data para perdoar e coisas do gênero porque creio que isso deva ser feito quando se tem vontade e não numa data específica.
Muitos dizem que devemos aproveitar a data em que Jesus, supostamente, nasceu.
Tenho certeza que o Jesus que conheci não aprovaria os shopping centers lotados e as pessoas contraindo dívidas para presentear todas as pessoas que lhes são importantes.Isso sem contar aquele sentimento de fraternidade que acomete as pessoas somente em alguns dias de dezembro.
Em janeiro uns já estão xingando os outros novamente.Toda esta bondade repentina dura pouco.
Da data, eu só gosto da parte do amor ao próximo, embora isto seja uma constante em minha vida.
Outro dia, depois de me ver chorar mais uma vez por causa de uma injustiça cometida contra um menino do abrigo, meu pai disse que se minha vida tivesse tomado outra direção eu teria sido uma nova Madre Teresa de Calcutá.Mas enfim, nunca tive vocação para religiosa.
A vida mundana tem seus encantos e julgo que muitas atividades consideradas pecados só são erradas quando praticadas em excesso e de forma doentia.
Para comemorar o meu Natal meus pais vieram jantar conosco.
Fiz o arroz com frango e amêndoas que meu pai tanto gosta.Cometemos todos, com muito prazer, o pecado da gula.
E falando em moralismos, religiosos ou não, um encanto é o filme Moonrise Kingdom, do Wes Anderson.Dizem que é um filme de amor.Mas ele vai além naquilo sobre o certo e o errado e a relatividade entre estes dois extremos.Para completar,o filme se passa em uma ilha.
Excelente dica para o Natal e para que as pessoas reflitam se estão fazendo a coisa certa ou não.

22.12.13

Não gosto de telefone celular, tanto que não me permito escravizar pela engenhoca.
Mas esquecer o tal na casa da sogra, lá na capital, aí já é um pouco demais.
Eu é que não vou sentir falta, mas sei que as pessoas que me telefonam diariamente vão, no mínimo, roer as unhas. Com os melhores prognósticos só devo tê-lo de volta lá pelo dia 26 ou 27.
Por mim está tudo bem! Aliás, ótimo, porque sinto uma deliciosa sensação de liberdade.
Voltando à capital, com certeza, não conseguiria voltar a viver lá.
É muito trânsito para um dia de domingo.
Mesmo com tudo de bom que uma metrópole oferece, sinto muito, mas não dá.
Também, a cidade de São Paulo tem aproximadamente 11 milhões de habitantes.Ainda bem que aqui no interior somos somente algo em torno de 1 milhão e 100 mil habitantes. Ou seja, moro fácil em Lisboa, com uma população de quase 600 mil.
Enquanto não atravesso o Atlântico de vez, o jeito é ir me virando com o que tenho.
Juro que não posso reclamar! Morar no mato tem lá seus privilégios.
Alguém já disse que não se pode ter tudo nessa vida, pelo menos, simultaneamente.
E sinceramente eu não tenho pressa!
Tanto que sobra tempo para escutar uma música bonitinha, embora um pouco romântica demais até para mim:

16.12.13

Sou uma saudosista incurável.
Fiquei chateada com a morte de Peter O'Toole e agora de Joan Fontaine, embora eles já estivessem em idade bem avançada.Mas é que morre com eles um pouco de uma época de glamour do cinema.Mesmo ela tendo nascido em 1917 e ele em 1932.



Dentre as entrevistas realizadas em Bristol/UK para o último documentário do qual participei, um rapaz indiano, com uns 20 e poucos, declarou nunca ter assistido a um filme em preto e branco.
Imagino o quanto ele perdeu...

9.12.13

Mais uma ilha à vista:

8.12.13

Josh Groban cantando Smile é um bálsamo para a alma.
Eu posso até reclamar da vida uma vez ou outra, mas continuo sendo grata por tudo o que tenho e até pelo que não tenho.E não há melhor maneira de demonstrar gratidão do que sorrir.
Posso até tolerá-las mas detesto pessoas que vivem eternamente com cara de bunda (não encontrei termo mais apropriado).
Quando menor ainda me dei ao desfrute adolescente de ficar emburrada algumas vezes, mas foi total perda de tempo.
Então sigo sorrindo e estou aqui preparando um listinha com as possíveis ilhas aonde quero passar os últimos anos da minha vida enquanto escuto o Groban:



Ushuaia não é uma ilha, mas não descarto levá-la em consideração.A ilha da Madeira é bem atrativa mas acho que já está povoada demais para o meu gosto.Um pouco menos povoadas são as ilhas Scilly, a 45 km da costa da Cornualha.
Tristão da Cunha, no Reino Unido, me parece bastante atraente, como se pode ver na foto abaixo:



De tirar o fôlego são também as ilhas escocesas.Ou seja, tenho muito ainda o que pesquisar.

7.12.13

Minha mãe apostou que nestes dez dias eu não iria cozinhar para mim mesma.
Ela errou, pois não só estou cozinhando como estou adorando!!!
Pode ser que logo me canse, mas por enquanto estou achando ótimo.Não sei o que é morar, ou viver, sozinha desde os dezoito anos.Sim, naquela época eu não tinha paciência para cozinhar para uma pessoa só.
Mas hoje, depois de cozinhar sempre para mais gente, estou achando, principalmente, muito fácil e rápido.
Ontem fui ao açougue e chegando em casa tratei logo de separar todas as carnes em porções de aproximadamente 200gr.Em menos de meia hora estava tudo pré preparado em bifes, cubos e tirinhas e devidamente acondicionados na geladeira e no congelador.
Eu tinha de ir hoje cedo ao verdureiro mas me deu preguiça.Quando deu fome, olhei na geladeira e não vi tomates , mas sim um vidro de pepinos em conserva.Olhei pela janela da cozinha e vi na horta um pequeno pé de alface roxa sorrindo para mim.
Em menos de 15 minutos eu tinha diante de mim um prato gigante de salada, um bife grelhado com mostarda dijon ao lado e uma fatia de pão integral torrado com manteiga.

Minha preguiça matinal me rendeu dois filmes:


Eu gosto das produções da BBC e de adaptações literárias. É um bom suspense psicológico, escrito numa época em que havia muita repressão moral e sexual.
Em seguida arrisquei um filme que se passa numa ilha escocesa.Eu AMO ilhas e filmes que se passam nelas.
Não me importaria de passar meus últimos dias em uma, mas não naquelas desertas e sim nas que tem poucos habitantes e uma vida bem tranquila.

6.12.13

Eu cresci escutando e lendo contos de fadas, magos e bruxas.
Acabei adquirindo um gosto especial por adaptações cinematográficas alternativas, ou seja, que Branca de Neve que nada.O primeiro desenho da Disney que assisti no cinema foi Bambi, logo de cara já fiquei revoltada, por que é que tinham que matar a mãe do bichinho? Contrariada e já geniosa desde pequena resolvi insistir e assisti Dumbo.Nem preciso dizer que a coisa só piorou.Acho que fui a única criança que detestou o desenho.
Minha primeira experiência positiva neste campo foi o filme A Flauta Mágica, baseado numa série televisiva com o mesmo nome.



Mais tarde, uma outra forte referência foi Labirinto:



Crescendo assim não dá para pensar e agir como a grande maioria.
Hoje, mais civilizada, e tentando viver em paz dentro de uma sociedade fútil, superficial e hipócrita, ainda tenho problemas de adaptação.
Muitas vezes prefiro me ausentar a participar.
E posso afirmar que esse sossego é a garantia da minha felicidade.

5.12.13

Goodbye Bafana!

4.12.13

O dia foi de cão, na filial passamos ontem e hoje contabilizando os prejuizos causados por um vendaval seguido por uma enorme tromba de água que caiu por lá na segunda feira à noite.
Nosso vizinho, proprietário de uma usina de açucar, que possui um lago que fornece água para toda a propriedade, nos enviou um caminhão com uma mangueira de pressão para ajudar a tirar o barro acumulado.
Só na nossa área caíram três árvores, nas ruas adjacentes foram mais de seis. Foram poucos minutos que fizeram uma grande sujeira.Ficamos quase 24 horas sem energia elétrica e foram tiradas 3 caçambas do trator de folhas e galhos.
Ao final da tarde de hoje todos os serviços haviam voltado ao normal e pude pegar a estrada para casa mais tranquila, com a sensação de missão cumprida, embora eu mesma não tenha feito muito, só fiquei administrando a logística dos serviços alheios. Mas deu certo!
Melhor ainda foi chegar em casa e assistir ao documentário do qual participei, totalmente finalizado.E o resultado ficou, no mínimo, perfeito!
E mais ainda foi ter encontrado este video, dica da Fal, que escutei até o final:

1.12.13

Não escondo minha queda pelos romances do Shakespeare.
Que ficam melhores ainda quando traduzidos desta forma:



Tenham uma linda noite de sonhos de verão!

Dia nublado não precisa de protetor solar, né?
Depois a pessoa, além de ficar parecendo a rena do nariz vermelho, não consegue dormir porque as costas ardem.
Teimosinha, vou novamente para o sol, que está encoberto, mas desta vez com protetor solar.
Na verdade eu preciso ir para a água, faça chuva ou sol, porque atualmente é a única coisa que anda me relaxando.Sou, definitivamente, um ser de água.Quanto mais fundo eu vou, mais longe da superfície, melhor eu me sinto.


E volto nova em folha para preparar o almoço: Torta de batata com carne moída.
Foto: http://imagestockphoto.ru

30.11.13

Tenho me sentido numa montanha russa.
Tem dias em que estou chateadinha, noutros eufórica, mas mesmo assim fico feliz com as pequenas coisas como uma lembrança, uma palavra, um abraço, uma boa notícia, um olhar condescendente e etc.
Ontem foi aniversário do meu pai e ver sua alegria por estarmos juntos foi meu melhor presente.
E assim sobe o carrinho da montanha russa outra vez!

27.11.13

Alguém falou em férias por aí...não???...desconfio que ando escutando coisas...
Das outras vezes em que os meninos viajaram, eles saíram por uma porta e eu por outra.
Mas, infelizmente, desta vez não será possível.Tudo bem, estou quase conformada.Tenho compromissos, inadiáveis, que eu mesma inventei.Nessas horas eu até que gostaria de ser um pouco menos profissional, mas não consigo. Por outro lado terei tempo de sobra, eu acho, para trabalhar num livro que organizarei.Novos projetos me animam!
Mas como eu ia dizendo...estou sonhando com minha próximas férias.
Sério, tô merecendo...


24.11.13

Tem dias em que tenho vontade de grudar esta frase na testa.


Sei que as pessoas não possuem bola de cristal, mas tenha dó, deveriam ter pelo menos um pingo de discernimento.Quanto mais vivo mais acredito que o mundo esteja ao contrário.
Você fala A a pessoa entende B.Você pede C e recebe B.Você reclama do B e a pessoa nem se toca que está repetindo aquilo que não dissemos, muito menos pedimos.
Culpa do umbigocentrismo!
Depois escuto uma música assim e acho, exagerada, mas muito bonitinha:


Ainda há esperança...nem tudo está perdido num mar de egocentrismo...
Por outro lado me pergunto, ainda existem amores assim?
Vejo hoje, de um lado, pessoas extremamente práticas e racionais e do outro pessoas totalmente fora da realidade.
Aonde cabe a paixão, quando bate mais forte o coração?

23.11.13

Mãe é bicho besta...eu então sou mais besta ainda....
Quando o cara metade pousa no meio da floresta e fica lá por uma semana, 10 dias, eu não me altero, continuo tocando a minha vida normalmente, mas basta saber que meu filho vai junto que a coisa muda de figura.Eles embarcam daqui a uns dias e eu já fiz e refiz a lista pelo menos 10 vezes: soro anti ofídico, anti alérgico, antibiótico, anti inflamatório, ou seja, anti tudo e mais um pouco.
Para quem conhece minha bolsa isso não é quase nada.Sempre tenho tesoura, alfinete, guardanapo de papel ou toalhinha de tecido, caneta, lapiseira, elástico, bloco de anotações, marca texto, remédio para dor de cabeça e febre, antiácido e etc. Isso sem contar os bilhetinhos, recados, cartões e recordações.
Na última vez em que fui assaltada eu tinha praticamente de tudo na bolsa.Na delegacia, a escrivã me perguntou o que eles levaram e eu achei melhor responder somente a bolsa, senão passaria a noite toda só listando o que havia lá dentro.
Eu tenho tentado o desapego e muitas vezes tenho saído só com a carteira.O que me faz lembrar que acabei de me dar de presente uma carteira e uma bolsa lindas do Tofu Studio.
E é praticando o desapego que devo me preocupar menos quando meu filho se afasta de casa, afinal eles são educados para criar asas e voar.
Mas precisava pousar num lugar de proporções enormes, tão lindo e tão desabitado assim?
Eles nem foram e eu já espero que voltem logo...


Foto: Jonne Roriz/AE

19.11.13

Eu penso:
Que seus dias sejam de luz, paz e felicidade!
Que cada olhar que cruze o seu saia sempre mais leve,
E que cada beijo que você receba seja de amor verdadeiro.

Porque é assim que as coisas devem ser!

E para outros, como é o caso de Ulay e Marina, a coisa pode ser um pouco diferente:

18.11.13

Podem dizer o que for, mas eu sou fã dos Beatles sim.
E gosto mais ainda quando outros artistas executam as músicas do grupo.

16.11.13

Hoje produzimos as últimas cenas do documentário Abismo-cinema.
As filmagens foram realizadas em um café que fica no interior de uma livraria prá lá de aconchegante.
A foto abaixo (Igor Capelatto) é um detalhe do relógio que fica na cafeteria.O interessante é que apesar de bem antigo funciona perfeitamente.
O dia estava claro e a temperatura suportável, o que facilitou e muito o nosso trabalho.Sensação de missão cumprida! Ainda falta a edição, mas pelo menos o conteúdo já está todo capturado.
Agora vou dar uma relaxada porque depois de uma noitada de poker e meio dia de filmagens eu quero mais é escutar uma boa música:

14.11.13

Tem dias em que penso que este mundo está doidinho...muita rigidez de um lado e nenhuma do outro.
Falando em rigidez excessiva e escutando a música abaixo comecei a rir sozinha.
O conjunto Renato e seus Blue Caps, que fez muito sucesso entre os anos 60 e 70, hoje estaria respondendo um processo por pedofilia pela letra da música Menina Linda:

12.11.13

Não é fácil ser eu...pronto, falei!
Agora posso começar o dia.
Se bem que vontade mesmo está me faltando.
Queria ficar em casa cozinhando, arrumando os livros, as gavetas, fazendo crochê e até costurando e não sair para matar um leão.Sinceramente nem gosto de matar leões, prefiro conviver pacificamente com eles, mas como não sou veterinária minha função me obriga a ser um mais agressiva, senão sou comida viva.
E isto tudo sem perder a classe nem tampouco a compostura, nem mesmo a doçura.
Talvez resida aí a força feminina.
Um bom dia para todos!

9.11.13

A pessoa aqui costuma ser um tanto distraída.Entrei no carro e coloquei um CD que eu mesma gravei para tocar, eis que começa "Você é linda" , do Caetano.
Legal, ao final da música fiquei esperando a música seguinte e entra uma música que eu juro que não gravei.Deixei passar e entrou uma terceira música que eu também não gravei...lá pela quinta música é que percebi que aquilo era o rádio e não o CD.
Clico novamente para tocar o CD e aí sim escuto o Caetano que eu gravei.
Nisso eu já estava chegando no meu destino e tive de desligar o som.
Mas ainda deu tempo de escutar esta aqui.Aí eu fui longe...


Para falar a verdade, eu amo estas distrações.
Assim como amo este filme:

Ainda na onda dos temperos:

açafrão – saffron
agrião – watercress
aipo – celery
alecrim – rosemary
alho – garlic
baunilha – vanilla
canela – cinnamon
caril – curry
cebola – onion
cebolinha – green onion, chives, scallion ou shallots
coentro - coriander ou cilantro
cominho – cumin
endro – dill seed
erva-doce – anise
ervas finas – fines herbs
estragão – tarragon
folhas de louro – bay leaves
gengibre – ginger
gergelim – sesame seeds
hortelã – spearmint
manjericão – basil
noz moscada – nutmeg
páprica – paprika
pimenta do reino – black pepper
raiz-forte – horseradish
salsa – parsley
tomilho – thyme


3.11.13

Toda pessoa que gosta de cozinhar tem suas preferências, principalmente no quesito aroma.
O meu tempero aromático número 1 é a canela, seguida pelo cravo.Outra coisa que mexe com os meus sentidos é o cheiro que fica nas mãos depois que esprememos limão.É perfume prá mim!
Algumas combinações são fatais como uma salada de tomate e pepino temperada com suco de limão, sal e zaatar.É refrescante tanto para o corpo quanto para a alma!
O endro é uma deliciosa surpresa, combina com os pães integrais, queijo amarelos e dá uma arrematada ao tempero da carne do rosbife. Sua colega adocicada, a erva doce, também combina divinamente com pães, bolos e biscoitos.O aroma que fica pela casa quando assamos um bolo de fubá com erva doce é inconfundível.
Outro tempero indispensável é o louro, seguido de perto pelo salsão. A dupla salsinha e cebolinha estão sempre disponíveis no meu freezer.Saem da horta para o congelador e de lá para a panela.
O alecrim acompanha as batatas quando vão ao forno e o coentro perfuma, entre outras, a moqueca. O estragão invade a alma do frango com delicadeza.É um aroma que me faz suspirar.
O açafrão, o anis, a semente de mostarda e a rama de baunilha são um luxo só.
E o curry em pó? Já não vivo sem ele.
São estes os meus aromas favoritos!

2.11.13

Hoje é dia de Finados.
Dia este em que celebra-se a vida eterna das pessoas amadas que morreram.Vida eterna esta que permanece exclusivamente em nós até o dia em que formos embora também.Tenho muita gente morando dentro de mim e amo a todos imensamente.
Por outro lado, vejo também a data como um símbolo daquilo que literalmente sepultamos.Tudo o que anteriormente pulsava tão vivo em nós e que conseguimos abafar, enterrar ou simplesmente matar.De vez em quando precisamos de umas atitudes um tanto mais extremas.E que mal há em acabar com aquilo que nos faz mais mal do que bem? Porque é claro que nem tudo é tão ruim assim...mas...mas paramos sempre no mas.Acho que é virtude que vem com a idade conseguir matar umas coisinhas aqui e alí.
Não cheguei ainda naquilo que considero ideal, mas tenho tentado.
E é com firmeza que derramo a terra sobre aquilo que desejo sepultar.

 

30.10.13

A verdade é uma só, nem sempre o amor é expresso com todas as letras.
Demora um pouco para percebermos que a pessoa que fala maçã está querendo dizer morango.
Conheço pessoas com sérias dificuldades de expressão.
Eu mesma sou bem mais contida do que pareço, minha mãe costuma dizer que eu só falo a metade de tudo o que eu poderia dizer.E do jeito que falo, pelos cotovelos, a pessoa tem a impressão de que minha vida é um livro aberto.O que ela não sabe, e muitas vezes nem percebe,  é que estão faltando inúmeras páginas.
Voltando ao amor, que foi como comecei este texto, muitas vezes ele é tanto que chega a doer.
E tem gente que é assim, que morde, quase arranca pedaço, mas ama!
Tem faltado uns pedaços em mim, mas tudo bem que eu sei que é amor...

28.10.13

Pára o mundo que eu quero descer...depois de um calor dos infernos veio uma chuva fina e acordamos hoje com 16º. Minhas tempestades internas, sobre aquilo que não posso mudar, continuam.O sentimento de impotência é tão terrível quanto o monstro que acreditamos que se esconde debaixo da cama ou dentro do armário quando crianças.Fugir não adianta, o jeito é enfrentarmos a realidade, mas isso cansa!
Vamos lá, para começar o dia, algo que faz bem aos ouvidos e à alma:

26.10.13

Recomeçou o calor....algo próximo do sexto círculo do Inferno de Dante.
O calor é excelente quando você pode desfrutar de um agradabilíssimo e preferencialmente refrescante dolce far niente.Mas quando seu filho, ainda no segundo ano, está prestando ENEM porque os professores darão um ponto à mais na média no final do bimestre, é aí que a coisa vira praticamente uma divina e irônica comédia.
O local da prova fica do outro lado da cidade, ou seja, meia hora só para chegar perto. Uma outrora pacata avenida de duas mãos torna-se um campo de batalha uma hora antes do início da prova.Entre mão e contra mão espremem-se todos os tipos de veículo em disputa acirrada de espaço com ônibus super lotados.
Para não perder a hora meu filho e um amigo saltam do carro 800 metros antes do local da prova e continuam o percurso à pé.
Presa no trânsito, afinal não havia mais como retornar na mesma avenida, segui em frente. Após passar o local da prova meia hora depois do meu filho ter alçançado o prédio, me deparo com tudo parado na mão oposta.Duas horas de trânsito, a 5 km/h na maior parte do trajeto, debaixo de um calor escaldante do meio dia, ninguém merece.
Agentes de trânsito são sujeitos inexistentes, você motorista que se vire nesta selva de carros e pais e parentes transtornados pelo tic tac do relógio, afinal os portões fecham impreterivelmente às 13:00 horas.
Definitivamente parece não haver planejamento de nenhum dos lados.
Não reclamo do tempo porque saí de casa às 11:30h e deu tempo, mas reclamo sim do trânsito e principalmente do calor infernal.
Hoje no final da tarde tem mais e amanhã também!
Mas nada como voltar para casa e encontrar algo fofo assim:


    Dá até para esquecer um pouco do trânsito e do calor :o)

20.10.13

Concordo, a música não combina lá muito com o sol intenso que entra pela janela, mas é bonita mesmo assim!


Não encontrei nem um pássaro azul no alto da montanha, com seu lamento triste, mas sim uma linda maritaca, bem verdinha, que alegra a paisagem de domingo!


19.10.13

Eu tinha uma tia que sempre que eu sumia por uns tempos me dizia que então as coisas deviam estar bem, porque as pessoas se afastam quando estão bem.Eu dava um sorriso e concordava. Ela morreu sem saber que era exatamente o contrário, quando as coisas estão pesadas demais é que eu me afasto.Talvez para que não percebam uma névoa de mágoa no meu olhar, afinal sou péssima com disfarces, ou então, para não sobrecarregar o outro com meus problemas.E também problemas todos nós temos.
Quando entro no estágio do desabafo é porque a coisa pesou demais.Na sexta feira pedi socorro para minha mãe, numa carona para ir ao médico coloquei uma boa parte para fora.Não que isto resolva as coisas, mas dá um alívio de alguns instantes.Isto porque eu sou otimista, acordo toda manhã achando que o dia que acaba de nascer será infinitamente melhor que o anterior.Um dia eu acerto!
Enquanto isto a palavra de ordem é : paciência...paciência...paciência...


Existe uma oração, não sei exatamente qual, e nem sua autoria, que diz:

"Concedei-nos Senhor, Serenidade necessária, para aceitar as coisas que não podemos modificar, Coragem para modificar aquelas que podemos e Sabedoria para distinguirmos umas das outras."
Porque, afinal, se fosse algo que eu pudesse mudar, já estaria feito!

É mais ou menos por aí.

12.10.13

Ainda sobre o dia das crianças, porque é assim que me sinto muitas vezes:


Principalmente porque gosto de ouvir quem fala sobre coisas bonitas (e nem precisam ser verdadeiras) :o)
Hoje é comemorado o Dia das Crianças e eu quero agradecer meu filho por não ter me dado muitos sustos.Porque eu, em compensação, quase matei minha mãe do coração, diversas vezes.
Na primeira eu tinha em torno de 4 ou 5 anos.Minha mãe me pegou, com uma fronha amarrada na cabeça, sentada no parapeito da janela do quarto, que por sorte era largo, do sétimo andar do prédio aonde morávamos.Tentando manter a calma ela perguntou:
- Filhinha, o que você está fazendo?
- Eu vou voar.. como a irmã Bertrille (Noviça Voadora)...
Ela conta que levou um tempo para me convencer a desistir da idéia.
Desde pequena sempre fui teimosa.Não era de fazer birra, mas calmamente respondia sim ou não, raras vezes, talvez.


Aos 6 anos, já na pré escola, resolvi voltar à pé e sozinha para casa. A distância era de uns 5 quarteirões. Saí sem que as tias percebessem e quando cheguei em casa encontrei todos desesperados.
Fora as vezes que quebrei a cabeça, braço e etc nas férias.Eu já conhecia pelo nome o pessoal do P.S.
Por sorte eu cresci rápido!!!!

Changing the subject: uma excelente trilha para um voo (sem acento por causa da reforma ortográfica)

5.10.13

Nem tudo são flores na cozinha...ou então, aquela parte que ninguém publica no blog.
Cheguei mais cedo em casa e fui testar uma receita de cookies de banana e aveia.
Na minha receita dizia duas bananas médias.Eu vi a quantidade depois de amassada e resolvi colocar três.Acho que foi aí que errei.Meus cookies ficaram macios demais,  um tanto borrachentos.O sabor é divino, mas não fazem croc.No lugar das sugeridas gotas de chocolate coloquei uvas passas e elas deram um toque bem especial ao sabor.
Agora encontrei outra receita no Technicolor Kitchen., que leva uma banana só.
Durante a semana compro mais aveia e tento outra vez.


A foto é de lá também.
Enquanto isso o novo hóspede vai ficando por aqui.A minha história com animais não termina nunca.Perdemos o Júpiter na semana passada, nesta segunda outro foi parar na veterinária mordido por cobra.E não é que na quarta feira "despejaram" um filhote com cerca de 30 dias prá dentro do meu portão, debaixo de uma chuva torrencial.
Por sorte, ou instinto de sobrevivência, o choro dele conseguia ser mais alto que a chuva e conseguimos encontrá-lo ainda vivo.Ele mede pouca coisa mais que um palmo, e molhado, no meio da grama alta, parecia um rato.Depois de seco e alimentado, coloquei-o numa caixa e passei a manhã todinha tentando encontrar um lugar para ele.Uma pessoa se interessou e ficou de me dar resposta na sexta feira.No final das contas seu pai não concordou e o cachorro ficou. Ele tão bonzinho, só chorou na primeira noite.Até come ração, mas gosta mesmo do leite desnatado.Ele toma o leite morninho e dorme, na verdade, capota, com a barriga prá cima.Quero só ver quando o cara metade chegar de viagem e encontrar mais um bichinho aqui...

 

3.10.13

A gente pode até fazer de conta que está tudo na mais perfeita ordem, mas greve de correios e de bancos ao mesmo tempo ninguém merece.E fora que eu já disse aqui que greve no Brasil não funciona.
Vejam os professores, sempre fizeram greve e pouco conseguiram ao longo dos últimos 20, 30 anos.Agora resolveram sair às ruas, cobertos de razão e voltam para casa cobertos de porrada. E sabe no que vai dar tudo isso? Em nada.Porque aqui tudo é nada.
E a gente continua pagando trocentos impostos para um serviço público de merda.Não que nossos médicos, professores, policiais e etc sejam ruins, mas é que eles ganham mal e estão mal aparelhados.
Isso sem falar na infra estrutura dos municípios.Toda vez que chove aqui falta luz.E nós pagamos, e caro, pela energia elétrica. Tá phoda, viu?
Bom dia para vocês!

  

2.10.13

Caetano já cantou que cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.
Um pouco de dor todo mundo sente, agora a delícia é para poucos.É preciso se livrar das amarras e experimentar a delícia de sermos o que somos.
Eu sou feliz com o que sou, com meus pés fofos e macios.Gosto especialmente deles justamente porque são assim.
As pernas grossas e uma barriga e um quadril que não cabem em sí. Sim, eles ocupam um lugar maior do que, supostamente, deveriam ocupar, sobrecarregam meus joelhos, mas eu sou assim e não preciso mudar para viver bem.
E é assim, exatamente desse jeito, que curto a vida adoidado.
Como a pin up Hilda, do ilustrador Duane Bryers.


Sua imagem ilustrou calendários americanos da década de 50 até o início dos anos 80. Depois ela simplesmente desapareceu.Talvez por causa da ditadura (da magreza) da moda ou então das propagandas contra a obesidade.
É uma pena porque curvas podem ser lindas, é só uma questão de ajuste de ótica, que algumas vezes pode estar um tanto distorcida por causa dos anos de informações equivocadas.


Agradeço a Janara por lembrar da Hilda. E a Luciana por compartilhar a publicação da Janara.

1.10.13

Torcida amiga...hoje não ganhei nem prô susto.Acordo, abro a porta de casa e o cachorro está feliz e contente.Vou fazer o café e quando olho novamente ele está lá quase morto.O final da história é que fiquei quase três horas na veterinária enquanto o soro anti ofídico fazia efeito.
Quando o vi tombado no chão, a respiração curta, as pupilas dilatadas e babando, peguei as chaves do carro e corri prá veterinária.Ela desconfiou de picada de cobra, pois há uma infestação de jararacas e cascáveis por aqui e deu inicio ao tratamento.Foi a decisão mais acertada, depois de algumas horas e muito soro, ele estava vivo, alegre e sorridente outra vez.
Voltei, tomei banho e fui trabalhar.
No caminho para o trabalho, a moça na minha frente na estrada, saiu da pista, quase capotou no barranco e voltou.Vou dizer, o susto foi grande.
Cheguei tarde no escritório e pedi um suco de laranja que acabou derramando todinho dentro da minha bolsa.Nunca havia tirado as coisas de dentro dela tão rápido e olha que tinha coisa que não acabava mais.é essa mania de levar a casa dentro da bolsa.
À tarde ainda encarei 200km de estrada, numa rodovia super estressante.Não sei de onde saiu tanto caminhão.A ida foi tensa, mas a volta, apesar das reformas na pista, foi bem tranquila.
Agora à noite vim direto prá casa e não pretendo sair mais até amanhã cedo.
Cansei!
 

28.9.13

Esta música do Fernando Mendes, regravada por Caetano Veloso, caiu como luva na trilha do filme "Lisbela e o Prisioneiro":


Eu já escrevi isto aqui, mas é que acho mesmo uma combinação perfeita.
Estou cansada, com preguiça de escrever, vou dormir.
Devem ser os efeitos da ressaca emocional.

26.9.13

Sim, o Júpiter nos deixou hoje.


Na verdade a decisão foi minha e me doeu muito.
Há dois dias ele não comia mais, nem a minha comida feita com todo carinho para ele.Hoje nem água.Não mudou de lugar desde ontem à noite.A veterinária veio vê-lo hoje no final da tarde.
No fígado havia mesmo um tumor palpável, que vazou para a cavidade abdominal.O coração batia fraco e respirava já com dificuldade.Depois de um exame físico detalhado, e uma punção, ela sugeriu a eutanásia para acabar com o sofrimento dele.
E foi assim que nos despedimos dele, eu, meu filho e a veterinária, todos com lágrimas escorrendo pela face enquanto o soro fazia efeito.
Ele merecia este descanso, afinal foram 11 anos de uma vida muito bem vivida.
Ele era daqueles que rasgava o saco de lixo, roubava comida, saía à noite para a farra, fazia filhos nas cadelas da vizinhança e foi até jurado de morte por um morador da rua detrás.
Adorava pular no colo das visitas e fazia cara de coitado para ganhar carinho.Uivar nas noites de lua cheia era com ele mesmo.Se pegasse alguém em atitude suspeita já ia logo avançando.Por sorte nunca mordeu ninguém gravemente.
Na verdade tivemos que pagar uma calça nova para um parente de um vizinho que, numa caminhada para conhecer o bairro, teve a infeliz idéia de parar bem em frente do portão de casa e espiar aqui dentro.Ele não contava que o perigo poderia vir de baixo.
Mas enfim, foi uma excelente convivência e vou sentir saudades, muitas.  

25.9.13

Putz...quase matei um de susto de hoje...
Tive de ir ao banco, em meio a uma greve de bancários, porque eu já não tinha talão de cheques nem cartão, que havia expirado há mais de um mês.Como algumas agências estão fechadas pelo grevistas, de antemão eu já sabia que ia demorar.Pedi uma carona para o cara metade uma vez que, com certeza, não haveria vagas para estacionar.
Dito e feito, tudo lotado.Saltei do carro dentro do estacionamento exclusivo para clientes e o cara metade ficaria lá esperando.Enquanto fazia minhas operações bancárias observei um carro igualzinho ao meu estacionar na porta da agência.Ufa...que bom que o cara metade havia conseguido uma vaga bem alí na frente.Olhei bem para ter certeza, sim era ele mesmo, meio empoeiradinho e tudo.
Depois de quase uma hora finalmente deixei o banco e corri para o carro, que para minha alegria, estava bem alí na frente.Meus pés estavam querendo um descanso depois de tanto tempo de fila.Abro a porta efusivamente e escuto:
-Opa! E o sujeito ao volante me olha com cara de espanto, já quase levantando as mãos.Eu fiquei roxa de vergonha.
-Me desculpe...eu errei de carro! Fechei a porta sem pestanejar e saí andando em direção ao estacionamento privativo.Culpa dos carros que hoje são praticamente todos insulfilmados.
O pior é que o sujeito não deve ter entendido nada , afinal, se eu errei de carro, pela lógica, eu deveria me dirigir para um outro veículo semelhante estacionado na rua. Mas não, eu simplesmente sumi na paisagem.
E com a onda de assaltos na porta dos bancos ele deve ter achado mesmo que sua vez tinha chegado.
Não vou esquecer tão cedo o susto que o homem levou.
Mentalmente estou pedindo perdão a ele até agora.


24.9.13

Hoje o tempo esfriou por aqui.
De manhã passei até um friozinho bom lá na filial.
Mas, definitivamente, estou precisando de algo mais forte:


E até mesmo um pouco de Iggy Pop!

 

23.9.13

Falando em o cara, tem também o Alphonse Mucha, que quem diria, combina com Hayao Miyazaki que combina com o Joe Hisaishi: 


E tudo isto combina com o meu estado de espírito hoje!
Que me perdoem meus amigos fotógrafos, mas esse é o cara :


"Quando voltei à fazenda de meus pais, onde passei minha infância, fiquei assustado com o que vi.
Não era possível que ali fosse o mesmo lugar...
Quando eu era menino, mais de 70% da região era coberta por matas, não só a nossa fazenda mas toda a região. Agora nem um por cento do lugar tinha florestas nativas....
Minha mulher Lelia sugeriu, 'por que não voltamos ao Brasil para replantar a floresta?'
Foi uma idéia brilhante!
Estamos restaurando nossa floresta. Plantamos mais de dois milhões de árvores, 170 espécies nativas diferentes. Nossa fazenda virou um centro educacional e de pesquisas, o Instituto Terra. Este projeto me trouxe de volta à vida.
Em oito anos conseguimos criar uma floresta!
Se só duas pessoas conseguem fazer isso, imagine o governo, a hora que descobrir a importância disto." Sebastão Salgado

Foto: Ricardo Beliel - Sebastião e Lelia em sua fazenda em Minas

 
Ainda sobre o querer. Muitas vezes desejamos algo que na verdade não precisamos ter inteiro.Basta um pouco. E isto vale prá tudo nesta vida.Saber ficar feliz com o pouco que na verdade significa muito.

Não quero o primeiro beijo:
basta-me o instante antes do beijo.
Quero-me corpo ante o abismo,
terra no rasgão do sismo.
O lábio ardendo entre tremor e temor,
o escurecer da luz no desaguar dos corpos:
o amor não tem depois.
Quero o vulcão que na terra não toca:
o beijo antes de ser boca.

 MIA COUTO

22.9.13

Um raio de sol no meu domingo chuvoso é elogiarem a minha comida.
Outro dia peguei na net uma receita de hamburguer de frango bem despretenciosa.Na verdade não gosto dos industrializados, desconfio de todos.
Mudei somente um pouco as coisas, ao invés de 400gr.de peito de frango moído, coloquei quase um quilo ( moído no processador) e no lugar de meia xícara de aveia usei uma inteira.O restante usei o mesmo, mas acrescentei pápica picante e umas gotinhas de limão siciliano.


Preparei os hamburguers no final da tarde acompanhados de uma saladinha de tomate.Ao final meu filho perguntou aonde eu os tinha comprado porque eles eram uma delíííííííciaaaaaaa!!! Minha resposta:
- Não comprei, eu fiz!
P.S. E meu cachorro continua fraquinho, mas mais animado.A veterinária está esperando diminuir um pouco mais o inchaço da barriga para o levarmos para fazer exame.Na verdade ele é muito arisco e deverá ser algo traumático até anestesiá-lo.Um bom sinal é que ele está comendo até que bem, mas só a minha comida.
O que mais eu posso querer?

Um pouco de leveza para um domingo nublado:



Fui dormir depois de assistir a este video.
E acordo escutando a notícia de que Cristiano Ronaldo (não tenho nada contra ele) recebeu uma oferta do clube inglês Manchester United de aproximadamente R$ 1 milhão de reais de salário por semana.O Real Madrid cobriu a oferta e assinou contrato por mais 5 anos.Não estou questionando o valor do talento dele e nem de outros jogadores de futebol, mas esta notícia me incomodou.Talvez porque eu tenha, logo em seguida, assistido a uma propaganda do Médicos Sem Fronteiras e meu cérebro logo fez contas.
Penso que, uma vez que no meio futebolístico roda muito dinheiro, que em todos os contratos assinados, nos salários acima de R$ 500.000,00 mensais, por exemplo, deveria haver uma cláusula aonde o clube contratante depositaria uma porcentagem do salário do atleta na conta de uma dessas organizações humanitárias.Uma vez que com R$ 30,00 por mês qualquer um pode ajudar a tratar de 2 crianças desnutridas com menos de 5 anos de idade.
E ainda sobre crianças, não são só as organizações humanitárias que precisam de ajuda, são também as que buscam as desaparecidas, instituições de ensino, abrigos e uma boa quantidade de pessoas tentando salvá-las.
Ontem eu também li este texto aqui.

21.9.13

Tem dias em que até os mais durões estão mais sensíveis...


E para acompanhar toda esta sensibilidade uma música bem bonitinha:

20.9.13

Enquanto um cachorro sobrevive o outro se mete a caçar um porco espinho.
Esta vida rural não é nada fácil.Depois de um longo dia de trabalho chego em casa e descubro que terei que "consertar" o cachorro que até então estava bom.Missão cumprida com sucesso!
E vamos então nos acostumando a falar de desapego.
Já perceberam como algumas pessoas ficam em nós como tatuagem.Só que nem sempre uma relação de afeto é, digamos assim, tão recíproca.Não que esperemos retribuição mas pelo menos um eco não faria mal, principalmente nestes tempos modernos em que toda e qualquer comunicação é facilitada.
E é como se o silêncio lentamente apagasse os contornos do desenho.
Tenho me acostumado a algumas coisas que vão embora da mesma forma que vieram...e não é tão ruim assim.
Existe beleza também naquelas folhas velhas e amareladas que são levadas pelo vento.


17.9.13


Meu cachorro tem 11 anos e está morrendo....de uns 15 dias prá cá emagreceu muito e não corre mais.Come pouco e passa o dia deitado, encolhido.
Aparentemente não tem dores fortes, mas sua barriga está levemente inchada.A veterinária diz que é fígado.Pode ser um tumor ou envenenamento.
Como é um cachorro um tanto arredio, que mete o dente sem pensar duas vezes, estamos estudando se vamos ou não fazer um ultrassom.
Mas ele continua abanando o rabo alegremente quando chegamos em casa.Se aproxima, pede um carinho e depois vai deitar novamente.Está tomando uns remédios para o fígado.No caso de um tumor não há muito para ser feito.
Honestamente eu fico chateada pacas de vê-lo neste estado...

14.9.13


Uma delícia de filme para um sábado de ressaca.
Minha sexta feira foi pesada, eu não gosto de cobranças quando estou dentro do prazo.
Detesto gente que começa com uma conversa e vai mudando de idéia conforme muda o clima. Me poupe! Sou hoje extremamente profissional, o tempo da porralouquice já passou.
Raramente saio no meio de um projeto. Tive que dar um basta e terminar o dia com: me chamem quando tiverem algo de concreto, ok?
Sair do que é real e concreto é o que fez Sam Raimi no seu filme sobre Oz.


Não é excelente nem péssimo, mediano talvez, mas é interessante por ser bem diferente da versão de 1939:

11.9.13

Vejam se isto não é lindo demais:


A gente fecha os olho e murmura: I'll be there. I'll always care. Wherever you may be.
Assim são as relações humanas, mesmo que o silêncio não denuncie o que sentimos, pulsa em nós uma vontade enorme de estar lá, de cuidar, de consolar e de amparar quem amamos.
Pelo menos, penso eu, que todas as mulheres maternais devam ser assim!

E para aquelas não tão maternais, ou então, para quando não estamos tão maternais assim, é melhor murmurarmos: It's a moment of madness...

9.9.13

Toda pessoa que gosta de cozinhar, do tipo que sente prazer na atividade, tem lá uma receita de batatinha aperitivo.
E muitas vezes, menos é mais, ou melhor, não inventa senão estraga.
Assim sendo, levei minhas batatinhas no churrasco de domingo e elas foram as primeiras a desaparecer da mesa.Quando me perguntam o que faço a resposta é : simplicidade e carinho.
Mas eu compartilho todo esse carinho:
1kg de batatinhas pequenas com casca, cozidas até ficarem macias.
sal e orégano à gosto
azeite de qualidade, o quanto baste
Preparar no dia anterior.
Não, não vai vinagre, cheiro verde, pimenta, alho, alecrim, pimentão, cebola, azeitona, manjericão e etc.


A foto é do blog da Carol, que ao invés de orégano, usa chimichurri.
Deve ficar muito bom!
Foi lá também que encontrei a receita de algo que gosto muito: Maçã do amor



8.9.13

Eu sofro de amor exigente!
Preciso que me alimentem quase que diariamente.
Mais ou menos na base do: está comigo ou contra mim.
Não importa o tipo de relação que eu tenha com o outro desde que role uma certa atenção.
Afinal sou uma pessoa dedicada.
Eu gosto de gostar e ser gostada e não vejo mal nenhum nisso.
Meu amor é exigente mas não sufoca, não escraviza e nem solta as tiras...
Então aproveito este lindo domingo para agradecer a todos que me amam de verdade!
E dizer que adoro quem me dá bom dia, quem me deixa mensagem com ou sem motivo, quem tira algumas horas do dia para tomar café comigo, quem compartilha algo de bom como um livro, uma música ou um filme, quem me faz rir, quem divide seus medos e anseios, quem diz que sente a minha falta, quem fica feliz em me ver , quem elogia a minha comida, quem gosta do meu perfume, quem respeita meu modo de pensar, quem se faz presente quando mais preciso, quem compreende minha necessidade de distanciamento, quem não me odeia e etc.

 
Bom dia!!!
Uma animação divertida para animar o domingo:

Até mais, afinal tem um sol lindo me esperando lá fora...

7.9.13


Sou tudo isto e mais um pouco!
E falando sobre o que lembramos e aquilo de que nos esquecemos, costumo responder a todos os comentários que me deixam aqui.
Pois só hoje, alguns anos depois, é que encontrei este aqui:

*Claudinha disse... Oi menina bonita! Estive colocando em dia minha leitura do seu blog. Deixei um comentário aqui, outro ali, mas o bom mesmo é sentir o coração aquecido com essa proximidade virtual que o mundo da internet nos proporciona. Como eu comentei num post de meados do mês passado, minha vida não tem sido tranquila, mas tem sido boa, adoro trabalhar e ver as coisas começando a brotar, mas até os frutos virem, ainda terei que trabalhar um bocado. Assim, vou aproveitando para desejar a você e aos seus um natal bem feliz e um 2009 com bastante saúde e com muitas realizações. Beijos carinhosos *Claudinha 21/12/08 10:13 PM

Obrigada minha amiga querida, aonde quer que vc esteja!!!

6.9.13

Dos amores impossíveis, porque nem sempre somos o que o outro precisa.


Algumas vezes é preciso mais que amor para uma convivência feliz.
Um sorriso largo, um riso solto, um abraço apertado, um arrepio na pele, um gosto doce na boca, transpirar pelos poros do outro, não, isso não é suficiente.
 A receita é outra...mas essa fica prá depois!

1.9.13

O tempo passa e você percebe que já viveu metade da sua vida quando ao invés de ir ao casamento de um amigo, como no mês passado, vai à festa da filha de outro.Este é o primeiro casamento da próxima geração.
Desejo muitas felicidades e principalmente cumplicidade aos noivos!

30.8.13

Com uma irritação de desidratar até melancia e os cabelos ainda úmidos, presos num coque desde o banho da manhã, resolvi deixar o escritório mais cedo.Mal saí da garagem tocou o celular e eu calmamente respondi que só resolveria a questão que me trouxeram na segunda feira.Isso eu chamo de direito conquistado.Soltei os cabelos e o percurso do escritório até minha casa foi suficiente para secá-los.Estou pronta para o compromisso desta noite.
Entrei pela sala e fui direto para a cozinha pensando no que eu poderia levar.Somando o que eu tinha no armário com o que eu tinha na geladeira deu um bolo de frutas com essência de cassis.
E que não me peçam a receita, porque funciona mais ou menos assim: bati três claras em neve e reservei. Depois misturei bem umas 4 colheres de sopa bem cheias de margarina sem sal, três gemas, dois copos de açucar demerara e em seguida um copo de aveia em flocos.Acrescentei aos poucos um copo de leite, uma xícara de café de calda de cassis para sorvete e farinha de trigo até dar o ponto ideal, uns três copos.  Desliguei a batedeira, acrescentei duas colheres de sobremesa de fermento em pó, as claras e neve e duas xícaras de nozes e frutas secas picadas.Usei damasco, uva passa branca e preta, mamão, nozes e castanha do pará.
O bolo ficou mais ou menos como o da foto só que um pouco mais alto e mais fofo:


 (Fonte da imagem: http://www.pilotandoumfogao.com.br)

29.8.13

No próximo dia 06 completarão exatos sete anos que entraram aqui em casa.
Depois disso já fomos assaltados outras vezes, só que na rua.Mas eu precisei de quase sete anos para voltar a querer arrumar minha casa como ela merece.Foi quase o mesmo tempo para eu querer comprar um anel, ainda que bijuteria, mas um anel (ainda não o comprei).
Pela primeira vez penso, com prazer, em renovar meu guarda roupa.No dia seguinte ao assalto a minha vontade era de sair nua à rua, assim não teriam mais o que levar.Bolsas eu ainda não tenho vontade de comprar.Assim como qualquer coisa à qual possa ser atribuído um certo valor.
Algumas marcas ficam, como o cheiro da mão do homem que me rendeu, tampando a minha boca para que eu não gritasse.A cama do quarto tive que mudar de lado, agora fica mais longe da porta.Durante todo o tempo, com os olhos voltados para baixo, eu só avistava a soleira da porta e uns pés passando de lá prá cá no corredor.Cada vez que eu via passar os pés do meu filho eu sentia um frio na espinha.
Foram minutos, na verdade horas, intermináveis.
Mesmo mostrando sinais de superação do trauma, eu gostaria que setembro passasse logo!
Comprei uns livros, peguei uns emprestados, separei alguns filmes e assim tento não lembrar daquilo que não me faz bem.
Ah, sim, lembrei, de beijo eu gosto também, principalmente dependendo do contexto, como no video
abaixo:

 

26.8.13

Hoje reclamei do tempo seco e quente, abafado, desagradável.O que me faz desejar ainda mais minhas merecidas férias, outra vez. E faltam ainda, aproximadamente, uns 200 dias.
Abro minha mailbox e encontro o vídeo de uma nova música do Oswaldo Montenegro falando, mais ou menos, sobre um tempo seco.Não tem jeito, gosto mesmo de tudo o que ele toca e canta:


Pois é...aí não teve jeito e tive que escutar outras músicas, né?



24.8.13

Nos anos 80 havia por aqui um restaurante administrado por devotos do movimento Hare Krishna.
Pelo menos uma vez por semana eu almoçava lá e hoje só o que eu queria era um pouco do delicado e refrescante rasmalai.



A Mel ensina como fazer no Angu & Pirão.
Na verdade, agora, às 22:30h, eu gostaria que este potinho de rasmalai se materializasse bem aqui na minha frente.
Simples assim!

21.8.13

Permitir-se é tão urgente e preciso que nem dá prá pensar duas vezes!
As pessoas se permitem tantas coisas e eu me permito gostar.De músicas, de filmes, de livros, de frases feitas, de lugares, de cheiros, sabores e principalmente de gente, mais ainda de gente que me faz sorrir!


Também de gente que me faz sentir amada, gente que me abraça, gente que ri comigo e até mesmo de mim.Afinal sou uma graça de pessoa, interessante, divertida e nada modesta.
Ah...agora descobri que tenho uma voz doce também! No sábado, no meio de uma reunião sobre o projeto de um longa metragem, eu pensando que a pessoa iria dizer algo à respeito do assunto em questão , ela me solta um grande despropósito em alto e bom som:
- Você tem noção de como a sua voz é doce ao telefone? Alguém já lhe disse isso? Alguém já lhe disse o prazer que é falar com você ao telefone, a paz e o aconchego que você transmite?
Olhei para os lados, para os olhares surpresos do meus colegas e um tanto desconcertada respondi:
 - Não! E rapidamente voltei a enumerar o que eu considerava imprescindível para a elaboração do roteiro do longa.
Ultimamente tenho me permitido abusar do meu charme e simpatia, mas não é para tanto, né? Bem, esta segurança toda eu adquiri foi com a idade, na verdade, de uns poucos anos prá cá.Ou então com a forma como tenho lidado com a vida.Talvez eu esteja esteja recebendo o que ando dando.
Ainda sobre do tema : Permitir-se! assisti ontem, acho que pela sexta ou sétima vez, um filme que gosto muito:

Leve e divertido!

17.8.13

Neste domingo iremos relembrar os antepassados maternos.
Desde que meu pai pegou pneumonia, e ficou internado, estamos nos reunindo aos domingos aqui em casa.Uma excelente oportunidade para revermos antigas receitas de família.
Já temos no cardápio de amanhã: salada de beterraba, salada de pepino e tomate e kachapuri.
Fora o bolo de mel da minha mãe, que leva nozes, chá preto e cacau.Batido na mão, uma vez que não havia batedeira antigamente.
Aliás, a maioria das receitas que estamos experimentando usa muito as mãos.Para misturar, picar, bater, sovar e etc.
Manusear o alimento assim tão intimamente pode ser considerada também uma demonstração de amor e carinho.


13.8.13


E tem dias em que todas as palavras não bastam para explicar aquilo que não tem explicação:

4.8.13

Como tive somente uma avó e ela não era muito presente, não que não quisesse, mas porque morava longe e naquela época a tecnologia não era tão avançada como nos dias de hoje, toda a minha cultura caseira veio da minha mãe.Os ditados populares aprendemos com uma moça que trabalhou em casa, a Zefa.Um que ela gostava muito era: O que os olhos não vêem, o coração não sente.
E eu, claro, não concordava.
Levei anos para compreender o que significava.Para ser bem honesta só hoje começo a concordar que é melhor não ver para não sentir.Antes eu achava que este distanciamento forçado era fuga, covardia, mas não, é simplesmente instinto de sobrevivência.
Complementando o que a Zefa dizia, minha mãe tentava me explicar que existe um distanciamento necessário.É o que nos garante sermos nós mesmos.Como adolescente eu queria ser muito mais que somente eu mesma.Apaixonada, eu queria fundir minha alma a outra, ou mesmo a um grande ideal.
Aprendendo aqui e alí, amadureci e atualmente quero viver, sentir, amar e até mesmo detestar somente o que está ao alcance das minhas mãos.Aquilo que posso ver, escutar, apalpar, cheirar e provar, respeitando sempre a minha individualidade!


The Five Senses - Hans Makart

3.8.13

Ando cuidando dos que estão mais próximos.Os mais distantes que me perdoem.Volto a socorrer-lhes assim que for possível.
No final de um dia cheio, depois de um banho reconfortante, não há nada como escutar músicas no silêncio do fone de ouvido, na penumbra e com os olhos levemente fechados.
Outro dia, numa propaganda de uma instituição financeira escutei uma música que me soava familiar.
Aqui está ela:

31.7.13

Andei ausente.
Além da correria de costume dei mal jeito no músculo extensor do dedo indicador da mão direita. Resumindo, doía um bocado para digitar.E também para cozinhar.
Mesmo assim consegui reunir em casa no final de semana um bom grupo de colegas jornalistas que se formaram comigo em 1990.
Acordei no dia seguinte, quase ao meio dia, com o maxilar dolorido de tanto falar e principalmente rir.
A mão direita, então, eu mal mexia.
Ficamos no papo, nos queijos e nos vinhos até as 4 da madrugada.
No meio da tarde a pessoa que traria a sobremesa avisou que teve um imprevisto e não viria mais.
Pensei rápido e fiz uma receita super fácil e que agradou a gregos e troianos:

Mousse de BIS - com apenas 3 ingredientes

-1 lata de leite condensado
-1 lata de creme de leite sem soro
- 2 caixas de Bis

Coloque a lata de leite condensado na panela de pressão.
Cubra com água, tampe e leve ao fogo.
Cozinhe durante 30 minutos após o início da pressão.
Deixe sair toda pressão, retire da panela e deixe esfriar "totalmente" a lata antes de abri-la.
Em uma tigela bata o doce de leite com o creme de leite. Em seguida adicione Bis picado.
Coloque em uma vasilha de vidro transparente.
Leve a geladeira até endurecer.
Experimente polvilhar com Bis picado antes de servir.
(eu não polvilhei, na verdade esqueci e mesmo assim ficou ótimo)




Só hoje minha mão voltou ao normal e cá estou compartilhando esta receita divina.
E para acompanhar uma música bem gostosa para os ouvidos:

14.7.13

Li uma história de amor muito bonita lá no Carlos.
De amor, sexo, desejo e amor.Porque incompleta é a pessoa que só experimentou um amor na vida.É natural que amemos muitas pessoas e das mais variadas formas possíveis.Mesmo que os romances acabem o que foi vivenciado continua, vai nos acompanhando pela vida, meio desperto, meio sonolento, mas está lá e vem à tona quando escutamos uma música, sentimos um cheiro, revemos uma paisagem e etc.
Não, não tenho uma música específica que me lembre alguém.Na verdade existem algumas músicas que me despertam e só.
E quando escutei esta música hoje pensei no Carlos e sua história com a Leyla.

13.7.13

Só para descontrair, ok?



Finalmente estou podendo dormir tranquila.Internar seu pai, de quase 80 anos de idade, no dia do seu aniversário, por conta de uma pneumonia repentina, não é bem o que eu considero parte das comemorações.
Na tarde seguinte o cara metade foi parar no pronto socorro com uma forte cefaléia, que posteriormente descobrimos ser consequência de uma crise de sinusite.
Na sexta feira o filho chegou trazendo medalha de bronze dos Jogos Regionais, mas também veio esbagaçado depois de oito dias de alojamento e jogo pesado.
Com a internação do meu pai minha mãe descompensou.Isso sem contar que no meio do feriado um dos cachorros mordeu a gata e tive de procurar um veterinário aberto para aplicar os primeiros socorros.Ela passa bem, aliás, hoje meu pai teve alta e todos passam bem e estão devidamente medicados com antibióticos até o pescoço.Da gata ao cara metade.
Até que eu tive vontade de fazer um bolo de côco molhadinho, que eu adoro, mas quem disse que tive coragem.Estou anotando aqui para fazer no próximo final de semana:
Ingredientes:
4 Ovos
2 xícaras de chá de Açúcar
2 xícaras de chá de Farinha de trigo
1 colher de sopa rasa de fermento em pó
1 xícara de chá de Leite fervente
Calda - 1 Lata de Leite condensado; 1 lata (a mesma medida da lata de leite condensado) de Leite de vaca; 1 lata (a mesma medida da lata de leite condensado) de Leite de côco;
Cobertura 150 g de Côco ralado.
Preparação:  Bater as claras em castelo. Juntar as gemas uma a uma e bater na velocidade mínima. Juntar o açúcar e bater até formar pequenas bolhas. Adicionar a farinha de trigo, o fermento e o leite intercalado com a farinha. Colocar num tabuleiro grande, untado e polvilhado. Levar ao forno pré-aquecido a 180º cerca de 35 minutos.
Calda: Misturar todos os ingredientes muito bem. Assim que o bolo sair do forno, cortar em quadrados e regar com a calda.
Cobertura: Polvilhar o coco ralado sobre o bolo com a calda.
Gelar de um dia para o outro.


E agora tenho que começar o texto de um longa metragem e assistir um documentário esteticamente bem inspirador.Aliás a construção dele é muito interessante, do jeito que eu gosto, com narrador como figura principal contando a história com flashbacks muito bem interpretados, projeções e fotografias.
E o que as pessoas do próprio meio não compreendem é que leva tempo para construir um documentário, muito mais do que uma ficção.O mundo real esbarra nos sentimentos de um jeito que deixa marcas.É algo que poderia acontecer com qualquer um de nós.Aliás eu acho que este é o objetivo de um documentário, levar para a tela uma história pessoal de uma forma com que outros possam se identificar.
Enquanto não começo a escrever aproveito para limpar as gavetas aqui de casa.E é claro que me perco em cada carta, cada fotografia, cada papelzinho...

7.7.13

Torre de marfim

Quando você tem aquela coisa de ser compreensiva no sentido de sempre tentar entender o próximo e suas motivações, automaticamente você se torna um tipo inabalável, quase uma torre de marfim.Uns caem à direita e outros à esquerda, mas quem se mantém sempre firme para catar os cacos alheios? Você, no caso, eu.
E é seu também aquele abraço farto e reconfortante que todo mundo adora! Aquela palavra apropriada para uma hora de dor ou de raiva.Você parece até saber o que o outro está sentindo.É realmente impressionante.Você nunca foi  visto(a) falando nada desagradável, nem mesmo um único palavrão e muito menos mandou alguém à merda, ou no pior dos casos, se foder.Não que não tenha faltado vontade.
Mas você é normal, um ser humano de carne e osso, muito mais carne do que osso, além de todos aqueles neuroreceptores.Sim e você tem um coração.Que em alguns dias muito especiais parece sentir todas as dores do mundo.
E alguém, por acaso se preocupa em perguntar se você deseja sair um pouco da torre e viver a vida de um jeito diferente? Claro que não.Tem dias em que gostaria que me vissem com outros olhos.Talvez eu quisesse somente um pouco mais de sensibilidade, que em mim abunda.
Mas também isto passa logo, é só dormir que na manhã seguinte já acordo cantando alegremente outra vez!
1, 2, 3...



Feito purpurina

Quando pequena meus olhos brilhavam quando a professora de artes dizia que íamos precisar, para a próxima aula, de tinta plástica colorida ou, melhor ainda, purpurina.Bem, não penso em virar tinta plástica depois de morta, mas purpurina é uma idéia que bem que me agrada!
Adorava ir ao armarinho escolher meu material.Armarinho eram lojas que vendiam aviamentos e material para artesanato.Lilás, pink, roxo, verde, vermelho, azul, prata, ouro, era um infinidade de cores.Nas versões fina ou grossa.


Eu optava por variações de tons da mesma cor em diversas texturas. Aprendi a gostar dos tons de rosa, como o pink, de forma genuína, sem influência de bonecas americanas, que naquela época nem eram vendidas por aqui.Agora virou febre e as meninas crescem copiando-a.E é tanto cor de rosa que até nos enjoa o olhar.
Gosto do brilho da purpurina, da vida que ela adquire diante da luz e assim quero ser pela eternidade.

E ela foi, inclusive, tema de música:

5.7.13

Até que enfim é sexta feira!

Trilha sonora de hoje: I want a little sugar in my bowl



Seria pedir demais que as pessoas não fossem tão inconstantes???
Tem dias em que penso que o transtorno bipolar é um tipo de vírus e que está se tornando uma epidemia.
Quem inventou o tal modern way of life, héin?
Quero voltar no tempo com slow foods, slow feelings e slow life.
Não me arrependo de nada que fiz, mas hoje penso que ficou muita coisa pelo caminho que eu poderia ter feito se não tivesse tido tanta pressa.
Demorei para perceber...mas acho que ainda tenho tempo para viver a vida com mais calma e muito mais capricho.

30.6.13

Por umas e outras:  meu coração vagabundo quer guardar o mundo em mim.
E não dá, né?
Dificíl é esquecer aquilo que teimamos em lembrar.
E cancerianos são mestres em armazenamento de memórias.
Entre uma colher de xarope e uma taça de vinho vou rasgando as páginas que já não cabem mais no meu livro. Afinal ainda tem muito para ser escrito.
Um lindo final de domingo para todos!

25.6.13

Ontem à noite a guarda municipal passou por nós como chuva de meteoritos.
Estava tendo quebra quebra na Câmara dos Vereadores e no centro da cidade, enquanto um pequeno grupo de manifestantes protestava na frente da prefeitura. Sobrou bala de borracha para todo lado.
Tenho lá minhas dúvidas se tudo isto (as manifestações e não o vandalismo) vai surtir efeito.
Porque, na verdade, plebiscito nunca funcionou por aqui, fora que custa caro.
O Congresso Nacional pode reformar a Constituição quando melhor lhe aprouver por meio das PECs.Inclusive outro dia recebi por e-mail uma sugestão que achei bem de acordo, embora um tanto utópica:

 PEC de iniciativa popular: Lei de Reforma do Congresso (proposta de emenda à Constituição Federal)

1. O congressista será assalariado somente durante o mandato. Não haverá aposentadoria por tempo de parlamentar, mas contará o prazo de mandato exercido para agregar ao seu tempo de serviço junto ao INSS referente à sua profissão civil. Vamos acabar com políticos profissionais.
2. O Congresso (congressistas e funcionários) contribui para o INSS. Toda a contribuição (passada, presente e futura) para o fundo atual de aposentadoria do Congresso passará para o regime do INSS imediatamente. Os senhores Congressistas participarão dos benefícios dentro do regime do INSS exatamente como todos outros brasileiros. O fundo de aposentadoria não pode ser usado para qualquer outra finalidade.
3. Os senhores congressistas e assessores devem pagar seus planos de aposentadoria, assim como todos os brasileiros.
4 Aos Congressistas fica vedado aumentar seus próprios salários e gratificações fora dos padrões do crescimento de salários da população em geral, no mesmo período.
5. O Congresso e seus agregados perdem seus atuais seguros de saúde pagos pelos contribuintes e passam a participar do mesmo sistema de saúde do povo brasileiro.
6. O Congresso deve igualmente cumprir todas as leis que impõe ao povo brasileiro, sem qualquer imunidade que não aquela referente à total liberdade de expressão quando na tribuna do Congresso.
7. Exercer um mandato no Congresso é uma honra, um privilégio e uma responsabilidade, não um ato em mais uma carreira. Parlamentares não devem servir em mais de duas legislaturas consecutivas, igual ao Presidente.

Isto é só o começo, mas são propostas que dariam um tom mais sério ao discurso dos nossos políticos.
E o que continua sendo necessário, em todas as instâncias, é a transparência.
Na economia o valor do dólar só aumenta e o controle da inflação fica mais frágil.
Enquanto isto uma frente fria cobre o país trazendo muita chuva que propicia a ocorrência de desmoronamentos.E historicamente nunca estamos preparados para estas situações de risco.
Vejo tragédias anunciadas.

18.6.13

Quem canta seus males espanta....




16.6.13

Panem et Circenses:  foi uma forma de política criada pelos antigos romanos, que previa o provimento de comida e diversão ao povo, com o objetivo de diminuir a insatisfação popular contra os governantes. O custo desta política foi enorme, causando elevação de impostos e sufocando a economia do Império. (Fonte: Wikipedia)

13.6.13

Antigamente nossas avós tinham sempre uma receitinha caseira para diversos males.Canja de galinha, geléia de mocotó, gemada com vinho do porto, limão com mel, mingau de aveia, xarope de beterraba, chá disso e daquilo.Os tempos mudaram e fomos nos afastando das soluções caseiras.
Depois do susto que levei com a picada de aranha o médico me solicitou 23 exames laboratoriais.Afinal, a minha resposta ao processo inflamatório foi muito lenta.
Meus exames, aparentemente, estão ótimos.Colesterol e triglicérides perfeitos, assim como a glicose.Mas saí do consultório com uma receita de Ferro, Vit.D e Vit. C.Talvez, se eu estivesse seguindo os conselhos da vovó, não precisaria destes suplementos e nem destas recomendações:
Consuma os alimentos fontes de ferro com alimentos fontes de vitamina C na mesma refeição para aumentar a absorção do ferro. Por exemplo: Beba suco de laranja com uma tigela de aveia no café da manhã. Adicione pimentão vermelho em cubos no sanduíche de atum. Inclua fatias de laranja à salada de espinafre.  Consuma fontes vegetais de ferro com a carne, pescado ou ave para aumentar a absorção do ferro. Por exemplo, consuma macarrão com molho à bolonhesa ou adicione nozes ao frango xadrez. Cozinhe em panela de ferro ou aço inoxidável para aumentar a quantidade de ferro nos alimentos.ƒDesfrute de nozes e frutas secas como passas, damascos, ameixas, figos e tâmaras como petisco ou adicione-as ao cereal matinal. Adicione feijões, ervilhas ou lentilhas às sopas, ensopados, saladas, caçarolas e molho de espaguete. Evite tomar chá ou café com alimentos ricos em ferro.

12.6.13

Acho bonito o dia de hoje, apesar de ser uma data especialmente comercial. Gosto de ver o amor declarado assim, afinal sou uma romântica incorrigível. Isto a rigidez da vida não me tirou, suspeito que inclusive acentuou minha sensibilidade para aproveitar o que o amor trás de melhor.
E assim começo este dia bonito demais.

9.6.13

O manhã estava tão linda por aqui que sentei-me no degrau da varanda só para tomar um ar puro e me fartar com o calor do sol. Alí, sozinha, olhando a cidade ao longe tentei compreender minhas questões pessoais. Continuo tentando entender a sensação estranha que senti ao ver meu filho passeando com a família da namorada.Não é ciúmes, nem síndrome do ninho vazio, mas é esquisito.Acho que acontece quando a gente se dá conta que o filho cresceu.É diferente de vê-lo saindo com os amigos ou então com a namorada. Ontem foi o primeiro dia, acho que logo eu me acostumo.

2.6.13

Não sou de ficar fazendo marketing gratuito, nem remunerado, mas este vinho tenho que compartilhar!


Rapariga da Quinta Escolha 2010
Produtor: Luis Duarte Vinhos. Origem: Alentejo, Portugal.
Olfato: Frutas vermelhas frescas, noz moscada e baunilha.
Paladar: Leve, fresco e frutado, com um toque de café. Boa acidez.
Outras considerações: Elaborado com as uvas Aragonês (40%), Trincadeira (40%) e Syrah (20%), parte do vinho estagiou em carvalho de segundo uso por seis meses.
Sua graduação alcoólica é de 13,5%.

Em outras palavras um vinho perfeito para o começo, meio e fim do meu almoço de domingo. A primeira taça foi antes mesmo de eu terminar de montar a salada. Seu aroma é convidativo. Seu sabor é tão leve que mal se percebe o teor alcoólico. Para quem não gosta de vinhos muito encorpados, é excelente.
Não adianta, eu gosto mesmo dos vinhos portugueses. O vinho do Porto sempre esteve presente aqui em casa. E desde que entrei num programa de pontos de uma rede de postos de gasolina tenho comprado vinhos regularmente, com um bom desconto.Você recebe as ofertas por e-mail, entra no site, faz a compra e em três dias úteis os vinhos são entregues no seu endereço.
Agora quero provar um Figueira de Cima, os brancos da região do Douro e também o Moscatel Quinta do Portal.
Afinal, in vino veritas.

1.6.13

É até engraçada a mudança que a vida moderna provocou nos hábitos femininos.
Muitas, como eu, trabalham qualquer coisa em torno de 8 horas por dia. Aí chega um feriado prolongado e o que fazemos? Vamos para a cozinha.
Eu, pelo menos, ainda tive tempo e disposição, depois de um dia inteiro na cozinha, para um churrasco seguido de poker até as duas da madrugada. Entre um prato e outro preparei um tabule para levar. Acho que andei ligada no 220v.
 Em menos de dois dias produzi três tipos de salada, bifes de panela, molho de tomate natural, shiitake, brócolis, arroz integral, panquecas de carne, recheio de frango desfiado, bolo integral de banana, dois tipos de sopa e salada de frutas. Boa parte, menos as saladas, congelei para comermos durante a semana porque honestamente a melhor coisa que existe é chegar em casa no final do dia e encontrar comida de qualidade pronta.
Agora a pilha acabou.
O que significa que preciso escutar boa música para recarregar as energias.


30.5.13

Por possuir um gosto musical um tanto eclético, mas me poupem de alguns estilos que fazem sucesso atualmente por aí, pareço  uma pessoa cheia de fome e vontade diante de um buffet do tipo All Tou Can Eat...
Numa mesma hora sou capaz de me fartar de Tchaikovsky, Chico Buarque, Ozzy Osbourne, Elba Ramalho e Kate Melua.Na sequência mando prá dentro Tracy Chapman, Sinatra e Gloria Gaynor. Deixando espaço ainda para um Bocelli ou  um Elton John.
E faço links com as músicas.


Com esta aí acho graça da adolescente que fui.
Não sei precisar quantas vezes cantei esta música a pleno pulmões e bem fechada, é claro, no meu quarto de menina. O canto nunca foi o meu forte e sou uma típica canceriana alheia aos holofotes.
Mas sim, já fui uma namoradinha fofa, doce e apaixonada, com temor de declarar meus mais sinceros sentimentos.Certa vez desfiz um namoro, melhor que dizer que terminei um relacionamento, chorei por mais de uma semana sem parar.E não me perguntem porque é que decidi não ir adiante com algo que me fazia feliz.Acho que era amor e imaturidade demais. Tanta coisa eu não disse. Segundo o cara metade até hoje tenho este costume. Mas eu melhorei bastante!!! Pelo menos aquilo que mexe com a minha alma e não especificamente com o meu coração, eu grito a plenos pulmões!

29.5.13

Às 6 da manhã, nem havia clareado hoje, eu já estava na rua.Alguns minutos depois, na estrada.
Fui e voltei rapidinho, tanto que consegui chegar mais cedo em casa.Por obra do acaso não tive nem um problema na filial.Tudo estava perfeitamente em ordem, como sempre deveria ser.
Com este friozinho, mas nem que me convidem para um crepe ou um fondue eu saio outra vez.
Tirei as lãs e agulhas do baú e pretendo inventar algo novo e bem colorido, alegre.
Meu feriado musical começou bem também...

25.5.13

Perdi minha avó materna quando nem havia ainda caído na vida.
Eu estava, na ocasião, dentro da barriga da minha mãe, com pouco mais de quatro meses.
Meu avô, logo depois da missa de sétimo dia, ou seja, eu ainda não estava de corpo presente no seio familiar, casou-se com a outra, com quem tinha já duas filhas pequenas, pouca coisa mais velhas do que eu. Nos viamos somente em datas festivas.
Meu avó paterno morreu uns anos depois e a única avó que me restou morava em outra cidade e "tomava conta" de uns primos meus enquanto a mãe deles casava e descasava.
Isto tudo e nem chegamos ainda nos anos 70.
Meu pai, à princípio, trabalhava em dois empregos e depois arrumou outro que exigia que ele vivesse viajando.
Ou seja, minha memória musical, vem única e exclusivamente da minha mãe.
O que eu considero uma verdadeira dádiva.E era num antigo gramofone que escutávamos os discos favoritos dela, herança da minha avó.Na verdade, de material, foi a única lembrança que lhe restou.A outra levou tudo, juntamente com o meu avó, quando se mudaram para o novo lar do casal. Hoje nem mais o gramofome existe.
Resiste sim a lembrança dos bons momentos ao som da Traviata, com Andre Kostelanetz e de tantos outros clássicos.
No Dia das Mães gravei-lhe um CD com estas músicas.
Ela chorou tanto de emoção que fiquei preocupada.
Mas ela passa bem!