31.10.09

Concordo com quem diz que as pessoas encontram um certo conforto na comida. E é mais que só conforto como vemos no filme "Tempero da Vida" (Ou Um Toque de Canela), do diretor Tassos Boulmetis. O filme retrata a vida de uma minoria de gregos em Istambul e num determinado momento o personagem principal, Fanis, é obrigado a regressar à Grécia por causa dos conflitos na ilha de Chipre. Toda essa movimentação Grécia-Istambul, Tassos conhece bem, uma vez que ele, nascido em Istambul, ainda menino mudou-se, com a família, para a Grécia. O título original, Política da Cozinha, ou Cozinha Política, é o que melhor define o espírito do filme.
Mas isto não é o mais importante do filme.O principal é a relação de Fanis com seu avô Vassilis, dono de uma mercearia que vende todo tipo de tempero. E é ele que apresenta à Fanis a indispensável utilização dos temperos na gastronomia e na vida, inclusive aqueles que nem percebemos, como o sal.
O texto é riquíssimo, poético e cheio de significados.E assim são tb algumas comidas que temos o prazer de provar. Seu avô lhe ensina que: Pimenta, aquece e queima.Canela é doce e amarga como as mulheres.E que o sal é indispensável em nossas vidas.Assim como alguns pratos da culinária tem o sabor magistralmente reforçado pelos temperos.Algumas cenas são extremamente poéticas, possuem movimentos próprios.A narrativa é magistralmente reforçada pelos elementos em cena, principalmente nos planos abertos.
E hoje, fazendo bem à alma, almocei arroz marroquino. É de um pequeno restaurante de uma turca que ficou viúva e que percebeu na culinária a chance de sobreviver economicamente.É o melhor prato de lá. Ela o prepara com arroz, frango desfiado, castanha de caju, cravo, canela, noz moscada e cheiro verde.E sal...
É tudo aquilo que Vassilis ensina ao neto :o)
What a shame!
Este blog foi indicado, entre outras coisas, por sua atualização diária. Mas a pessoa que aqui escreve teve uma sexta feira digna de halloween.No final do dia eu estava tão cheia, tão chateada, tão tudo, que só encontrei alento nos trabalhos manuais. Sentei-me no sofá e fui até tarde no ponto cruz. Minha mãe comprou toalhas para as crianças do abrigo. As dos bebês não, mas as outras , das 14 crianças maiores, tinham espaço para bordar. Ela disse que eu fiquei louca(por causa da falta de tempo), mas decidi bordar o nome de cada uma nas toalhas.Quando fui buscá-las, minha mãe ainda tentou me convencer a bordar somente as iniciais.Mas teimosa que sou já terminei um nome e estou no meio do segundo.
Bem, voltando ao meu dia de cão.Depois de tudo o que eu escutei e tive de dizer, um episódio no finalzinho da tarde me tirou do prumo.Fui com o cara metade comprar pães e queijos para o feriado prolongado numa mercearia que costumo freqüentar.Estávamos pagando a conta quando a dona de lá, a Rita, disse:
- Ah...vocês eu tenho certeza que vão ajudar com uma sacolinha para as crianças da catequese.
Ela já estava com o papelzinho na mão, mas o cara metade respondeu que não, e porque já tínhamos as nossas crianças. Ela insistiu:
- É? E de onde?
- Do Centro Corsini.
Ela respondeu com uma cara de nojo:
- Ah...mas elas são filhas de prostitutas...As minhas não, são crianças da catequese!
Eu fiquei sem fala. O sangue do cara metade subiu-lhe, ele colocou o dedo em riste e disse:
- Vc está sendo preconceituosa.
Ela ainda continuou:
- É diferente... E ainda tentou dizer que as crianças da Igreja são isso, isso e aquilo.A situação foi só piorando e o preconceito aflorando no discurso. Quanto mais ela falava pior ficava.Ela deixou bem claro que as crianças com Aids são descartáveis.
O cara metade saiu esbravejando que ela era ignorante e preconceituosa e eu muda. Entrei no carro calada e em menos de um minuto eu estava em lágrimas. Acho que já contei aqui que minhas lágrimas escorrem sem controle, né? Depois eu chorei de verdade e acho que foi de raiva.Eu pensava naquelas crianças que tanto amo e na cara e nas palavras da Rita, e chorava.Foi horrível ver a forma como as pessoas repudiam crianças inocentes que elas nem conhecem.

29.10.09


Ai, que vontade que dá!!!
P.S. Perdoem a falta de tempo...
True Love of Mine,
Are you going to Scarborough Fair?
Let me know that at least you will try
Bring me some
Parsley, sage, rosemary anf thyme

28.10.09

Não consegui esperar para compartilhar algo que acabei de ler na Luma.Eu cresci embalada também pelas melodias do antigo Cat Stevens, hoje Yusuf, depois de convertido ao Islamismo. Ele está lançando um novo disco. E sem sombra de dúvida já está na minha lista de compras. É possível escutar uma prévia no site oficial do cantor. E aqui vocês podem assistir o video da música Thinking 'Bout You. Música fofa de um cara do bem...

Just Perfect

Comecei criando um blog como uma válvula de escape da pressão do cotidiano.No princípio eram textos curtos que refletiam muito mais o meu humor do que a minha posição diante do mundo aonde vivo. O tempo foi passando, as pessoas foram comentando e eu encontrei uma forma de expressar tudo o que penso. Atualmente escrevo desde aquela receita perdida da minha avó, que acabei de encontrar, até a matança cruel de golfinhos no Japão. Aqui o leitor encontra músicas que fazem algum sentido para mim e o que me faz rir, chorar, amar e até mesmo odiar.É um espaço aonde posso opinar livremente sobre uma paixão: o cinema. Hoje este blog tornou-se a casa virtual aonde recebo amigos queridos para falar sobre todas as coisas.E agradeço ao Carlos, do Crônicas do Rochedo por ter me presenteado com este selo.

A frase que acompanha o prêmio diz "Your Blog is just perfect to learn something every day".Eu agradeço a referência e que se alguém possa aprender algo aqui, que seja sempre algo de bom. Outra premissa para a atribuição do prêmio é que o blog indicado seja de atualização diária.E é pedido ao contemplado que indique 12 blogs de sua preferência. Sinto não poder indicar o pedido, pois muitos dos blogs que leio não são atualizados diariamente, o que é uma pena.
Mas aí vão os meus indicados:
Loba das Estepes - palavras de uma mulher que sabe como e o quê dizer
Luz de Luma - outra mulher que fala com propriedade
Rainhas do lar - tudo, mas tudo mesmo, sobre a culinária do dia a dia
É tudo gente morta - indefinível, é preciso ler prá crer
Foi desse jeito que ouvi dizer - todo dia uma nova lenda
Delito de Opinião - o papo é sério, mas descontraído
E tem mais três pessoas que escrevem "quase" que diariamente merecendo o prêmio:
Ares da minha graça - a forma irreverente como a Patti escreve não podia ficar de fora
Blue Moon - síntese da alma
Canela Moída - o sabor mais ardido e cativante da culinária portuguesa

É isso aí, continuem escrevendo porque eu ainda tenho muito o que aprender!!!

27.10.09

Vou trabalhar...e enquanto isso fica um video aqui para que cada um de vocês pense com carinho na água que nos mantêm vivos!!!
Quando minha cabeça fica muito cheia, escuto música compulsivamente.E nesse sentido o You Tube transformou-se no meu melhor amigo, amigo de infância. Não sei precisar quantas músicas escuto numa seqüencia, só sei que são muitas. E o que mais gosto é a forma aleatória como isto acontece.Porque uma música leva à outra e eu vou longe.Foi assim que cheguei nessa música.Fazia uns 20 anos que eu não a escutava e ela marcou uma fase da minha vida aonde o ciúmes me deixava muito aborrecida.Eu me sentia presa, sentia que me cortavam as asas sem motivo.Eu acreditava cegamente que quando a gente gosta não quer mudar a pessoa.Me fechava no quarto, ligava o rádio e chorava baixinho por não ser compreendida.Não sei se chorava mais de raiva ou de tristeza. Hoje, depois de muito tempo, consigo ver as coisas de outra maneira, acho que isso chama-se maturidade.E acho graça da adolescente que eu fui um dia :o)

Começo a semana literalmente de cabeça cheia.Vai faltar semana na minha agenda, só na filial terei de ir mais duas vezes antes do final de semana.Ontem fui e voltei correndo entre uma reunião na escola e outra na matriz. E por melhor que seja, toda reunião é tensa.Meu estômago têm refletido sinais de tanta tensão e a primeira coisa que tive de cortar foi o café.Ainda ontem cheguei em casa e fiquei horas debruçada sobre planilhas e relatórios.Alguma vez alguém já sentiu vontade de emburrecer? Sim, deixar de compreender, de refletir, de calcular, de concluir? E deixar de gostar de pensar tanto assim? O caminho no qual me encontro hoje fui eu mesma que trilhei.Por que é que eu não aprendi a lição de Saint Exupéry quando ele escreveu que "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"? E tem gente que daria qualquer coisa para estar aonde estou agora.Hoje é um daqueles dias em que eu gostaria de voltar no tempo.Aonde tivesse alguém que me mostrasse uma outra direção.E que eu tivesse segurança e maturidade para seguí-la. Mas enfim nem tudo sai como planejamos.
A reunião na escola foi extremamente desagradável. A coordenação mudou sua posição depois que expus o meu ponto de vista. Eu disse que é uma situação que não merece que se tome uma atitude mas que serve de alerta para o tipo de educação que está sendo ministrada dentro da instituição.Ainda mais num local aonde fala-se tanto sobre a formação do cidadão.A escola, a princípio, achou que o que aconteceu não foi nada significativo e que talvez eu estivesse valorizando demais um fato sem muita importância.Quando coloquei a coisa de outra forma, argumentando sobre a necessidade do aluno refletir, da necessidade da escola orientar essa reflexão e da formação do profissional que vai orientar estes questionamentos, eles pararam prá pensar.A reunião acabou de forma positiva para mim, mas isso não me deixa feliz.

25.10.09


A felicidade, efêmera, dura o tempo que deve durar.
Mas nunca é o tempo suficiente,
assim como as cerejeiras em flor.

O história é básica. No meio do processo da Bossa Nova, um grupo de músicos decide tentar o sucesso em Nova York. Mas " Os Desafinados" é sensacional!!!

O roteiro é do próprio diretor, Walter Lima Jr., em parceria com Suzana Macedo e Elena Soarez. Não sei ao certo quem devo parabenizar pelo excelentes closes, se o diretor de fotografia, o diretor de arte ou a equipe toda.Eu arriscaria dizer que foi um filme feito em conjunto e com uma equipe muito afinada.Eu só não gostei muito de alguns travellings, mas são poucos, que achei muito corridos.Mas de resto, está tudo perfeito.
Todos os atores, tanto os da primeira fase quanto os da segunda estão muito bem. Me perdoem os outros, mas Rodrigo Santoro é Rodrigo Santoro e é muito mais do que sex appeal. O trabalho de Claudia Abreu está irretocável. Até Jair Oliveira, que é músico, se saiu bem interpretando Geraldo.E cá entre nós, o papel de Santoro que seria inicialmente de Murilo Benício, combinou muito mais com Rodrigo.
O filme vai contando a história de um grupo, assim como em Across the Universe, de Julie Taymour. E mesmo sendo leve e adocicado, não deixa de criticar de forma bem elegante, a ditadura militar. O bom é que ele não se fixa na bossa nova e sim no comportamento e sentimentos de uma geração envolvida com a música, nos anos 60/70, no Rio de Janeiro e em Nova York. A inclusão de um cineasta iniciante na trama deu um excelente ponto de partida e tb de chegada. Anteriormente muitos jovens saíam do país em busca de reconhecimento artístico. Hoje vão em busca de dinheiro mesmo.Sem dúvida, o mundo era muito mais romântico...

24.10.09

Depois do temporais

"É normalmente depois dos temporais que deixamos as portas entreabertas"
Eu sempre gostei da escola. Eu tinha problemas com alguns professores específicos, mas no geral, eu era bem querida. Naquela época os professores não questionavam o material de pesquisa e a autoria dos trabalhos que eu levava. De alguns colegas a autoria era até questionada, sim.
Desde muito pequena eu sempre tive segurança ao me expressar. A minha escrita pode deixar dúvidas, mas a minha fala não. Mas o que aconteceu hoje eu não acho que seja um caso de falta de segurança ao se expressar e sim de total insegurança do interlocutor. Insegurança esta causada pela sociedade consumista na qual vivemos, aonde tudo o que pode ser consumido como a arte, a literatura e a música estão superexpostos na internet.
Hoje teve mostra cultural na escola e para montar um painel da Primavera, foi pedido à cada aluno que levasse a fotografia de uma flor tirada do quintal, do jardim, ou mesmo do interior da casa, como por exemplo uma vaso de violeta. O meu anjo fotografou minha roseira. E segundo ele mesmo, ao ser flagrado deitado no teto do carro com a câmera na mão: - Foi para arrumar um ângulo melhor. Eu alí não via ângulo algum, mas enfim...
O resumo da ópera é que os outros colegas não acreditaram que a foto foi tirada por ele.A professora ficou em dúvida, mas resolveu aceitar a fotografia.Eu até entendo que com o Google Imagens fica fácil copiar e imprimir.E isto serviu para eu me perguntar como faz o professor moderno para identificar a autoria dos trabalhos? Parece que fica por conta da palavra do aluno.Penso que o ideal seria que os alunos fizessem os trabalhos na própria escola.Mas aí esta foto abaixo não existiria...
Eu não costumo transcrever aqui textos de outros blogs.Prefiro linká-los e deixá-los como uma sugestão. Mas especificamente essas palavras da Eugênia de Vasconcellos eu tive de transcrever, Na verdade, não me contive:

A IDADE DO ADEUS

Trago-te aqui
nas mãos em con­cha
a memória da água
que te dei a beber
que bebi
Se os meus pas­sos avançam
no átrio de cal­cário branco
em direcção a ti
enquanto nas fol­has das laran­jeiras cardeais
corre a brisa do primeiro dia de verão
é porque con­voco as partícu­las de vazio
que te agregam
com a certeza de quem já habitou
o par­que claro da tua alma
Toma então este seg­redo de péta­las
redondas ver­mel­has a cair do céu
com o vagar de quem não sabe
que a morte se põe a cam­inho
na aurora do nosso primeiro grito

23.10.09


"A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida." John Dewey
Em que época estamos vivendo???
Definitivamente numa época de degradação.E na contramão desse movimento encontram-se os mais puritanos.Ou melhor, os que se dizem mais puritanos.
Ontem meu filho saiu da escola um tanto calado.Ele é assim mesmo, leva um tempo para falar das coisas que o estão aborrecendo.Mas era visível que tinha alguma coisa errada.
Eu vou voltar um pouco no tempo. No começo do ano o professor de filosofia (do ensino fundamental), numa prova sobre a relação do homem com os bens de consumo, deu uma nota bem baixa para a minha cria. Entre outras coisas meu filho escreveu que ter uma casa, um carro e um computador não é necessário para que a pessoa viva, estude ou trabalhe.E que as pessoas podem ser felizes sem isso.Por outro lado o professor defendeu a idéia de que numa sociedade de consumo como a nossa, esses itens são artigos de primeira necessidade e que a visão do meu filho é utópica e que ele não a levaria em consideração.E ele não levou e conseqüentemente a situação nessa disciplina não está nada confortável.
Ontem durante a aula, comentando o filme "Virgem aos 40" , as "crianças" comentavam a opção da pessoa em manter-se virgem até encontrar o amor da sua vida.É claro que veio à tona a questão da pessoa que continua virgem por total falta de oportunidade e não falta de vontade. E no meio da discussão, já no finalzinho da aula, meu filho diz:
- Se eu fosse ele, e ainda não tivesse transado aos 40 anos, eu procurava um "puteiro" e pagava para resolver o meu problema.
A reação do professor foi surpreendente.Ele disse que se meu filho repetisse aquilo outra vez que ele seria suspenso.Surpreso, meu filho tentou ainda entender a reação do professor:
- Mas por quê?
A resposta, no meu ponto de vista, foi ridícula:
- Se você fala esse tipo de coisa na sua casa, problema do seu pai e da sua mãe. Mas aqui você não vai falar porque eu não sou lixo prá escutar.
Tocou o sinal, a classe se dispersou e a conversa morreu aí. Mais tarde, ao me contar o que aconteceu, quem se sentiu ofendido foi meu filho.Afinal a casa dele não é lixo e seus pais dialogam muito com ele e aqui ele tem o direito de se expressar livremente. E eu tenho o direito de concordar ou discordar dele.E falando justamente sobre filosofia, Voltaire já disse que:
"Não concordo com o que dizes, mas defendo até a morte o direito de o dizeres".
E eu pergunto:
- Como assim, professor? O que o ofendeu? Foi a palavra "puteiro" ? Eu acho que escutamos coisas bem piores nos telejornais e novelas. Foi com a forma prática que meu filho encontrou para resolver o problema em questão?
Ora, vão me dizer que nem o professor e nem os outros alunos sabem que existem profissionais do sexo que trabalham para aliviar as pesssoas em inúmeras situações.E ainda que é uma atividade considerada profissional. E que estão tentando até regulamentá-la.
Por mais incrível que pareça, a coisa não acabou por aí. Na segunda feira cedo o coordenador marcou uma reunião comigo para compreender exatamente o que se passou em sala de aula.E eu posso com isso? Não sei a posição que a escola, como instituição, vai tomar. Mas a minha é clara.Eu não concordo que numa aula de filosofia o direito de expressão não possa ser respeitado.

"Se você acha que sua crença é baseada na razão, você a defenderá com argumentos e não pela força, e renunciará a ela se seus argumentos se mostrarem inválidos. Mas se sua crença se baseia na fé, você perceberá que a discussão é inútil e, portanto, recorrerá à força, ou na forma de perseguição ou anestesiando e distorcendo as mentes das crianças no que é chamado 'educação'." Bertrand Russell

Well, well, well...o video parece um tanto exagerado...mas não é! Conheço pessoas que pegam ou compram animais e depois simplesmente os abandonam.E sei de histórias de pessoas que iniciam um processo de adoção, levam a criança para casa e depois de um tempo a devolvem ao juizado.Simples assim, como o video!

22.10.09

Acho que estou de mal humor...acabei de ler umas coisas super positivas, recebidas por e-mail e isso me irritou, parece que algumas pessoas criam um mundo particular ideal, se trancam lá dentro e jogam a chave fora, enquanto o restante do mundo está desabando... E são pessoas que eu gosto e com as quais me dou muito bem.Mas a minha visão de vida é que ela é muito curta, ou pode ser muito curta, então não perco tempo com pequenas coisas e nem me enganando. Eu conheço bem os meus defeitos e minhas qualidades.E se não consigo lidar bem eles, é com plena consciência das minhas limitações. E mesmo assim ainda encontro espaço para o sonhar e o desejar. E honestamente, fazer o papel da pessoa que abre os olhos alheios cansa!
Também algumas discussões me irritam.Principalmente aquelas que não vão mudar coisa alguma, como as declarações do Saramago. Honestamente, o que muda se ele está certo ou errado? Como já disse anteriormente vou continuar lendo-o de qualquer jeito, porque gosto do seu estilo.Minha admiração pela obra toda dele vai continuar a mesma. E como qualquer autor, tem alguns livros melhores e outros piores.E outro autor que eu gosto muito e que tb é criticado por sua postura é o Ariano Suassuna.Pois eu acho o homem um gênio.E respeito todos os seus posicionamentos e radicalismos.Enquanto são posturas que não prejudicam o próximo, considero-as totalmente aceitáveis.
Concordo que a fé de cada um seja um tema muito delicado. Eu mesma me ofendo enquanto ser humano com alguns posicionamentos das Igrejas dirigidas pelos homens.É só eu não frequentá-las que o problema está resolvido. Quem se sentir ofendido com o Saramago que não leia seus livros. O ser humano tem a péssima mania de se sentir ofendido com pouco e naturalizar o que é realmente ofensivo.

20.10.09

Prá quem mora em São Paulo (capital), ou áreas próximas, esta é uma oportunidade para colaborar com a preservação da natureza através de uma entidade reconhecida nacionalmente.
A
Fundação SOS Mata Atlântica realiza no dia 6 de novembro, às 20h, mais uma reunião para novos voluntários, em sua sede, na Rua Manoel da Nóbrega, 456, Paraíso, São Paulo (SP). Durante o encontro, serão explicados os objetivos do voluntariado na Fundação, como ocorre o planejamento e execução do trabalho e as possibilidades de atuação. As atividades desenvolvidas pelo Grupo de Voluntários há 12 anos são voltadas para as áreas de educação ambiental, direito, acompanhamento de políticas públicas, mobilização e incentivo à cidadania.
Para participar, os interessados podem se inscrever pelos e-mails voluntariado@sosma.org.br ou voluntariado.apoio@sosma.org.br
Agora há pouco, ao abrir a caixa de e-mail eu desmontei ao ler a mensagem de um amigo diretor e parceiro de algumas produções:
"vc precisa ver o curta... e as cenas do media que estamos fazendo agora...ai, saudades de filmar com vc!!!"
É...acho que eu tb sinto falta.E olha que estou só há dois meses sem filmar, embora na última filmagem eu tenha tido somente uma pequena participação especial.
É que tenho trabalhado tanto na minha atividade principal que não sobra espaço para muito mais coisa.Depois dessa vou tratar de arrumar um tempinho e me dedicar à uma atividade que me dá muito prazer :o)

"A Magia consiste em acreditarmos em nós próprios. Se conseguirmos fazer isso, conseguimos concretizar qualquer coisa." Goethe


Quando aqui era ainda muito mais mato do que cidade um vizinho colocou a casa à venda.Numa manhã de domingo o subdistrito todo estava em alvoroço.Era a Lucinha Lins, na época casada com Ivan, que estava vendo a casa para comprar. Eu confesso que fiquei feliz com a idéia de tê-lo como vizinho.No final a negociação não se concretizou, o vizinho também não vendeu mais a casa e continuou aí até ser engolido pela expansão imobiliária.E eu continuo gostando muito dessa música e especialmente da letra, que se aplica perfeitamente à inúmeras situações, até mesmo ao circo :o)

19.10.09


Eu juro que essa gata é uma fofa!!!
Mas como muita gente que eu conheço ela detesta tirar fotografias.Eu bem que tento...
Quando cheguei em casa, ela estava cheia de graça prá cá e prá lá. Ai pensei:
- É hoje...
Foi só ligar a máquina que o seu humor mudou, de uma euforia quase insuportável para um desprezo glacial. A prova está aí :o)
E ainda dizem que os animais são parecidos com os donos....

18.10.09


"o vento de outono
como um pássaro que passa
partiu sem adeus "
(Gustavo Felicíssimo)

A Giane, que é uma graça de pessoa, um ser de luz que tive a sorte de conhecer no infinito mundo virtual me enviou este desafio (ou meme). E eu como não sou mulher de fugir de desafios....kkkkkkk....vou respondê-lo. Na verdade vou fazê-lo pela Gi, que como falei no princípio, é uma gracinha de pessoa!!!

41 coisas sobre mim

1 - Minha avó materna morreu quando eu tinha 4 meses intra uterinos e quase que eu não nasci.
2 - Nasci no meio das férias de Julho, mais especificamente no dia 10, de forma meio desastrosa e prematuramente.Mas eu insisti!
3 - Nasci com o lado direito do rosto paralisado por causa do fórceps ou qualquer outro tipo de erro médico, não muito explicado até hoje.
4 - Enquanto a maioria das crianças brincava depois da escola eu ia à fonoaudióloga três vezes por semana e fazia exercícios no espelho todo dia.Mas funcionou!!!
5 - Aprendi a ler muito cedo e nunca mais parei. Desde os 3 anos de idade que tenho o costume de levar livro prá cama.
6 - Sou um ser apaixonado por natureza.Pelo ontem, pelo hoje e pela amanhã.Por mim, pelas pessoas, pelos animais e pelo planeta inteiro.
7 - Amo de forma profunda. E o que escapa deste amor é pelos poros. E numa relação inversamente proporcional sofro profundamente também, o que não significa que me deixo abater.
8 -Tenho uma boa relação com todas as pessoas e não que eu seja fácil.
9 - Tenho o péssimo defeito de dizer tudo o que penso, o que em alguns casos me rendeu a posição de inimiga pública n.1. Mas nunca falto com o respeito e a educação!
10 -Ninguém consegue ficar bravo comigo por muito tempo.
11- Minha paciência, quase infinita, depende muito das fases da Lua.Tanto que os dias que estou sem, evito sair de casa e atender o telefone.
12- Não consigo pensar em ninguém com quem eu esteja brigada.Acho que é porque eu não alimento esse tipo de coisa.
13- Comigo é pau, pau, pedra, pedra. Se existe um mal estar ou mal entendido já resolvo na hora.
14 - Se um problema não tem solução ou vai causar uma discussão prolongada eu deixo prá lá. Detesto prolongar discussões que não vão ter fim.
15 - Amo fotografar, na verdade, mais do que filmar. Só escrever é que ganha de fotografar.E atualmente roteiros é que me dão mais prazer.
16 - Gosto de quebra-cabeças e palavras cruzadas.
17 - Desenho e faço contas muito mal.
18 - Acredito na minha intuição, até mesmo para fazer contas.
15 - Meu animal favorito é o gato. O animal com quem me entendo melhor é o cachorro.O animal que respeito e admiro profundamente é o golfinho.
16 - A sensação mais inexplicável que já vivenciei foi o contato com um golfinho.Naqueles poucos minutos senti que nossas mentes estavam conectadas. E foi aí que percebi ou senti a real necessidade de liberdade desses seres.A emoção foi tão forte que levei uns dois dias para voltar ao normal.
17 -Minha visão é amplificada, o que em outras épocas poderia significar um convite direto à fogueira.E ainda bem que ela não é amplificada 24 horas por dia.Mas isso é muito ruim, porque quando algo me pega de surpresa eu me culpo por não ter previsto.Estou trabalhando nisso.
18 - Quando fico triste ou magoada, a minha visão fica embaçada.
19 - Gosto do roxo, do lilás, do azul, do verde e do rosa.
20 - Adoro roupa preta.
19 - Tento colocar amor em tudo o que faço.
20 - Meus amigos não precisam ter cor, forma e muito menos títulos ou dinheiro.
21 - Viajar é uma paixão latente.
22- A música deixa a minha vida mais bonita.
23 - O silêncio interior me é raro, mas imprescindível
24 - Minhas flores favoritas são os hibiscos, as orquídeas e rosas. De preferência, na natureza!
25 - Maquiagem não é o meu forte. Sou muito discreta nesse quesito. Costumo usar somente um delineador para os olhos e um batom tipo gloss para os lábios.
24 - Dormir também não é minha atividade favorita. Só durmo porque preciso.
25 - Dançar está fora de cogitação. Mas adoro assistir um balé, um tango e até mesmo uma gafieira.
26 - Quando eu tinha 9 anos, ensaiávamos uma polka para a apresentação de final de ano da escola.Num dos ensaios me atrapalhei, tropecei e quebrei o braço. Acho que minha carreira acabou aí.
27 - Sendo teimosa tentei o balé e o jazz. Sem sucesso.
28 - Na minha adolescência, por mais de ano, eu patinava todas as tardes. Nos locais específicos para patinação, nas ruas e no parque do Ibirapuera.
29 - Caí de bicicleta, de moto, de mobilete, de patins e até mesmo sozinha.
30 - Numa das minhas férias todos estavam descendo o morro sentados em placas de papelão.E como coragem nunca me faltou eu também fui. O morro era enorme, era um local aonde havia sido feita terraplenagem para passar uma estrada. Nem preciso dizer que fui a única que desci o morro rolando.Cheguei lá embaixo toda ralada, mas feliz! Quando minha mãe me viu, quase desmaiou: fora o sangue das escoriações, o cabelo de liso e loiro passou para crespo e marrom de tanta terra.
31 - Dizem que tenho uma voz muito bonita.Isso me valeu estágios em algumas rádios e até um programa chamado Radioarte, que ia ao ar todas as sextas feiras das 18:00 às 19:00h , antes da extinta Voz do Brasil.
32 - Não tenho tatuagens porque não acredito em coisas definitivas.E se eu mudar de idéia não vou querer um remendo ou uma rasura no meu corpo.E falando em tatuagens, quando eu namorava o cara metade íamos todos os finais de semana para o litoral. E eu pegava ondas de morey boogie ou bodyboard.
33 - Não sou perseverante.Vou ter que nascer de novo para aprender.Talvez porque a vida seja muito efêmera eu ache melhor partir para um segundo caminho se o primeiro não está dando certo.
34 - Tenho consciência de que não sou melhor do que os outros. Já tive gratas surpresas não subestimando os outros.
35 - O planeta aonde vivo é parte de mim como eu sou parte dele.
36 - Eu choro mesmo.Muito mais de emoção do que de alegria ou tristeza e minhas lágrimas costumam ser discretas e constantes.Não sei ser escandalosa.Aliás a superexposição não combina comigo.
37 - De todos os papéis que desempenho o que eu mais gosto é o de mãe.
38 - Costumo fazer 2 ou 3 coisas ao mesmo tempo. Meu cérebro trabalhando parece uma rajada de metralhadora.
39 - Algumas vezes, falando, eu também pareço uma rajada de metralhadora.
40 - Hoje sou sedentária e isso me preocupa um pouco.
41 - Concluindo as coisas sobre mim, eu diria que agüento bem as pancadas da vida. Tive uma vida muito rica em experiências.Tenho uma mente hiperativa e amo tudo e todos prá valer!

Bem, demorou um pouco mas consegui terminar o post. Que meus queridos leitores fiquem à vontade para falar um pouco mais sobre si mesmos. Confesso que eu gostaria... mas não vou pedir à ninguém em especial porque a pessoa tem que escrever se quiser :o)

17.10.09

O que você pode fazer de melhor para você e para o planeta? Eu diria que pequenas ações positivas no dia a dia. Algumas novas escolhas na hora de ir às compras já ajudam.
O ideal seria não usarmos produtos químicos para a limpeza da casa e da roupa. Existem opções alternativas. Mas aqui, na prática, fica meio inviável.O que de melhor eu posso fazer é diminuir o uso destes produtos e comprar embalagens "econômicas" que duram alguns meses.Muitos podem dizer que é inviável, pois o custo de produtos em quantidade é maior.E é verdade, mas pensem nisso como um investimento, além do que no mês seguinte não tem esta despesa. À longo prazo você gasta menos e o planeta ganha mais.
Outra questão é o produto orgânico.Nos grandes supermercados é muito caro e tornou-se um artigo da moda. Por outro lado, existe toda uma cadeia de pequenos produtores produzindo em pequena escala alimentos livres de produtos químicos.E muitos deles vendem sua produção em feiras ou pequenos mercados. Hoje, por exemplo, fiz feijão bolinha (ou Canário), comprado de um desses produtores da economia informal. É outra coisa, muito mais fresco, o que o torna extremamente saboroso. Para ler mais sobre este feijão, acessem o site da
Neide , uma das pessoas que mais entende sobre os alimentos presentes na mesa dos brasileiros.
Se possível, façam também uma pequena horta em casa. Hoje para o almoço colhi um bom tanto de cheiro verde.
E continuando no que você pode fazer por você, fiz também pão integral. Esses aí das fotos. E a receita? Bem, pão eu faço meio que instintivamente, eu diria que até de olhos fechados.


Esses aí eu fiz com 60gr de fermento fresco, 650 ml de água morna, 100gr de margarina derretida, 2 colheres de sopa de açucar, 1 colher de sopa de sal, 1 xícara de aveia, meia xícara de sementes de linhaça, 2 xícaras de farinha integral de centeio e farinha branca até dar o ponto(aprox. 500 gr). Fiz a bola de massa, no ponto que solta da mão (mas não muito) e deixei crescer por 1 hora e qualquer coisa.Depois amassei tudo outra vez e dividi a massa em duas partes.Coloquei nas formas untadas e cobri com aveia em flocos finos.Deixei crescer por mais meia hora e levei ao forno pré aquecido, em torno dos 200 graus. Amanhã tem almoço na minha mãe .E adivinhem o que vou levar? Um pão saudável...
É assim que devemos pensar em qualidade de vida para nós e para o planeta, de forma simples, com pequenas atitudes e principalmente com muito prazer :o)

16.10.09

Homens de Lata

O mundo hoje procura incessantemente a Cidade das Esmeraldas. Os homens, numa busca eterna e desenfreada, tentam seguir a tal estrada de tijolos amarelos.Mas com toda a falsificação que impera por aí é dificíl saber qual o verdadeiro caminho.Outro dia mesmo me deparei com uma dessas estradas falsas
O que seria do homem se não fosse a intuição? Até mesmo os homens de lata, que não possuem coração, sabem seguir a intuição.Só não a seguem os que não querem.Basta querer ver a vida com outros olhos, mesmo sem coração.
Basta a coragem do Leão.E que medo é este que faz refém uma sociedade inteira? É o medo real ou o imaginário?
Espantalhos, sim...parecemos espantalhos ocos...mas não somos.Eu sei o que há em mim e em você.Deixe falar mais alto o coração, a mente e a coragem.
Os que se dizem mágicos de Oz infestam o planeta, iludindo o ser humano com falsas promessas e milagres anunciados.Só que bater os sapatinhos não anda adiantando de muita coisa. Chamem os Quadlings!!!

15.10.09

"Eu só quero amor..."
Depois de um dia todo lendo e escrevendo sobre a falta de respeito com a natureza, recebo um telefonema aonde descubro um pouco mais sobre a falta de respeito pelo ser humano e mais especificamente falando, pelas crianças. Mais uma vez o tema são as crianças do abrigo e os históricos de violência e abandono que muitas delas sofreram.E por que não são veiculados casos assim? Os indices de violência contra crianças são altíssimos e revoltantes. Eu penso que em primeiro lugar não veiculam para preservar a integridade dessas crianças.E em segundo, porque a sociedade não quer ver, ouvir e nem falar sobre elas.Algumas delas sofrem maus tratos bem piores do que os praticados contra os animais na natureza.Aliás, vou dizer que tá dificíl saber aonde é pior.Depois que eu desliguei eu chorei, mas não foi de tristeza, foi de raiva mesmo. Porque como tudo nesta vida, criticar quem faz é fácil, quero ver fazer. E olha que não estou falando de mim...
Depois de uma manhã de intensa chuva cheguei em casa no meio da tarde e ao abrir a porta da varanda me deparei com a pitangueira carregada.Por causa do sol que tomava o lugar da chuva naquele instante, as pitangas brilhavam.Foi um convite! Chamei meu filho e fomos colher aquelas maravilhosas frutinhas que diziam:
- Me comam!
E elas estavam mesmo sensacionais, doces e suculentas. Comer frutas no pé é um dos raros prazeres que consigo manter da minha infância. E hoje minhas opções são bem limitadas.
Fico triste em pensar como era a praia de antigamente, aquela querida da minha infância.Era infinitivamente mais limpa.Confesso que tenho nojo e raiva de ir à praia e encontrar todo tipo de lixo como sacolas plásticas, bitucas de cigarro, palitos de sorvete, espetinhos de churrasquinho, copos descartáveis, latas de todos os tamanhos e cores, além de chinelos velhos e brinquedos quebrados. Me sinto num verdadeiro lixão.E isso sem falar nos lixos orgânicos...
E por conta disso tb hoje já não vou mais tanto a praia.E parece que ninguém se pergunta aonde vai parar todo esse lixo.É claro que é dentro do mar e é mais claro ainda que isto traz conseqüencias para a biodiversidade marinha. Já escutei muita gente dizendo:
- Ah...mas a onda do mar leva...
E aí já tive vontade de levantar-me e perguntar:
- Ah é...e leva prá onde, héin?
Consciência ambiental, que trocando em miúdos significa cuidar do lugar aonde vc vive, ou sobrevive.Será tão dificíl assim de introjetar essa idéia? Parece que sim...mas não tem problema, porque eu vou continuar falando e espero que os bons e os maus tb, me sigam :o)

14.10.09

Amanhã é o Blog Action Day e como terei de sair cedo antecipo a minha participação.
As palavras do título significam mais ou menos filhos do mar, mas no sentido de bebês. E assim são os golfinhos.Por mais predatórios que sejam, são como crianças brincando num gigantesco playground. Só que estão matando nossas crianças...

Aqui no Brasil, mais especificamente na baía de Sepetiba e da Ilha Grande, aonde vivem cerca de 13 diferentes espécies de baleias, botos e golfinhos, os animais têm aparecido doentes e feridos por causa de redes e resíduos industriais. A pesca sem controle de sardinhas na região está acabando com o equilíbrio alimentar do local.
Na costa da Grã Bretanha e no Canal da Mancha eles já estão em extinção. Mais uma vez as redes de pescas são importantes coadjuvantes da matança.E na costa da Nova Zelândia muitos morrem "acidentalmente" quando, enroscados no fino naylon das redes, não conseguem atingir a superfície para respirar.
Mas o pior mesmo foi denunciado pela Sea Shepherd Conservation Society em 2003, quando a entidade expôs ao mundo, através de fotos e algumas filmagens o massacre na baía de Taiji, no Japão.
Em Novembro de 2003, os membros da tripulação da Sea Shepherd, o americano Allison Lance e o holandês Alex Cornelissen cortaram redes e libertaram 15 golfinhos, salvando-os da morte. Os dois foram presos por três semanas. Ambos estavam felizes por trocarem três semanas de sua liberdade pela vida dos golfinhos.Em resposta a libertação dos golfinhos e a exposição da matança japonesa, os pescadores construíram barricadas enormes para manter este crime longe das câmeras. Usar a camiseta ou boné da Sea Shepherd, ou ser um membro da organização, tornou-se crime em Taiji.
Em 2007 os ativistas do Sea Shepherd retornaram à baía, agora com uma equipe de documentaristas, munidos de diversas câmeras posicionadas estrategicamente nas praias, no ar, embaixo d´agua e nos morros, para capturar cada detalhe de um dos maiores e mais cruéis massacres da vida selvagem no planeta.Inclusive as barricadas eles arrumaram um jeito de atravessar, de forma bem arriscada.Mas atravessaram e mostraram ao mundo cenas de barbárie.
"The Cove”(A Enseada), com direção de Louie Psihoyos e roteiro de Mark Monroe é um extraordinário documentário sobre o tema.Premiado agora em 2009 no Sundance Film Festival (maior festival do cinema independente americano), o filme, lançado em 16 de julho deste ano, expõe dramaticamente a matança dos golfinhos em Taiji , aonde estima-se que morram 23 mil golfinhos anualmente.
O ator e treinador americano Richard O'Barry do seriado Flipper é um dos maiores ativistas na luta contra a prática assassina de cercar, aprisionar e matar golfinhos. Um golfinho vivo vale cerca de US$ 150 mil.Eles são treinados para os shows em parques aquáticos espalhados por todo o mundo. Os mortos viram carne. Como pouca gente come carne de golfinho no Japão, Richard acredita que grande parte é vendida como se fosse carne de baleia, mais cara e mais popular no país.(Fonte: G1)
Ambientalistas ficaram otimistas depois que nenhum golfinho foi abatido na primeira semana da temporada de caça. Porém, uma semana depois, os primeiros golfinhos foram mortos por pescadores locais, de acordo com o site Japan Probe. Este ano, depois da repercussão do documentário, a expectativa é que a matança caia para 2,4 mil. Imagens feitas no mês passado revelam que o sofrimento de golfinhos presos às redes continua. Mas, desta vez, houve algo diferente: terminada a seleção, os caçadores abriram as redes e libertaram os que não foram escolhidos para os shows em parques aquáticos.Será que podemos ter esperança?

Porque sim!

Vi esta imagem no Crônicas do Rochedo e de cara me apaixonei por ela.
Depois li o texto que ela ilustrava e dei-me por vencida.
Escrever bem é definitivamente prá quem sabe :o)
O colesterol é o grande vilão dos tempos modernos. Eu não sei o que é ter problemas com estas taxas, talvez porque, instintivamente, eu já faça o que os médicos e estudiosos recomendam. Deixo umas dicas que costumo seguir e que agora foram publicadas na edição de Junho da revista Saúde!
Trocas que eu já faço:
o óleo de soja por azeite
o pão branco pelo pão integral
o leite integral pelo desnatado
os cereais de milho por aveia
o camarão por peixe
a picanha por lombo
a manteiga por margarina
o quindim por compota de frutas
o molho branco por molho de tomate
o frango com pele por frango sem pele
pipoca de microondas por pipoca de panela

Trocas que ainda posso fazer:
o chocolate ao leite por chocolate amargo
a cebola branca por cebola roxa
o suco de laranja por suco de uva
o chá de ervas por chá mate
P.S. Foto de autoria desconhecida

13.10.09





Neste caso, as imagens dizem mais que as palavras :o)
Horóscopo do dia para o signo de câncer:
Certo ambiente ou relacionamento pode parecer opressivo, uma carga que você não está disposto a carregar.
Tem certas horas em que é melhor rir prá não chorar...rsssss.......
E você mudou-me irremediavelmente.Meus olhos adolescentes ainda olham para a tela do cinema enquanto Richard Gere beija a Debra Winger, num beijo apaixonado, como aquele que você me deu na noite anterior.O filme chamava-se A Força do Destino.Aos 16 anos eu não podia aquilatar a extensão dessas palavras, assim juntas. Aliás, naquela idade não pensava em muita coisa e tinha certeza que o destino fazíamos nós. Agora me pergunto o que é que o destino faz conosco? Nada, porque o tempo passou. Mentira, eu não sei e ainda não consigo mensurar a força que o destino pode ter. E ele me parece um tanto suscetível à críticas.Quando começo a acreditar que ele não tem tanta força assim, lá vem ele outra vez. Eu não o rejeito mais, simplesmente o aceito como é. Você me parece mais próximo dele.Talvez consiga compreendê-lo melhor. Quem sabe um dia consiga mudá-lo. Afinal mudou-me irremediavelmente :o)

12.10.09

Dia das Crianças

Que toda criança tenha assegurado o direito à educação e condições para isso.Que todos tenham ao menos lápis e papel. Só assim, um dia, toda criança terá um caderno para acompanhar-lhe por toda a a vida!

Considerações sobre os filmes do feriado


A Outra (The other Boleyn Girl)- não traz nada de novo principalmente para quem assistiu a série Tudors ou a Boleyn de David Starkey.Os figurinos são muito semelhantes e até mesmo algumas falas, baseadas em relatos reais. Mas é de uma beleza estética de encher os olhos. Eric Bana é um ator que esbanja charme e simpatia até mesmo no papel de um homem coberto de defeitos.Eu diria que Natalie Portman ficou à sombra do talento de Scarlett Johansson.

A Duquesa - um filme mais elaborado que o anterior.Nele as emoções são mais bem trabalhadas, embora eu ainda não tenha uma opinião definida sobre a escolha de Kiera Knightley para o papel.Mas uma coisa fica bem clara, bem pontuada no filme, o papel da mulher na sociedade da época.Definitivamente só as mais fortes sobreviviam.

11.10.09


Eu andava meio decepcionada com o trabalho de Renée Zellweger.Mas nesta comédia leve e romântica ela volta à boa forma, literalmente. Posso dizer que os minutos que dediquei a assistir o filme foram muito bem aproveitados.É bonitinho...
(P.S. Acabei de descobrir outro meio de postar os videos aqui...hehehe...)

10.10.09

"O que perdestes de mim não foi muito, mas o suficiente para fazer-me falta. Que quando feches os olhos penses em ti e em mais ninguém. Que ames a si mesmo na esperança de amar outrem.E que este amor seja pleno para não procurares mais amor. E ao sofreres que seja somente por ti também.Do meu coração fez pedaços do mesmo modo que o seu deixei em cacos. Cacos, pedaços, espaços e abraços. O amor se fez presente em seus braços.Em breves atos e longas ausências. A urgência do teu abraço perdeu espaço para o mais fraco dos atos.Mereces aplausos. Deixastes uma marca em meu peito que procuro, hoje, apagar com solvente.Deixastes também o gosto do último beijo cravado no amargo da minha alma.Vá, procures o que perdeste e seja feliz." (Alice, não mora mais aqui )
Meu dia foi prá lá de produtivo...organizei algumas coisas de manhã na cozinha, depois fui receber o rapaz do beliche lá no abrigo. As crianças tinham saído para um passeio por ocasião do Dia das Crianças.Ficaram só os bebês e dois meninos.Entrei com o rapaz da fábrica e mostrei-lhe o abrigo e o local aonde deveria deixar o beliche e os colchões. Foi tudo super rápido. Mas ao me despedir, dei-lhe a mão e ele se emocionou. E depois, secando as lágrimas disse o quanto se sentia feliz de estar alí. É, mais um coração foi tocado. Só assim continuo acreditando no futuro.
Depois tive de ir à filial. A estrada estava horrível, mas eu ia com o coração leve e tb foi rápido.
Ao voltar fui novamente prá cozinha, misturar meu caldeirão. E de lá, novamente saiu coisa boa.Vou dizer uma coisa, sem falsa modéstia, mas faço um feijão branco com costelinha que é um desbunde.É o amor! E tb um tanto de feijão branco, costelinha, alho poró, cenoura, alho, cebola, cheiro verde, linguiça calabresa e bacon fatiado. Sou aquela cozinheira chata que aferventa as costelinhas defumadas antes de levar à panela para diminuir a gordura e dar uma limpadinha melhor.Na gordura do bacon, desfrito a linguiça fatiada. Em seguida a cebola e por fim o alho.Na panela já estão esperando os outros ingredientes.Bem no finalzinho, qdo o caldo já está bem encorpado é que acrescento o cheiro verde.
Depois, passeando pelos videos do you tube, dei de cara com um que traz um trecho da minha lenda favorita:
Rei Arthur. Gosto dele porque era um rei justo, que amava e respeitava as mulheres. Tenho um repertório variado, desde Excalibur, Os Cavaleiros da Távola Redonda, Brumas de Avalon, A Dama do Lago, até Morgana, Guinevere, Merlin e etc. Qualquer hora escrevo sobre isso.
Uma excelente noite de sonhos para todos, embalados pelas brumas de Avalon :o)
Estou com problemas para postar os videos do youtube. Deixo aqui o link de uma música que acompanha o meu estado de espírito agora: Vangelis !
Volto depois :o)

9.10.09

Falando em gente que faz e gente que diz que faz e gente que diz que quer fazer acabo me perguntando qual a verdade na qual a pessoa quer acreditar. Sim, porque tem pessoas que criam uma verdade imaginária e acreditam nela cegamente.
Isso me fez lembrar de uma vez em que meu irmão, com aproximadamente 10 anos de idade, viu uma fotografia de quando meus bisavós desembarcaram no porto de Santos, vindos de São Petersburgo.Minha bisa usava vestido, chapéu e sombrinha.Enquanto que o Zeid vinha de terno e chapéu. Pela foto, aonde não se viam os amarrotados e carcomidos das roupas, meu irmão achava que eles viajaram como nos cruzeiros de luxo de hoje em dia.Nem passava na cabeça dele que eles vinham empilhados com poucos luxos como água e comida, sem todo aquele glamour que víamos nos filmes.
Mas eu escrevi tudo isto por causa de outro fato. Ontem fui dormir aborrecida com o que aconteceu.Não com o fato em si, mas sim porque eu avisei que isto ia acontecer, mas minha cunhada acreditava em outra verdade. Esta minha cunhada e amiga, casada com o irmão do meu cara metade, participa comigo das lutas para conseguir doações para as crianças do abrigo que trata portadores do HIV. Da última vez que esteve aqui saiu animadíssima, com mil idéias para arrecadar o que eles mais precisam como leite e artigos de higiene. Criou esquemas aonde as pessoas participariam diretamente, uma vez que tanta gente que não ajudou com a campanha de fraldas, se comprometeu a ajudar numa outra oportunidade. Eu já passei por isso e sabia o resultado.Eu comentei das minhas experiências, mas ela acreditava no sucesso.Tá certo , é a esperança que nos mantêm.
Voltando à noite de ontem eu lhe telefonei para contar que tinha conseguido a doação de um beliche, com dois colchões e dois travesseiros. Tudo novo! E era uma coisa muito urgente, pois as crianças que lá continuaram e cresceram não cabiam mais nas caminhas. Eu percebi que ela comemorou, mas logo ficou meio que desanimada.Foi aí que perguntei o que estava acontecendo e com a voz embargada ela me respondeu:
- Sabe, eu não consegui nada e pior, ainda tive que parar de falar. Vou ter que dar um tempo porque percebi que as pessoas estão se afastando de mim...
Eu fiquei arrasada com a tristeza dela. E nesta hora nada do que eu falasse ia adiantar, porque é a realidade nua e crua e eu não posso dizer à ela que no fundo temos que optar de qual lado queremos estar.Hoje eu vou com muito menos sede ao pote, mas sei com quem eu posso contar de verdade.Tanto que consegui este beliche e sei que até dezembro conseguirei os outros dois que eles precisam. A verdade na qual acredito não é assim muito bonita, mas pelo menos sei aonde estou pisando e os meus passos são firmes.E mesmo assim eu ainda tropeço :o)

Nada e lugar algum

Eu fico pensando se eu é que não sou diferente demais. Vejo gigantescos outdoors piscando em cores neon bem na cara das outras pessoas e elas nem percebem. Vejo de forma tão clara que é impossível que não estejam enxergando. Talvez seja porque o que está evidente demande algumas ações.Como as pessoas gostam de sofrer...não tem coisa que me irrite mais do que aquela pessoa que só reclama de tudo e que não faz nada para mudar.Fica esperando que as coisas se modifiquem sozinhas.Mal sabe ela que é dentro dela que as modificações devem ocorrer. Será tão dificíl assim?

Ainda no mundo da Lua

Na mitologia celta, Arianrhod era chamada de Deusa das Estrelas, Deusa dos Céus e Deusa da Reencarnação. Vivia em Caer Arianrhod, na via láctea. Deusa gaulesa de Avalon, era considerada figura primal de poder e autoridade feminina, a Deusa dos Ancestrais Celtas. Era a guardiã da Roda de Prata das Estrelas, um símbolo do tempo. Girando a Roda transformava-a em uma barca lunar, que carregava os guerreiros mortos para a terra da Lua (Emania).Regia a beleza, a fertilidade e a reencarnação.É ainda, a Deusa de tudo que é eterno.

8.10.09


Primeiro o homem tenta destruir a Terra, depois bombardeia a Lua...o Sol que se cuide...

A sonda Lcross (Lunar Crater Observation and Sensing Satellite) da Nasa lançará nesta sexta-feira um foguete sobre a cratera Cabeus A, que se encontra na região do polo sul, na face oculta da Lua. A missão tem como objetivo provocar um impacto que levante uma nuvem de pó e rochas sobre a cratera.
Enquanto estiver em meio à nuvem, a LCROSS analisará a composição de seus materiais e, especialmente, a possível presença de moléculas de água. Será o último ato da sonda após uma viagem de quase nove milhões de quilômetros pelo espaço, que incluiu várias voltas na órbita da Terra e da Lua.
A sonda LCROSS e o orbitador lunar foram lançados no dia 18 de junho deste ano a bordo de um foguete Atlas V a partir de Cabo Canaveral (Flórida).
(Fonte: Terra notícias - Foto: Nasa/Divulgação)

Nem mais a Lua será a mesma depois da intervenção humana. Conversando sobre o meu projeto para Ushuaia, um amigo que se ofereceu para acompanhar-nos, achou melhor anteciparmos a viagem, antes que os turistas modifiquem irremediavelmente a paisagem natural do lugar.

7.10.09

Perfeição

Vamos celebrar
A estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja
De assassinos
Covardes, estupradores
E ladrões...

Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação...

Celebrar a juventude sem escolas
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião...

Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade...

Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta
De hospitais...

Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras
E seqüestros...

Nosso castelo
De cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia
E toda a afetação
Todo roubo e toda indiferença
Vamos celebrar epidemias
É a festa da torcida campeã...

Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar o coração...

Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado
De absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos
O hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
Comemorar a nossa solidão...

Vamos festejar a inveja
A intolerância
A incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente
A vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada...

Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta
De bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isto
Com festa, velório e caixão
Tá tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou
Essa canção...

Venha!
Meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha!
O amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça
Venha!
Que o que vem é Perfeição!...
(Renato Russo)
Acabei de descobrir, no "pai dos burros digital", o google, que o tão utilizado código de barras foi patenteado num dia 7 de Outubro, no ano de 1952. Acho que seus criadores nem imaginavam que o sistema estivesse hoje em todo e qualquer lugar.
Agora dizem que o sistema deve ser substituído pelo Radio Frequency Identification (RFID), um microchip que armazena dados e se comunica por meio de ondas de rádio com um aparelho leitor.
A utilização do sistema RFID começou na Segunda Guerra Mundial, aonde os aliados utilizaram aparelhos deste tipo para distinguir seus próprios aviões dos inimigos. Nos anos 90, o Massachussets Institute of Technology aperfeiçoou-o e elaborou um código possível de ser armazenado em chips.
E atualmente esses chips já são utilizados na identificação de cabeças de gado no pasto e livros em extensas bibliotecas. Pelo andar da carruagem, logo chegarão aos supermercados.

6.10.09

Pessoas que sofreram qualquer tipo de tortura, física ou psicológica, por muito tempo ou mesmo uma única vez, carregam marcas na alma. Por mais que tentem levar uma vida normal, estas marcas são profundas demais.E toda vez que algo desagradável, por menor que seja, acontece, o que está adormecido desperta.As convicções do indivíduo são abafadas por sentimentos de culpabilidade em situações aonde não existem culpados.Inconscientemente o torturado passa à buscar motivos e razões para a agressão sofrida.Só que elas também não existem, à não ser dentro dele. São seres que foram tão humilhados e diminuídos na sua essência que não conseguem recuperar a autoestima. O próprio sentimento de identidade é afetado e em momentos críticos essas pessoas preferiam ter morrido do que continuar à viver com esse peso, ou com a falta dele. Por mais capazes que sejam de amar, a sensação do não ser é maior que qualquer amor. E romper essa barreira é muito dificíl.

5.10.09

Na minha época não existiam siglas como TDAH, TDA, TOC, TCD e etc. Muito menos termos como borderline e altas habilidades.Nem a famigerada Ritalina.Meu pequeno grande filho foi diagnosticado ainda pequeno, aos 3 anos de idade como TDA, com algumas altas habilidades. Ou seja, ele era o aluno que não ficava mais do que 15 minutos concentrado em sala de aula e que sabia tudo. Isso desde cedo rendeu-lhe uma certa antipatia por parte de profissionais menos preparados.Os mais preparados sabiam interagir com ele perfeitamente.
Nunca concordei com a administração de Ritalina e cheguei à mudá-lo de escola quando a diretora de uma colocou-me na parede.Ele nunca foi arteiro de botar fogo na escola, nunca socou os colegas (só 1 vez, se defendendo), mas seu maior problema era o eterno contestar. Aos 3 anos ele já contestava o autoritarismo das professoras. Aos 5 anos e pouco, ele disse à professora que era educado pedir por favor quando solicitasse alguma coisa à alguém. A resposta dela foi:
- Eu não preciso, porque na sala de aula eu sou a autoridade, eu mando e vocês obedecem.
Em parte a culpa era minha pôr ensinar-lhe educação e daí então que eu mudei-lhe de escola.O que uma mulher com este tipo de resposta poderia ensinar ao meu filho?
Agora, já mais crescidinho, ele obedece as regras e quando alguma lhe escapa, admite o erro e pede desculpas. Outro dia mesmo foi pego com alguns colegas escalando o portão da escola, na hora do intervalo, só para espiar as meninas mais velhas do cursinho que tem no final da rua.Ah..os hormônios...de qualquer forma tomou uma advertência escrita e prometeu não mais repetir a proeza.
Hoje, bem cedo, eu tive reunião na escola. O problema agora são as provas. Em resumo, ele sabe a matéria mas não presta atenção às questões. Mais uma vez a sua velocidade de pensamento está muito superior à velocidade da leitura.E lá vamos nós outra vez :o)
Pediram que ele vá à uma psicopedagoga, indicada pela escola, para saber como proceder com ele. Porque na verdade ele sabe melhor a matéria do que a maioria da sua sala.E mesmo assim suas notas são baixas, quer dizer, nem tão baixas assim. A média para aprovação é 6 e ele consegue tirar 5 ou 5,5 em todas as disciplinas, menos educação física aonde ele não tira menos de 9. Segundo a escola, pelo que ele absorve do conteúdo ele deveria tirar pelo menos 9 em todas as disciplinas. Eu, com minhas idéias estapafúrdias penso que se todos sabem que ele pode tirar 9 e não tira, deixem-no tirar os 5 ou 5,5. Mas de qualquer forma me comprometi em convencê-lo à tirar pelo menos 6.Ainda dentro das estapafúrdias idéias arrisco dizer que isso tem muito pouca importância no seu futuro.Mas regras são regras e não devem ser quebradas, segundo o bom senso :o)

4.10.09

Ah...só por ser domingo já acordo com mais preguiça. Fui ao tal churrasco, que na verdade não foi ontem, foi hoje, acho que nunca confessei que costumo me atrapalhar um pouco com datas, né? E levei a salada de pepino e o doce de abóbora. Os pepinos foram unânimidade, todos comeram e elogiaram muito, tanto que foi a primeira coisa à acabar sobre a mesa.Eu não imaginava que fosse fazer tanto sucesso. Outro dia dei a receita como me passaram e hoje aproveito prá acertar as quantidades: são 5 pepinos para meio abacaxi picado, um pedaço pequeno de gengibre e meio pimentão. Coloquei num copo dois dedos de vinagre, 2 colheres de sopa de açucar, 1 colher de chá de sal e completei com mais meio copo de água. Serviu bem 10 pessoas, mas se tivesse mais acho que todos comeriam :o)
E o doce de abóbora? Foi quase todo tb...e é isso que me dá prazer em cozinhar...
Muitas pessoas evitam falar da morte diretamente, confeso que até eu mesma fico procurando outras formas de nomeá-la, como fiz no post abaixo.Mas isso me faz refletir sobre o filme que assisti ontem: A Partida (Departures/ Okuribito), de Yojiro Takita, que recebeu o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2009. A produção japonesa competiu com mais de 60 outros filmes, inclusive o brasileiro última Parada 174. Eu diria que é uma produção corajosa, que enfrenta sem pudores um tema que todos fazemos questão de tentar não comentar. O filme é simples, sem muitos recursos, nem nada de novo, mas é grandioso na sua essência.É muito mais que uma lição sobre o pensar sobre a morte, é uma lição sobre o agir. As reações descritas no filme devem ser vistas sob a ótica oriental, principalmente o que se refere às emoções e sentimentos. É quase poética a forma como nos é apresentado o sentimento reprimido.É possível perceber sem palavras a dificuldade do protagonista para ultrapassar certas barreiras.E as histórias dos personagens paralelos são tb pequenas lições sobre respeito, amor, remorso e preconceito.É um filme muito bonito e ao final dá vontade de quero mais :o)
E o que tem o violoncelo da foto à ver com o filme? Bem...aí é uma outra lição...

Mercedes Sosa - Gracias a La Vida

Acho que hoje esta música é a que melhor traduz Mercedes Sosa, graças aos milagres da vida é que pudemos compartilhar através de sua música, inúmeros sentimentos.
Boa viagem!

3.10.09

Sem os sonhos não sou ninguém, assim como muitas pessoas que conheço.Como também tento não me preocupar com o dia de amanhã, embora digam que eu deveria. Será mesmo? Tenho lá meu modo de ser e acho que agora não mudo muito mais. Aqui tenho o passado, o presente e o futuro coexistindo em paz. Verdadeiramente em paz. Aliás não tenho espaço para o que não é verdadeiro. Tudo sem muita lógica nem métrica. Certa ou errada eu sou feliz, eu choro, eu rio, eu grito, eu calo, eu ouço, eu lembro e eu esqueço.Em mim vivem além dos muitos sonhos, muitos mundos. Alguns eu compartilho, outros não.Talvez por ser uma pessoa sensível demais ao mundo externo é que eu precise de um espaço dentro de mim e só meu :o)

Variações sobre o mesmo tema n.2

Variações sobre o mesmo tema n.1

2.10.09

Primeiro leia aqui o texto Dicionário do Rochedo(49) do dia 03 de outubro de 2009 e depois compreenda o que ocasionou tal post:
Arcebispo diz que padres pederastas são na realidade "efebófilos"
O representante do Vaticano na ONU, em Genebra, defendeu as medidas da Igreja contra os padres pederastas, a quem prefere chamar "efebófilos", justificando que a maioria cometeu esses abusos sexuais com adolescentes dos 11 aos 17 anos. Os comentários do arcebispo Silvano Tomasi foram feitos no final de uma reunião do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, informou nesta quarta-feira o diário italiano La Stampa, precisando que esta defesa do prelado era uma resposta às críticas de Keith Porteus Wood, da União Internacional de Ética e Humanismo.
Porteus Wood acusou a Igreja Católica de ter escondido os casos de abusos contra crianças cometidos por sacerdotes pederastas e disse, segundo o diário, que "os muitos milhares de vítimas desses abusos merecem que a comunidade internacional peça contas ao Vaticano, que até agora não quis fazer nada". (noticias.rtp.pt)

O Rio de Janeiro continua lindo!


E que venha 2016!

Momento gastronômico

Faltou o abacaxi. Fui às compras hoje cedo e esqueci o abacaxi. Sim , dei-me a alforria nesta sexta feira. Amanhã fui convidada para um churrasquinho e levarei uma salada que acabei de aprender.Estive na filial esta semana e fomos almoçar fora. Ao elogiar uma salada, o dono do estabelecimento,um italianão despachado e simpático na casa dos 60 anos, todo solícito, já sentou-se ao meu lado e foi logo explicando como fazia.Vou postar a receita como ele me passou:
- Você pega uns 5 pepinos japoneses e fatia fininho.Pica um abacaxi em cubos pequenos.Pica meio pimentão em quadradinhos bem pequenos e rale um pouco de gengibre.Misture tudo e tempere com vinagre branco, um pouco de açucar e sal. Sirva bem gelado, depois de umas 4 ou 5 horas de geladeira.
Eu não como pimentão, mas acho que dá um sabor especial na comida.E neste caso acho que ele é fundamental. A mistura pode parecer estapafúrdia, mas eu garanto que é uma salada extremamente saborosa e refrescante. Acho que não tem erro..rs...
Eu até sei porque esqueci o abacaxi.Enquanto eu escolhia as frutas, dei de cara com uma abóbora bem laranjinha e já limpa e picada em cubos. Automaticamente avistei o côco seco. Conclusão: resolvi fazer um doce de abóbora com côco para também levar para o churrasco. Nessas perdi o foco e esqueci do abacaxi.Daqui à pouco vou lá buscar...
P.S. Na foto acima, de autoria desconhecida, também falta o abacaxi :o)
Lembro da minha mãe diversas vezes me dizendo:
- Mas que idéia mais estapafúrdia! Nunca fui procurar o significado da palavra, mas sempre entendi bem o que ela queria dizer. Minha mãe tentava me dizer que minhas idéias não soariam muito bem aos ouvidos alheios.E eu nunca fui de ficar calada, acho que já nasci constestando alguém ou alguma coisa.Desde pequena eu tinha pavor de me vestir igual aos outros porque eu não era igual aos outros.Eu aprendi o significado de diversidade muito antes de compreender o que significava estapafúrdia.Logo no início do meu processo de alfabetização eu já fui advertida quando, ao ser argumentada na aula de religião, respondi o que representava Jesus Cristo para mim.Todos na classe disseram amor, perdão, filho e representante de Deus na Terra e etc. E eu, usando desta minha lógica estapafúrdia, fui dizer que para mim, ele era como um irmão ou parente mais velho com algo para me ensinar. Nem preciso dizer que a professora me acusou de desrespeito. Mas eu pensava que, sendo todo ser humano a imagem e semelhança de Deus, Jesus, tb filho de Deus, não poderia ser melhor ou pior que eu, e sim igual.O que ele poderia é saber muito mais do que eu e ser também muito mais evoluído.Mas enquanto indivíduo estávamos em pé de igualdade e eu sentia muito, de verdade, que ele, por falta de compreensão e interesses políticos da época, tenha sido crucificado.Eu não duvidava da sua bondade infinita porque eu tb sabia o que era ser boa e caridosa.Mas em 1970 e qualquer coisa esse raciocínio soava muito mal.
Alguns anos mais tarde, quando eu tinha 14 anos, uma amiga da mesma idade fez um aborto. Mais uma vez minhas idéias pareciam estapafúrdias. Eu, por inúmeras razões e hoje por ter vivido a experiência de não poder engravidar, não faria um aborto.E na verdade, nem naquela época. Entretanto, fui a única pessoa a apoiar a decisão dessa amiga. Era a vida dela, o corpo dela e ela tinha total consciência do ato que ia praticar.Tanto que nunca se arrependeu.Mas ela foi praticamente crucificada por quem soube. Muitas vezes eu acho que os pecados existem para que as pessoas possam apontar nos outros a culpa por seus próprios erros.É sempre tudo muito conveniente.
Eu não mataria outra pessoa e nem mesmo um animal porque eu respeito a vida, acima de tudo.E talvez numa hora de desespero, defendendo por exemplo o meu filho, eu seria capaz de matar quem ou o que estivesse colocando a vida dele em risco. Quando fomos assaltados os ladrões ameaçaram diversas vezes matar meu filho.Eu não tenho certeza se naquela hora, se um deles tivesse realmente atirado, eu não teria pulado na mão do assassino e descarregado a arma nele. Julgar é sempre muito dificíl, talvez seja também algo estapafúrdio.

1.10.09


Ausência
(Carlos Drummond de Andrade)

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.
(Foto: Francesca, The Bridges of Madison County)