21.10.19

Tem dias que são mais difíceis mesmo, por mais que eu tente levar uma vida absolutamente normal. Amanhã tem consulta no neuro e o que eu vou dizer à ele?
Que “Está tudo como dantes no quartel d’Abrantes”.
Ou seja, tá ruim, mas tá bom!
A polineuropatia não evoluiu, nem regrediu.
E preciso voltar a praticar baliza com o carro adaptado para marcar outra prova no trânsito.
O que eu fiz desde que eu não passei na prova há alguns meses atrás? Nada.
No dia eu chorei, me revoltei porque afinal eu sei dirigir e bem.E eu nem subi na guia, a roda só encostou nela. A verdade é que quando eu dirigia minhas rodas eram meio raladas mesmo.Mas sou uma motorista extremamente consciente, não ofereço riscos para os outros.
Nunca imaginei que em alguns momentos me faltaria força de vontade, deve ser coisa da idade.A gente cansa, as prioridades mudam.Mas tenho me prometido voltar a dirigir.
Amanhã será um dia chato, mas depois de amanhã será bem melhor!
Eu sempre fico assim, meio chateada, antes da consulta.
Logo eu melhoro.
Afinal, não sei viver sem sorrir.

20.10.19

O Paulo Candido escreveu um livro cujo título me remeteu imediatamente à minha querida amiga Rô Carvalho, que nos deixou há 6 anos atrás, carentes do seu humor ácido nesse mundo cada dia mais  maluco: A canção da Borboleta ausente.
O livro não é sobre essa minha amiga que sempre começava o dia assim: - Bom dia, flor do dia!
Ela era uma das poucas pessoas que me chamava de Carlitcha, e amava marzipans , borboletas e girassóis , era viciada num joguinho online e assista o BBB como uma devota. Ela era muito mais que isso!
Vez ou outra ainda leio suas mensagens:
"Bundinhaaaaa, Carlitcha!
 Dudica, o mundo tá de ponta cabeça.
 É a natureza respondendo ao homem, pelos maus tratos sofridos e,
 pior, o homem não percebe q tudo volta contra ele próprio. "



Prá quem se interessou pelo livro do Paulo Candido: são 30 reais + 10 do frete.
E-mail : borboleta.ausente@gmail.com

Já prá quem quiser escutar mais sobre a Rô, podemos combinar uma cafézinho!
Domingo cedo, cedinho: 7:00 a.m.
Quando digo que eu trabalho aos finais de semana tem gente que acha que eu estou me supervalorizando.
Toca o telefone:
- Bom dia! O nome do fulano estava no plantão e ele não apareceu.Posso ligar para ele?
- Primeiro, Bom dia! Segundo, o nome dele estava na escala? Ele assinou na frente do nome?
- Sim!
- Então liga, pelo menos para saber o que aconteceu!
- Mas é que você fala para não ligar para o funcionário no final de semana?
- Sim, mas quando é folga dele e não quando ele está escalado para o plantão. E você tem que saber o que aconteceu: se ele vem, se ele perdeu a hora, se ele adoeceu, se ele sofreu um acidente no caminho e etc!
- Ah, tá bom!
Domingo cedo: 8:00 a.m.
- Então? Achou o fulano?
- Ah, achei! Ele perdeu a hora, mas já está vindo.
E assim as coisas caminham, dia após dia..
Mas prefiro trabalhar do que simplesmente ficar em casa sem ter o que fazer, ou então me acabar em serviços domésticos.
Difícil mesmo era viver em 1500 e borrachinha, as mulheres não tinham muitas opções, ou melhor, não tinham opções.
Isto tudo me fez lembrar de um texto que li um dia desses sobre a morte das esposas do Henrique VIII:


Catarina de Aragão – Primeira esposa de Henrique VIII: Causa Mortis: É provável que tenha falecido de câncer. Durante seu embalsamamento, foi descoberta uma mancha negra em seu coração. Houve rumores de envenenamento, porém médicos modernos dizem que a coloração enegrecida do órgão, devia-se a doença, ainda não amplamente compreendida no período.

Ana Bolena – Segunda esposa de Henrique VIII: Causa da morte: Ana Bolena foi acusada de adultério, incesto e de conspirar a morte do rei. Ela foi decapitada na manhã do dia 19 de Maio de 1536.

Jane Seymour – Terceira esposa de Henrique VIII: Causa da morte: 12 dias após dar à luz ao tão sonhado herdeiro varão de Henrique VIII, Jane Seymour faleceu. Segundo Jennifer Loach, biógrafa do Rei Eduardo VI, a morte de Jane Seymour pode ter ocorrido devido a infecção de uma placenta retida. De acordo com a pesquisadora Alison Weir, a morte poderia ter sido causada por febre puerperal, devido a uma infecção bacteriana contraída durante o parto, ou uma lágrima que infectou seu períneo.

Ana de Cleves – Quarta esposa de Henrique VIII: Causa da morte: Ana de Cleves morreu em Chelsea Old Manor no dia 16 de Julho de 1557, oito semanas antes de seu 42 aniversário. A provável causa de sua morte foi câncer, devido a rápida evolução da doença.
Catarina Howard – Quinta esposa de Henrique VIII: Causa da Morte: Catarina foi acusada de adultério. Ela foi decapitada por volta das sete horas da manhã, na segunda-feira do dia 13 de fevereiro de 1542.

Catarina Parr – Sexta esposa de Henrique VIII: Causa da morte: Catarina morreu de febre puerperal no dia 5 de Setembro de 1548, seis dias após dar à luz a sua tão sonhada filha, uma menina chamada Maria Seymour, fruto de seu relacionamento com Thomas Seymour, irmão da terceira consorte de Henrique VIII. ( Fonte: www.tudorbrasil.com)

19.10.19

A melhor coisa do sábado é tomar café e voltar para cama!


Isto quando você não trabalha mais aos sábados, que é o meu caso, teoricamente.
Aos finais de semana meu trabalho é remoto, via e-mail e whats.
O que está excelente para uma senhora, já aposentada, que continua trabalhando.O cara metade fica muito bravo quando falo que estou ficando velha.Embora o espírito seja ainda jovem, a carcaça está ficando velhinha sim e não vejo problema algum nisso, acontece com todo mundo.
Mas enfim, tenho a impressão que nunca vou parar de trabalhar.
Por essas e outras que valorizo tanto as minhas férias.Este ano foram curtinhas, só uma semana.E barbaridade, tenho trabalhado muito. O bom que para o próximo ano elas já estão definidas, à princípio 15 dias no primeiro semestre.
O corpo até  que aguenta, mas a cabeça está precisando de um descanso, principalmente depois daquelas semanas insanas, quando todos os problemas resolvem aparecer de uma vez só.Nessas fases posso dizer, de boca cheia, que mato um leão por dia, às vezes até mais de um.
O que a minha vida não é, é monótona!E, sim, eu tenho xícaras de café com carinhas...

15.10.19

Hoje o dia foi puxado...como ainda existem pessoas prepotentes nesse mundo!
Contornei a situação à custa de muito auto controle, educação e elegância.
Mas, por dentro, eu queria pular no pescoço do sujeito, um senhor de 70 e poucos anos que se achou no direito de ofender todos os presentes.
No final ele se acalmou e terminou tudo bem.
Mas me pergunta se ele pediu desculpas.
Que nada!
Aonde foi parar a educação das pessoas?

É por essas e outras que eu ouço música no final do dia: para abstrair, relaxar e preencher a mente com coisas agradáveis!


10.10.19

Algumas coisas me aborrecem muito, principalmente aquelas que nada dependem de mim.
Aí me calo e espero até que eu possa interagir, intervir, ou esquecer de alguma forma.
Guardo minhas mágoas como ninguém!
Você pode passar horas falando comigo sem perceber.Você vai até rir, achar graça no que eu digo, afinal sou uma pessoa leve, divertida e extremamente agradável.
Nessas horas tento também pensar muito mais nos outros do que em mim.
Mas lá no meu íntimo me refugio mesmo nas músicas e nas memórias.
Hoje, num post qualquer do face, um colega de grupo confessou que adora mordiscar a parceira, foi o suficiente para eu abstrair por alguns bons minutos.Nunca tive vontade de morder o parceiro e embora a recíproca não seja verdadeira, continuo não compreendendo esse desejo ou impulso.Eu gosto mesmo é de abraçar!
Acho que uma das fotografias mais emblemáticas do meu começo de adolescência foi a do John Lennon e Yoko Ono, abraçados nús.


Este mundo moderno está chato, saturado de preconceitos, arrogante, vil e coberto de mi mi mis.
Se cada um vivesse sua vida melhor, buscando fazer o que gosta, mesmo que seja mordiscar a parceira, seríamos todos muito mais felizes.
Paz e amor prá todo mundo!

9.10.19

Ainda estou assistindo o último dorama da lista que publiquei outro dia.
O que eu mais gosto nestas produções é que nem sempre os romances acabam da forma como nos filmes que estamos acostumados, muitas vezes não tem um final feliz, ou melhor, não terminam da forma como idealizamos a felicidade.
Afinal, na vida real, um relacionamento não depende só do amor, por maior que ele seja.
Tenho compreendido que para os personagens retratados nestas séries o indivíduo primeiro precisa estar bem com ele mesmo para somente depois fazer o outro feliz.E existe uma compreensão coletiva sobre isso: o self é extremamente respeitado.
E isto está longe de se atingir a perfeição, é um olhar para dentro de forma a aprender a conviver tanto com o que você tem de bom quanto de ruim, é encontrar o seu caminho do meio, o seu equilíbrio.Tem gente que vive uma vida inteira sem nunca encontrar seu equilíbrio e hoje vejo que assim fica mais difícil encontrar alguém para viver um amor pleno.
Estes mergulhos nas culturas asiáticas, principalmente a chinesa, estão me fazendo muito bem, tenho me reaproximado delas.
Quando nova, naquele período em que estamos em busca de respostas para o sentido da vida, acabei estudando a cultura tibetana e o taoísmo.
Deixo aqui algumas palavras de Lao Tzu, extraídas do Tao Te King, o Livro do Caminho e da Virtude:

"Quem conhece os outros é inteligente. Quem conhece a si mesmo é iluminado."

"Quem vence os outros é forte. Quem vence a si mesmo é invencível."

"Quem morre sem deixar de ser conquistou a imortalidade.”


3.10.19

Eu não sabia que era tão fácil fazer Sardela em casa, e ela fica sensacional!!!

Usei:

4 pimentões vermelhos grandes picados em cubos
1 cebola grande picada
1 colher de chá de alho desidratado
1 colher de chá de páprica picante
1 colher de chá de orégano
2 colheres de chá de sal
1 lata de sardinhas em óleo (retire a espinha central delas)
2 colheres de sobremesa de aliche ou anchova picados
4 colheres de sopa de azeite

Como fiz:

Numa panela de pressão, refoguei a cebola no azeite até querer ficar transparente e acrescentei o alho e em seguida o pimentão e o sal. Deixei o pimentão pegar o sabor do refogado, coloquei o orégano, a páprica , o óleo da sardinha e fechei a panela. Depois de pegar pressão, o que é rápido porque não tem água, deixei mais 10 minuto em fogo baixo.
Abri a panela (depois que tirei a pressão) e dentro dela bati tudo com um mixer. Adicionei a sardinha e as anchovas e voltei para o fogo para apurar.Não precisei corrigir o sal porque aqui em casa comemos tudo com menos sal, mas aí é gosto, querendo mais é só adicionar.

Leve à geladeira e coma no dia seguinte!
Não falei que é fácil?
E rende bem, tanto que congelei metade.


29.9.19

Final de domingo é aquele momento perfeito para uma música bonitinha:



Me redimi da sexta feira preguiçosa e fui para o cozinha ontem e hoje!
Afinal, para alguns dos meus antepassados, hoje começa um novo ano e que ele seja lindo e doce.
E hoje foi dia de peixe agridoce.
Basicamente você empana e frita os filés, eu usei farinha de arroz e ficaram maravilhosos.
Depois faz um molho bem apurado de tomates, adiciona sal, açucar e vinagre. Coloca sobre os filés e leva ao forno somente para o molho secar um pouco e envolver bem o peixe.
Leva à geladeira e serve gelado.
E ontem, ao fazer a torta de frango de liquidificador, também com farinha de arroz, cortei o dedo enquanto preparava o recheio.
Diz a lenda que cortar o polegar é gosto!
A sequencia que aprendemos quando crianças é: Gosto, Desgosto, Convite, Carta e Casamento.
Por via das dúvida nem fiquei chateada de ter cortado o dedo.
Já estou no meu terceiro dorama do mês de setembro!

Este primeiro é um verdadeiro dramalhão. Interessante, mas se arrasta um pouco.



O segundo é uma delícia de assistir!!! Leve e divertido.
Amei assistí-lo e pena que acabou.



Agora estou na metade deste.
O interessante dele é a fusão das culturas e principalmente hábitos chineses e americanos.

27.9.19

Hoje me dei um dia de férias!
Não saí de casa, fiquei praticamente o dia todinho entre armários, gavetas e prateleiras.
Confesso que não sirvo muito para isso, não, eu me demoro muito em cada blusa, fotografia ou folha amarelada.Tudo conta uma história.Em cada pedacinho lembro um cheiro, um sabor, um sentimento.
Fora os projetos que faço: vou ler este livro, digitalizar estas fotografias, fotografar estes bilhetes, terminar este bordado, continuar este casaco de crochê ou então transformá-lo num colete, voltar a fazer velas, retomar meu estudo de árvores e plantas de jardim e etc.
É uma imersão no tempo.
Encontrei coisas que eu nem sabia que estavam aqui. Todos os álbuns de fotografia da minha mãe e até o diploma do meu pai, da faculdade de direito Mackenzie, de 1966.
Lembrei da infância feliz, da adolescência agitada e da juventude bem vivida.
Encontrei até um trabalho de faculdade sobre a imigração japonesa, à partir do desembarque do Kasato Maru. No ano que vem comemoraremos 30 anos de formados.
Aí lembro sempre da única vez que cantei em público nesta vida: interpretando Paula Toller no teatro da faculdade.Ainda bem que a música era fácil: Como eu quero. E eu, que na época, tão deslumbrada com o universo da faculdade, não queria nada com ninguém.
Mas sonhos eu tinha muitos!!!
E ainda tenho, nunca consegui parar de sonhar.

26.9.19

O cansaço é forte, mais mental do que físico e parece até que levei uma surra.
Normalmente tenho sempre uma palavra animadora e adoro fazer graça, mas hoje estou sem condições.
Tive uma reunião do tipo briga de cachorro grande.
Ainda não sei o que pensar, preciso de um tempo para pensar no próximo passo, afinal estou jogando xadrez, e não críquete, com ninguém menos que a Rainha de Copas.
Quem mandou a Luluzinha querer participar do mundo corporativo?
Agora aguenta e firme, por favor!
O jeito é relaxar, assistir um bom dorama e escutar uma musiquinha:




25.9.19

Os exames estão dentro da normalidade, afinal anda tudo igual no reino da Dinamarca.
O pé que eu achei ter sentido dias atrás durante a fisioterapia foi só impressão mesmo, mas todo o resto está ótimo!
Posso ficar despreocupada pelos próximos seis meses, acho eu, mas ainda não levei o resultado dos exames no neurologista.Tenho certeza que ele vai concordar comigo: estou ótima!
Hoje tive consulta na nutricionista, depois de uma boa estagnada por conta dos efeitos da imunoterapia, finalmente voltei a perder peso.Além do ferro e da vit.D agora passarei a tomar também Metilcobalamina. Tem horas que penso que vou me tornar imortal assim. 
Ao tentar sair discretamente, como sempre, do prédio da nutri, o que é um pouco difícil porque o andador já chama atenção por si só, ela grita da porta da sala:
- Tchau, bonita, boa semana!
O bonita era eu mesma.
Adoro esse pessoal que me coloca prá cima.

21.9.19

Changing the subject, para não parecer que estou deprimida.
O episódio de hoje cedo me deixou triste, mas logo depois eu já estava nos eixos outra vez.
Não sou de alimentar sentimentos que não me fazem bem.
Falando em fazer bem, vou confessar outra coisa que gosto tanto quanto usar sabonetes com fragrâncias deslumbrantes: dormir em lençóis bonitos e agradáveis ao toque.
Este aí da foto deve ser uma delícia!

20.9.19

Tem dias em que a proximidade com a fragilidade humana nos emociona um pouco mais.
Hoje de manhã dei expediente no escritório do cemitério, que é estrategicamente posicionado para nos manter longe das dores e despedidas. Podia ter sido um dia qualquer se não tivessem passado pela minha janela pai e filha.
Ele levemente grisalho e ela aparentando uns 11 anos de idade.
Ela chegou alegre, caminhava determinada de mãos dadas com o pai.
Pelo que escutei iam visitar o túmulo do vô. Num determinado momento ela tirou do bolso uma folha de caderno dobrada.Ao desdobrá-la o vento passou e a levou uns metros adiante.Ela correu, pegou a cartinha com as duas mãos, olhou para ela e voltou para perto do pai sem dizer uma única palavra.Em seguida o abraçou bem apertado e chorou, copiosamente, por incontáveis minutos.
Foi de partir o coração tamanha a tristeza contida naquele choro.
Nessa hora eu também chorei por dentro.

19.9.19

Pensem em algo delicioso de escutar:

18.9.19

Já estou com a requisição dos exames de rotina em mãos.
Confesso que tive vontade de colocar na gaveta e só pensar nisso depois, muito depois.
Mas que nada, na sexta feira vou ao laboratório.
Ando trabalhando demais para pensar em parar por qualquer motivo.
Hoje estou metade soldadinho de chumbo e a outra metade bailarina, que carrega dentro do peito um coração de pedra azul, talvez lilás.
Eu bem gostaria de sair dançando por aí...


P.S. Pqp, pai! Como você faz falta...

16.9.19

The Beatles - A música de cada signo

No meu caso bateu direitinho!

Primavera! Como ela é linda...

Chuva de primavera —

Todas as coisas

Parecem mais bonitas.



Chiyo-jo


Apesar do atual calor insuportável a chegada da nova estação é sempre bem vinda, afinal é tempo de florir.
O que até aqui perdemos não volta, então devemos aproveitar o que nos resta.
É enxergar beleza nas pequenas coisas : comprei uma muda de maçã julieta para ser cultivada em vaso.Toda manhã verifico o seu crescimento e comemoro cada nova folhinha.
O pé de lichia continua inalterado, deve estar fortalecendo as raízes.
Meu próximo passo é reativar a pequena horta, que andou abandonada desde que perdi a sensibilidade dos pés. 
Meu corpo já não responde como quando tínhamos 15, 20 ou 25 anos, mas a cabeça está cada dia melhor!



E pretendo aproveitar a vida da melhor maneira possível!Tenho exames para refazer agora em outubro e independentemente dos resultados só vou pensar nisso depois das minhas férias, em fevereiro do ano que vem.


Borboleta!
O que sonhas, assim,
mexendo suas asas?

Chiyo-jo

13.9.19

Sei de uma coisa que os florais fazem: te arrancam de dentro de você!
E, de repente, cá estou eu na minha frente outra vez.
Como num espelho de corpo inteiro, os dois pés juntos, braços e coração abertos.E um sorriso largo no rosto!
Nesta última quinta feira, durante a sessão de fisioterapia eu achei que tivesse sentido o toque das mãos do fisioterapeuta no meu pé direito.Foi uma sensação difícil de definir, não foi o toque que senti, mas sim a pressão das mãos deles no meu pé. Foi algo diferente, é a primeira reação em anos.
Talvez seja por causa do sapato que tenho tido que usar, quase uma botinha ortopédica, mas muito mais charmoso.O médico me prescreveu o sapato porque disse que minha pisada precisava de mais estabilidade e que meu pé direito estava desabado por causa da pouca coordenação, causada pela falta de sensibilidade. A verdade é que o sapato põe mesmo o pé na linha e ando com muito mais segurança. Mensalmente terei que ajustar a palmilha até que o pé volte na posição correta.
Ando animada com o resultado, estou até sentindo coisas diferentes.
Isso tudo é muito animador.

8.9.19

Gosto de forma especial desta música e não é de hoje, desde a primeira vez que escutei a Gloria Gaynor cantando, ela possui uma força impressionante, é tipo a versão correspondente feminina de " Eye of the Tiger", eternizada por Rocky Balboa no cinema.