27.11.14

 冬 の 夢 (Sonho de inverno)

Acho que sempre sonho com dias de inverno...


Faixa extra:

Prá melhorar, naqueles dias em que você chega em casa com os pés cansados, nada como tirar os sapatos e escutar um pouco de Joe Hisaishi antes de fazer qualquer outra coisa!



Já o filme "A Partida", que é lindo de viver, é outra história.
É daqueles que a gente assiste sozinha, na penumbra, enrolada no edredon prá deixar as lágrimas de emoção escorrerem à vontade.
Sabe, pensando cá com meus botões e talvez nem fugindo tanto assim da temática do filme que aborda os relacionamentos, não sou pessoa fácil de se lidar.
Apesar de muito comunicativa mantenho-me sempre reservada.
Difícil me queixar dos meus problemas, aqueles sérios de verdade.Também não insisto...sinto saudades mas não procuro.Aí talvez seja a minha educação.Nos dias de hoje vivemos apressados e sem tempo, talvez as pessoas não se falem e muito menos se abracem mais, primeiro, pela falta de tempo e depois porque perdeu-se o costume.
Eu aceno, dou sinais, tento, mas não insisto.E é sem insistir que gratos encontros acontecem.Hoje mesmo dei uma escapadinha na hora do almoço para um almoço reconfortante, aquele aonde abundam abraços gostosos e gargalhadas espontâneas.Acabamos nos comovendo com algumas lembranças.Teve até choro e muita emoção, mas a alma estava leve!
E depois, com o passar dos anos, é isto que fica...  

26.11.14

Já desisti, não vou aprender é nunca a ficar quieta no meu canto...
O cara metade viajando, eu bem que podia tirar a noite de sexta e de sábado para ler um livro, assistir um filme, remexer nas gavetas...mas não, fui arrumar trabalho!
Sou uma das fotógrafas de um espetáculo de dança...eu sei, sou roteirista...mas a bailarina responsável pelo festival me perguntou se eu poderia fazer umas fotos "poéticas" e eu disse sim, na verdade foi meu ego, aquele alucinado, que respondeu por mim.
São só 30 bailarinas...
Não sei no que vai dar mas com certeza confiam mais no meu talento do que eu...
Fotografo por hobby e por paixão, e pensando bem, acredito que no final vai dar certo!
Sou uma ostra às avessas, amo ficar em casa, mas no primeiro aceno saio da concha feliz e saltitante e vou prá rua.
Incorrigível, isso sim!


25.11.14

Adorei esta:


Um excelente dia prá todos aqueles que acordaram de bom humor hoje!
Para os mais mal humorados, um dia alucinante...
Eu sempre acordo de bom humor, pois não tem nada que me revigore mais que uma noite de sono, e nem precisa ser das melhores.Nem precisa ser uma noite toda, umas 3 ou 4 horas já me deixam nova.  

24.11.14

O que eu gosto em "Lost in Translation"!?
TUDO.
Pesadelo ninguém merece...mais ainda quando a cama está vazia...
Aí o jeito é levantar, tomar um expresso e vir escutar umas músicas enquanto o dia amanhece preguiçoso:


23.11.14

Assim falou Zaratus.....quero dizer, Maiakovski:

“nos demais
 – eu sei, qualquer um o sabe –
o coração tem domicílio no peito.
Comigo a anatomia ficou louca.
sou todo coração
– em todas as partes palpita.”

E também:

LÍLITCHKA!
Em Lugar de Uma Carta (Petrogrado, 1916)


"De qualquer forma o meu amor
- duro fardo por certo -
pesará sobre ti
onde quer que te encontres.
Deixa que o fel da mágoa ressentida
num último grito estronde.

Quando um boi está morto de trabalho
ele se vai e se deita na água fria.
Afora o teu amor para mim não há mar,
e a dor do teu amor
nem a lágrima alivia.

Quando o elefante cansado quer repouso
ele jaz como um rei na areia ardente.
Afora o teu amor para mim não há sol,
e eu não sei onde estás e com quem.

Se ela assim torturasse um poeta,
ele trocaria sua amada
por dinheiro e glória,
mas a mim nenhum som me importa
afora o som do teu nome que eu adoro.

E não me lançarei no abismo,
e não beberei veneno,
e não poderei apertar na têmpora o gatilho.
Afora o teu olhar nenhuma lâmina
me atrai com seu brilho.

Amanhã esquecerás que eu te pus num pedestal,
que incendiei de amor uma alma livre,
e os dias vãos – rodopiante carnaval -
dispersarão as folhas dos meus livros…

Acaso as folhas secas destes versos
far-te-ão parar, respiração opressa?
 Deixa-me ao menos arrelvar
numa última carícia
teu passo que se apressa."


22.11.14

Sou fã do Nando Reis, principalmente como letrista/compositor!



Aqui você encontra uma lista com quase todas as músicas que escreveu.

Escutando a música Mantra me lembrei com saudade de um restaurante natural que eu frequentava na época da faculdade.Era dirigido pelo movimento Hare Krishna, eu me sentia muito bem lá.Eram todos muitos gentis, o ambiente era calmo, tranquilo e a comida maravilhosa.Acho que era a forma como preparavam os alimentos, com amor e sobretudo respeito, afinal o alimento é sagrado.
A cidade não os acolheu muito bem, havia muito preconceito, as famílias mais conservadoras achavam que eles fariam lavagem cerebral em seus filhos.Acabaram se mudando...
Foi meu primeiro contato com o hinduísmo e sou muito grata por isso.

Acho que nunca confessei, mas adoro croissants e só me permito comê-los quando viajo.
Talvez passe a gostar ainda mais deles a cada viagem justamente porque é um sabor associado a boas e inesquecíveis lembranças.
Nunca tentei fazê-los em casa porque levam muita manteiga e acredito que o que os olhos não vêem o coração não sente.
Um amigo certa vez me trouxe um pacote de croissants congelados para terminar de assar no forno elétrico, coisa dos deuses.Nem perguntei aonde comprou para não cair em tentação, pois sei que não resisto.
Assim como não resisto a água gelada, pão de queijo, abraço apertado e beijo sincero!

21.11.14

Estou sem auxiliar do lar há mais de duas semanas. Prá quem mora sozinho é mais fácil, apartamento também.Mas prá quem trabalha o dia todo e ainda divide a casa com marido, um filho adolescente, três cachorros e três gatas fica um pouco puxado.
Hoje, meio de feriado para muitos, finalmente encontrei uma senhora com dia livre para faxina.
Estávamos nos dividindo bem na tarefa, mas uma ajuda extra especializada cai muito bem.Juro que não dou conta...
E só ficando sozinha para descobrir que a secadora e o aspirador estavam queimados, que metade das suas coisas estão batidas, amassadas, descoradas ou trincadas, sem falar nos refratários, todos lascados.
Algumas coisas me intrigam muito, aonde vão parar os pés das meia sem par, os potes que fazem conjunto com inúmeras tampas solitárias e as facas dos jogos de talher???
Já que a casa está ficando limpíssima, amanhã e depois arrumarei os armários e gavetas.Vou começar com as toalhas de banho e lençóis, afinal são compradas em jogos e espero juntá-los todos em dois dias.Trabalho mais que lúdico!!!


   

20.11.14

Alguém já escreveu:
"Nunca tive outra idade senão a do coração."
E assim envelhecemos...algumas presenças vão arrastando-se pela caminho até desaparecerem por completo, como as folhas caídas no outono.
Já outras fincam raízes profundas em nosso coração e assim os anos passam e cá estão elas, cada ano mais presentes.
Que a idade venha e que o tempo passe para que esta árvore fique cada dia mais forte!

17.11.14

Começando a semana com as palavras da Martha Medeiros

"Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.
O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.
Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais. Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca. Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.
Você ama aquela petulante.
Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.
Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam.
Então? Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você.
Isso tem nome.(...)"



16.11.14

Eu falei de boas energias, beijinhos e abraços...mas nada como muito charme para fechar o domingo!!!

Depois de uma reunião com o lado sombrio da força, na sexta feira, tive a certeza que algumas pessoas não vão gostar de mim mesmo que neve por aqui no próximo Natal.
É incrível como a energia negativa dos outros acaba nos afetando.Cheguei em casa quase morta de cansaço, mas como era aniversário do meu filho tratei de ficar nova em folha.Depois dormi tanto que perdi a hora no sábado, quando olhei no relógio era quase meio dia e eu tinha um almoço marcado para a uma da tarde.Peguei trânsito e cheguei levemente atrasada, mas estava tudo tão agradável, a companhia, o clima e o bate papo, que ninguém se importou.
O que importa são as pessoas de bem que estão ao nosso lado, aquela troca de boas energias num abraço sincero.Esta é a verdadeira energia que me restaura o espírito!
E eu adoro beijinhos e abraços...


15.11.14

Me diz se eu posso com uma carinha assim?


Ele adora fazer esta expressão de que não é com ele...principalmente depois que fez alguma arte.É um mestre em arrastar coisas para fora de casa, sorrateiramente. Outro dia encontrei um travesseiro na soleira da porta.O gosto dele é bem diversificado, inclui roupas, calçados, vidros de perfumes, frascos de shampoo, sacolinhas plásticas, canetas, pincéis e etc.
E ainda por cima é ciumento....

10.11.14

Eu vejo beleza em praticamente tudo.
Os mais realistas dizem que isto irrita.Vamos deixá-los prá lá!
E quanto mais natural, mais belo.
Amo a pele, os poros, as íris que envolvem as pupilas, ar curvas, as marcas de expressão e até mesmo algumas cicatrizes. Talvez porque tenha o costume de olhar tudo muito de perto. E quando nos aproximamos dos objetos, animais, plantas ou pessoas e passamos a observá-los mais atentamente descobrimos maravilhas que muitos nunca perceberão, somente porque não prestam atenção.
Acho que já nasci atenta!







9.11.14

Não resisti e escutei o Concerto todo!!!





Quando escuto esta música tenho a certeza que a felicidade mora em mim.
Me encanto com meu próprio deslumbramento diante das coisas novas que descubro a cada viagem.Ontem à noite, revendo algumas fotografias, pude percorrer os caminhos por onde andei e constatei que os que mais gosto são aqueles que atravessei sozinha.No meu raro silêncio, afinal falo pelos cotovelos, pude apreciar e incorporar-me aos lugares.
E foi no silêncio que chorei a perda de quem eu tanto amava, como também não contive a alegria de ter meu filho em meus braços pela primeira vez.Isso sem falar que meu coração quase explodiu de emoção depois daquele beijo.E teve também o prazer de dirigir numa estrada, sozinha, tentando administrar a sensação de independência.Algo parecido com o que senti quando voei sozinha.Ao meu lado somente uma velhinha que se entupiu de comprimidos e dormiu o voo todo. O primeiro castelo que conheci na vida foi em Toledo, na Espanha. Me deslumbrei, principalmente, com aquelas pontes e portas.E fiz questão de tocar tudo o que podia ser tocado e nestes preciosos momentos lá estavam eu e a história, unidos de uma forma muito peculiar.Meu silêncio é rico de experiências fantásticas!
Não digo que não preciso dos outros porque na verdade amo ter companhia, seria muito sem graça viver sozinha.A vida me deu um profundo entendimento sobre a alma humana e suas variáveis.Gosto de vê-las indo e vindo, perdidas em suas próprias histórias, muitas delas tão mal resolvidas.Percebo que nem preciso que caiam as máscaras, afinal já conto com a presença constante delas.
Tento dizer que a felicidade reside em nós e não no outro, mas em vão.
Vejo o quanto aprendi tentando aqui e alí.
Destas muitas lições criei minha força interior e sou imensamente grata!
E talvez, por essas e outras, é que as pessoas que convivem comigo se sintam tão bem ao meu lado, quando eu não disparo a tagarelar sem parar...


8.11.14

Eu bem que queria um dia frio, um bom lugar para ler um livro e o pensamento lá em você....pára tudo, melhor ficarmos só com o livro.Quando penso na fragilidade que é muito peculiar a alma feminina, vejo o quanto crescemos, nem tanto na dor, mas principalmente na saudade.
É nela que, primorosamente, se encaixa a falta.
Desde bem criança, nos meus piores momentos, lá estava eu e eu mesma.Nunca tive alguém que me segurasse na mão e atravessasse a tempestade comigo.Nos pesadelos o conforto só aparecia depois, ao acordar.Quando precisei ser operada, na sala fria de cirurgia eram médicos e estranhos que me faziam companhia.No acidente que sofri não havia viva alma ao redor.Meio tonta e com um corte na testa peguei minhas coisas e saí caminhando por quase um quilômetro até poder pedir ajuda.Nas minhas angústias, nos meus medos, estou sempre sozinha.
E acredito que seja assim com todo mundo!
Aquela sua queixa mais escondida ninguém conhece, aí você apela para o recurso da saudade, na ilusão de que determinada pessoa efetivamente faria alguma diferença.
(Precisarei nascer de novo para acredita nisso.)
O resto é ficção, romance, novela, roteiros escritos por quem deseja esta proximidade utópica.
Mas continuo amando um bom romance ou uma saudade bem cantada...e algumas vezes até me iludindo...

5.11.14

"Só amei o que tinha fim e tudo o que amei se eternizou."
Mia Couto

Lindo isso, né?
Fernando, na pessoa de Álvaro de Campos, dizia que tinha em si todos os sonhos do mundo.
Já eu, tenho sonhos sim, mas nem tantos.
Muito do que tenho são mesmo lembranças.
E por causa delas que posso dizer que amo os dias com chuva!


Assim como as aquarelas.
Guardo com carinho uma especial, pintura em seda retratando o portão de ferro da entrada, aparentemente lateral, de uma casa em estilo colonial.O portão é bem definido em preto, parece nanquim.O restante da imagem é em tons pastéis, bem suaves e puxados para o cor de rosa.
Não sei como a tinta preta não escorreu pelo tecido fino.O artista deve ter utilizado alguma técnica que desconheço.
O quadro, não muito grande, está na minha mãe, desde quando o ganhei.
Acho que fica bem lá!
Algumas vezes, quando estou meio chateada, penso nele.
Ele me traz paz.