24.10.09

Eu não costumo transcrever aqui textos de outros blogs.Prefiro linká-los e deixá-los como uma sugestão. Mas especificamente essas palavras da Eugênia de Vasconcellos eu tive de transcrever, Na verdade, não me contive:

A IDADE DO ADEUS

Trago-te aqui
nas mãos em con­cha
a memória da água
que te dei a beber
que bebi
Se os meus pas­sos avançam
no átrio de cal­cário branco
em direcção a ti
enquanto nas fol­has das laran­jeiras cardeais
corre a brisa do primeiro dia de verão
é porque con­voco as partícu­las de vazio
que te agregam
com a certeza de quem já habitou
o par­que claro da tua alma
Toma então este seg­redo de péta­las
redondas ver­mel­has a cair do céu
com o vagar de quem não sabe
que a morte se põe a cam­inho
na aurora do nosso primeiro grito

Um comentário:

CGS disse...

Ainda bem que o trouxe. Revi-me em cada linha...