5.10.09

Na minha época não existiam siglas como TDAH, TDA, TOC, TCD e etc. Muito menos termos como borderline e altas habilidades.Nem a famigerada Ritalina.Meu pequeno grande filho foi diagnosticado ainda pequeno, aos 3 anos de idade como TDA, com algumas altas habilidades. Ou seja, ele era o aluno que não ficava mais do que 15 minutos concentrado em sala de aula e que sabia tudo. Isso desde cedo rendeu-lhe uma certa antipatia por parte de profissionais menos preparados.Os mais preparados sabiam interagir com ele perfeitamente.
Nunca concordei com a administração de Ritalina e cheguei à mudá-lo de escola quando a diretora de uma colocou-me na parede.Ele nunca foi arteiro de botar fogo na escola, nunca socou os colegas (só 1 vez, se defendendo), mas seu maior problema era o eterno contestar. Aos 3 anos ele já contestava o autoritarismo das professoras. Aos 5 anos e pouco, ele disse à professora que era educado pedir por favor quando solicitasse alguma coisa à alguém. A resposta dela foi:
- Eu não preciso, porque na sala de aula eu sou a autoridade, eu mando e vocês obedecem.
Em parte a culpa era minha pôr ensinar-lhe educação e daí então que eu mudei-lhe de escola.O que uma mulher com este tipo de resposta poderia ensinar ao meu filho?
Agora, já mais crescidinho, ele obedece as regras e quando alguma lhe escapa, admite o erro e pede desculpas. Outro dia mesmo foi pego com alguns colegas escalando o portão da escola, na hora do intervalo, só para espiar as meninas mais velhas do cursinho que tem no final da rua.Ah..os hormônios...de qualquer forma tomou uma advertência escrita e prometeu não mais repetir a proeza.
Hoje, bem cedo, eu tive reunião na escola. O problema agora são as provas. Em resumo, ele sabe a matéria mas não presta atenção às questões. Mais uma vez a sua velocidade de pensamento está muito superior à velocidade da leitura.E lá vamos nós outra vez :o)
Pediram que ele vá à uma psicopedagoga, indicada pela escola, para saber como proceder com ele. Porque na verdade ele sabe melhor a matéria do que a maioria da sua sala.E mesmo assim suas notas são baixas, quer dizer, nem tão baixas assim. A média para aprovação é 6 e ele consegue tirar 5 ou 5,5 em todas as disciplinas, menos educação física aonde ele não tira menos de 9. Segundo a escola, pelo que ele absorve do conteúdo ele deveria tirar pelo menos 9 em todas as disciplinas. Eu, com minhas idéias estapafúrdias penso que se todos sabem que ele pode tirar 9 e não tira, deixem-no tirar os 5 ou 5,5. Mas de qualquer forma me comprometi em convencê-lo à tirar pelo menos 6.Ainda dentro das estapafúrdias idéias arrisco dizer que isso tem muito pouca importância no seu futuro.Mas regras são regras e não devem ser quebradas, segundo o bom senso :o)

3 comentários:

Veroca disse...

Turma, faz todo sentido sim, suas idéias estapafúrdias, pero non mucho. Nota é bobagem e te digo isto de cadeira, um dia conto. Bom é sermos felizes e apreciarmos sermos aquilo que somos, isto sim. Mas ele vence esta exigência dos sessenta por cento e rompe, com certeza. Em tempo: é a segunda vez que vejo o anônimo por aqui, acho que ele te ama hehehe e fica com vergonha de se declarar. Bem, na minha página aceito sem moderar qualquer comentário, menos anônimos. Tenho problemas com o anonimato e além disso prefiro amores escancarados hehehe. bj meu

Turmalina disse...

Veroca, vc não sabe...vou te contar um segredo...anônimo pero no mucho...rs...

Layla disse...

Querida, sempre fui resistente à miríade de transtornos sazonais que vemos proliferar nas crianças de hoje... Em cada época, um transtorno está em voga, e é combatido quase sempre em teor apocalíptico, em nome do discurso da normalidade... Como subversiva que sou, aos pais de hoje, aconselharia que utilizem mais Rita Lee e menos Ritalina...rs. Beijocas!
Salaam
Layla