14.8.07

De volta ao mundo real...capítulo 10134
Bom dia....
Ah....amei Recife!
Não tive muito tempo para o turismo tradicional pois fiquei centrada no turismo histórico cultural que é riquíssimo na região. Como nosso currículo educacional é pobre...eu aprendi muita mais sobre história do Brasil em 3 dias no Recife do que toda minha vida de estudante dos cursos regulares.Minha mala voltou 10 quilos mais pesada, só de livros. E eu voltei encantada...
Mas a emoção maior ficou para o domingo, ao final do primeiro ato do Lago dos Cisnes com o Balé Imperial Russo. Foi uma das cenas mais bonitas que vi ao vivo na vida. Os movimentos deles são perfeitos. O espetáculo traz duas bailarinas principais: Anna Ivanova e Anastácia Mikheykina.Elas arrancaram da pláteia de lágrimas à aplausos efusivos, durante as quase três horas de apresentação.Tempo este que não percebi passar.
A noite terminou com um agradável bate papo informal, já no hotel, com o pessoal do Bolshoi de Joinville, que também esteve na cidade apresentando o grand pas de deux Chamas de Paris, no Teatro Santa Isabel. Mariana Zchoerper e João Paulo Frazão que formam a dupla do espetáculo são lindinhos: bonitos, talentosos e super simpáticos. Esteve também presente no nosso encontro o professor Dmitri Afanasiev.

No elevador, já voltando para o apartamento, depois da longa noite, minha mãe perguntou:
- É verdade tudo isto que está acontecendo? Me belisca prá eu ter certeza que não estou sonhando...
Nessas horas a gente vê como a genética é forte ...Spassieva...
Bem, voltando ao mundo real...vamos trabalhar!!!

Um comentário:

Clau * disse...

Na verdade o capítulo é o 14.645º. Faça as continhas e não esqueça dos anos bisextos (é assim que escreve?) achei estranho, escrevi mas li bisexos... kkkkkkkk coisas de gente louquinha.

Então, deve ter sido uma viagem bem gostosa, daquelas que estou procurando fazer há uns 20 anos, pois a última vez que tirei férias de verdade, foi para curtir minha lua de mel.

Outro dia mexendo numa papelada, encontrei coisas lá dos idos de meados dos anos 80, fiquei feliz em saber que ainda haviam coisas daquele passado pois eu achava que não tinha mais nada alem das lembranças dentro da cabeça.