18.7.11

" Usa cada qual os olhos que tem para ver o que pode ou lhe

consentem, ou apenas parte pequena do que desejaria."

Memorial do Convento, Saramago.

E assim, nessa vida, tudo depende de quem olha e como olha.É uma pena que nem todos possam me olhar como eu gostaria.Tem quem me conheça desde os tempos de garota e que ainda não me conhece, porque na verdade nunca aprendeu a me enxergar. Tem também as pessoas que pouco encontro mas que me conhecem como a palma de suas mãos.Eu sou mesmo fácil de ler.
Embora digam que é difícil porque não digo tudo o que realmente quero.Conheci muita gente cujo discurso era muito diferente das atitudes. Neste setor específico da minha vida, prefiro demonstrar a falar. Até hoje duvido de muita coisa que escutei e que continuo escutando.São inverdades tão tolas, tão desnecessárias, sentimentos tão mesquinhos. Tenho pena dessas pessoas que pensam que me enxergam e que pensam que me enganam.Eu sei aonde eu vou chegar, mas e elas?
Deixe que pensem enquanto quem sente sou eu. Já foi-se o tempo em que importar-se comigo , ver-me como eu verdadeiramente gostaria, fazia alguma diferença.Hoje podem me contar mentiras sinceras que eu finjo que acredito.
Mas só não me peçam perdão quando abrirem os olhos.Talvez seja tarde demais. Não é mágoa, rancor, nada disso, é que talvez eu tenha deixado de enxergá-las.Ou ainda, não pertençam mais aquela pequena parte que eu desejo.

4 comentários:

Layla disse...

Minha queridíssima, vim matar as saudades aqui dessa tua casa... Há tempos não consigo fazer isso: sentar-me no computador e ficar um tempão lendo algo que não seja Psicologia, rs. Mas hoje me deu uma saudade tão grande, por isso passo para deixar esses quindins e essas pequenas violetas...
Um beijo muito grande e obrigada por compartilhar tanto conosco, sempre.
Salaam,
Layla.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Às vezes, fingir que não percebemos é a melhor maneira de podermos continuar e paz. Eu precisava de fingir mais vezes...
Beijinho neste Dia da Amizade

Turmalina disse...

Layla querida...os quindins estavam deliciosos, não podiam ter chegado em hora melhor.E a violetas vieram dar uma cor reconfortante aos meus últimos dias, um tanto cinzentos e nublados, potencializados por uma gripe dos infernos, dantesca. Espero retomar em breve meu fôlego e toda aquela animação :o)
Beijos e obrigada.Saudades tb!

Turmalina disse...

Carlos...eu finjo muito mal, quando algo anda me contrariando, é possível verem faíscas saindo dos meus olhos.E eu ando quietinha porque uma gripe forte me derrubou, porque a vontade é a de sair por aí botando a boca no trombone e cuspindo fogo pelos olhos.E logo eu que até que sou bem compreensiva, doce e comportada.Mas dizer as verdades às pessoas é praticamente declarar guerra, e eu estou momentaneamente debilitada.
Beijo, meu amigo querido!