13.5.11

Esta semana bem que minha vida podia ter sido dirigida por Mike Newell com o título:
4 Situações de Confronto e 1 Funeral (E nenhum casamento)
Num mundo intrinsicamente machista como o empresarial algumas vezes é preciso confrontar algumas pessoas para se ouvida. A voz suave e toda aquela compreensão de nada me adiantam em certas situações. É preciso falar firme e forte.Honestamente não fui talhada para tanto, talvez para um pouco menos.
Eu falo, eu faço, eu bato firme na mesa quando é preciso mas depois fico acabada, toda dolorida, como se tivesse levado uma surra.Nessas horas as sessões de Pilates e o acolhimento do lar são imprescindíveis.E nada como uma noite após outra.Tenho até sonhado e são sonhos bons. Pena que quando acordo me lembro muito pouco deles.Mas acho que aqui também dá para improvisarmos.
Depois de muitos confrontos, mas que afinal valeram a pena porque todas as arestas foram acertadas, termino a semana com um funeral.
Quando meu primo me abraçou e chorou, eu desabei.Foi um choro sentido e bem chorado. Acho que na verdade ele não entendeu muito bem a minha reação.Imagino a cena num plano americano num estilo bem almodovariano.
Afinal essa minha tia estava bem doente, sofrendo muito e todos estavam de certa forma conformados.A morte, na verdade, foi um alívio para ela.E eu, honestamente, estava chorando por ela, por ele, por mim e por tudo aquilo que andou me aborrecendo nos últimos tempos.
Consigo até ver na tela todas aquelas cenas em flahsback.
Peraí, pára a fita, encontrei umas coisas boas aí. Sim, aqueles versos eram mesmo lindos.Acho que vou começar por eles.

"Meu amor quando se cala
Fala mais que um pensador.
Me ensinou que a vida vai
Onde a saudade ficou
E enquanto a vida não pára,
Não pára nunca esse motor."
(...)
Fausto Nilo

P.S. Agradeço ao Ruy por ter me mostrado o caminho das pedras, principalmente aquelas que cantam.

6 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Que lindo trançado de histórias, mesmo que doloridas. Um abraço carinhoso, tá?

Turmalina disse...

Lu querida...obrigada e espero que essa fase passe logo, porque elas sempre passam e em breve estaremos rindo de tudo(ou quase tudo) o que passou :o)

*Claudinha disse...

Sentida por sua perda, dias melhores com certeza virão.

Confrontos as vezes são inevitáveis, mas agir com serenidade é preciso sempre para não perder a razão e o foco.

Sonhos... ahhh os sonhos... versos ainda lembro e guardo alguns que, quando releio, me fazem lembrar dos sonhos que tive e ainda alimentam minha alma.

Beijos

*Clau

Turmalina disse...

Clau amada...obrigada!
São tantas coisas acontecendo que fica difícil manter a serenidade, mas eu tento(aommmmm).
Sabe que pouco sonho, mas tenho gostado desse pouco e fico feliz que seus sonhos alimentem sua alma, os meus ainda nem tanto.
Me perco entre versos, os conhecidos e os inéditos.Graças à eles mantenho aquela minha velha esperança em dias bem melhores, embora eu saiba que algumas coisas não voltam mais.
Beijos e saudade :o)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Lamento a sua perda mas, na verdde, às vezes a morte é a melhor solução para acabar com o sofrimeto.
Um grande beijinho

Turmalina disse...

Obrigada, Carlos...isso eu sei racionalmente.É que eu estava tão no limite essa semana que não suportei ver a tristeza dos seus filhos, todos mais novos do que eu.Tô bem agora!
Beijo