29.5.11

Desde que assisti "As Pontes de Madison" minha visão sobre Clint Eastwood mudou. Até então eu pensava como Sergio Leone, em 1988, numa referência ao filme "Por um Punhado de Dólares" : "Eu gosto do Clint Eastwood porque ele tem somente duas expressões faciais. Uma com o chapéu e outra sem ele."
Não só mudou como ultrapassou a lógica permeando o mundo dos sentidos. Acho que começou, na verdade, um pouco antes de "As Pontes de Madison", com "Bird":



Mas talvez "Bird" não tenha sido suficiente para eu tornar-me fã de Eastwood na direção.
Também me diverti com a "química" de "Space Cowboys", uma idéia original e sem grandes pretensões, principalmente voltado para o público americano:



"Mystic River" deixou uma sensação pesada, resultado de um bom trabalho. Achei-o um pouco exagerado em "Million Dollar Baby", mas enfim a crítica o havia consagrado como diretor.
Eu me rendi em "Cartas de Iwo Jima", o que é surpreendente para alguém que não aprecia tanto assim os filmes de guerra. Mas Clint realizou um excelente trabalho de direção nesse filme, percebido em gestos, falas e também em grandes tomadas.Eu não desgrudei os olhos da tela um só instante:



Outro trabalho que eu gosto bastante é "Changeling ", com Angelina Jolie. Gosto do ritmo que ele deu ao filme:



E saindo do ritmo, ainda não senti vontade de arriscar "Gran Torino".Talvez porque me lembre um pouco "Dirty Harry" e não ando inclinada à esse tipo de filme.
Pulei também "Invictus", mas esse eu quero ver.É que assisti no ano passado muitos filmes sobre Mandela.Estou dando um tempo para apreciá-lo devidamente.
E hoje aproveitei a manhã tranqüila para me envolver com "Além da Vida":



É um filme sem muitas respostas.Mas na verdade isso não faz falta.É um período da vida de algumas pessoas que você está assistindo e é gostosa a forma como elas vão se desenvolvendo. São umas boas horas de distração e o resultado final é leve. Como a vida, no geral, deveria ser!

6 comentários:

Luciana Nepomuceno disse...

Gosto de tudo no Clint, até do que não gosto. Gosto mesmo e até do tempo double face, um dos melhores filmes que vi: O Bom, O Mau e o Feio.

Atrás da câmera, tem acertado mais que errado e, quando erra, ainda é beeemm melhor que muitoa até quando acertam (por exemplo: o insuportável Cameron,eca eca eca)

Não liga, sou passional. E amei seu post, muito muito muito (hj é domingo e estou para hipérboles)

Turmalina disse...

Lu...pode exagerar, que o tema merece :o)

George Sand disse...

Fiquei curiosa...e se é leve, é mesmo disso que estou a percisar.

Turmalina disse...

GS...o filme começa com a tsunami na Ásia e uns 15/20 minutos depois com uma morte trágica.Assim você vai pensar que eu estou doida, mas é que o melhor do filme é que ele vai se suavizando gradativamente e mesmo assim eu chorei copiosamente numa cena uns minutos antes do final :o)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Clint é melhor como realizador do que foi actor, não concorda?

Turmalina disse...

Carlos...concordo plenamente!