22.12.10

Às portas de 2011

Tenho uma queda pelas palavras de Quintana e poderia compartilhar aqui praticamente toda a sua obra.Tento escolher entre uma e outra poesia para começar o encerramento do meu ano.
Mas quanto mais leio, mais indecisa fico.

Deixo primeiro um

BILHETE

Se tu me amas,
ama-me baixinho.
Não o grites de cima dos telhados,
deixa em paz os passarinhos.
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,

tem de ser bem devagarinho,

Amada,

que a vida é breve,

e o amor

mais breve ainda.


Pensando já em 2011:

SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS

A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são 6 horas: há tempo...
Quando se vê, já é 6ªfeira...
Quando se vê, passaram 60 anos...
Agora, é tarde demais para ser reprovado...
E se me dessem - um dia - uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.
seguia sempre, sempre em frente ...

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

E também para não esquecer que sempre existe um :

POEMINHA DO CONTRA

Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho

E só mais um pouquinho de Doors, que não faz mal:

2 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Ah, The Doors não faz mal nenhum...e acompanhado de Mario Quintana é ouro puro. Bjs e bjs

Turmalina disse...

Lu querida...amanhã passo por lá...hoje vou passarinhar mais cedo.
Bjokas :o)