17.11.10

Gosto do lado romântico da Rita, assim como de declarações de amor.Eu juro que queria entender para que é que servem as lembranças. Canceriana típica, eu tenho um monte delas.E tem dias em que penso que elas só servem para deixar-nos confusos.Em outros são elas que me dão a certeza do presente.Não tenho boas, mas sim, excelentes lembranças. De ontem, anteontem e de anos atrás.Talvez porque eu simplesmente não registre a maioria das coisinhas ruins.Tenho somente algumas poucas péssimas lembranças, e essas, para esquecê-las, somente nascendo outra vez. Mas nada que atrapalhe o meu caminho, aquele que eu pensei que escolhi.Só que nosso caminho muda à cada manhã e sem que possamos fazer muito.O que é certo é mais ou menos como diz a letra da Rita, eu trago pessoas tatuadas no coração!
E isso é bom demais...

10 comentários:

*Claudinha disse...

Eu também trago algumas pessoas tatuadas em meu coração. Pouquíssimas na verdade.

Outro dia mesmo, fui ao show de lançamento do novo disco de um artista bastante reconhecido no cenário da MPB. Tive o prazer de conhecê-lo ainda na adolescência, em meados da década de 80. Na época estava com o coração recentemente tatuado, partido sim, mas eternamente marcado.

Poucos dias antes, me comuniquei no Facebook com ele falando de algumas coisas da época que encontrei e resolvi surpreendê-lo com minha presença no show e com uma lembrança da época que ele me pediu para enviar.

Sabe como é, carioca, pede para enviar mas não dá endereço. Então fui lá vi o show que estava delicioso e depois de terminado, fui ao camarim, falei com ele, entreguei o que me pediu e lembramos do passado. Coisa muito boa, várias memórias dequele tempo, algumas posteriores, todas muito boas. Ele sempre muito sensível lembrou de fatos passados há mais de 25 anos. Dei a ele uma breve atualização das coisas com lágrimas nos olhos trocamos abraços carinhosos.

Contei toda a história acima só para dizer que achei muito legal perceber que daquele passado só valorizo as coisas boas, as ruins, ficaram por lá e que as tatuagens, por mais antigas que sejam, estão sempre lá, vivas e muitas vezes presentes.

Beijos,

*Clau

Borboletas nos Olhos disse...

Ai, minha querida, você pôs em palavras o que eu estava conversando ontem a noite com minha irmã...as memórias confundem e sustentam. Dizem da gente, mais ainda, dizem a gente. Beijos carinhosos

Blondewithaphd disse...

ADOREI, AMEI essa que só nascendo outra vez para se esquecer as memórias realmente más! É assim que eu entendo também!

Turmalina disse...

Clau...gostei de montão do seu longo comentário.Na verdade, confesso, tive vontade de estar lá tb.Mesmo sabendo que eu deveria respeitar a privacidade de vocês, pq afinal de contas, depois de tantos anos, tinham mesmo muitas coisas prá contar.Acho que queria (fazendo bico) um abraço desses tb.E que bom que temos nossas tatuagens. Bjos doces :o)
Borboletinha....e deixa que digam, porque mesmo assim penso que continuamos no caminho certo. Bjos fofos :o)

Turmalina disse...

Blonde querida...é só mantê-las à uma distância segura. Bjos :o)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Concordo absolutamente que para esquecermos algumas amarguras com que a vida nos presenteou, precisamos de nascer outra vez. E mesmo assim...

Turmalina disse...

Carlos...concordo que mesmo assim não há garantias :o)

ameixa seca disse...

Se temos pessoas tatuadas no coração, nunca estamos sozinhos :)

Teté disse...

Adorei a música! Já vim aqui várias vezes para a ouvir... :)))

Quanto às lembranças, sou igual: ficam as boas, as más que restam são poucas e apenas aquelas que ainda hoje nos tocam (como a morte de alguém que amámos e ainda amamos profundamente).

Beijocas!

Turmalina disse...

Ameixinha...me considero uma pessoa feliz porque trago no coração muito boas companhias :o)
Teté...fico feliz que tenha gostado...e que as perdas sejam transformadas em saudades, ao menos suportáveis!