14.3.10

Tem dias em que devemos escutar outra vez o que já escutamos uma vez, para reforçarmos o sentido das coisas que vivemos.
Este é um exemplo de filme que devemos assistir uma segunda vez para percebermos as referências e citações que podem passar despercebidas numa primeira olhada.




"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
à parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a pôr humidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.(...) "

Trecho de A Tabacaria - Álvaro de Campos

4 comentários:

Layla disse...

Oi Turmalina querida... Passando para matar a saudade dos teus escritos, aqui, de manhã cedo, tomando meu chazim...rs. Tá servida? :) Uma beijoca.

Salaam
Layla

Bea disse...

A sabedoria é algo que quando nos bate à porta já não nos serve para nada

CGS disse...

A grande maioria dos filmes brasileiros não chega a Portugal e é uma pena. E que excerto maravilhosos da "Tabacaria"... o verdadeiro conhecimento da vida e da morte transcende-nos em absoluto.

Turmalina disse...

Layla querida...aceito o chá com quindins :o)
Bea...tomara que consigamos usá-la ainda :o)
CGS querida... eu te envio daqui, combinamos os detalhes por e-mail, porque em mãos só quando a próxima primavera chegar :o)