30.12.09

Penúltimo dia oficial do ano e eu não podia deixar de falar das flores...
Transcrevo aqui parte do texto do Jorge Marcio do
Info Ativo Defnet e garanto que vale à pena ler o restante lá no blog dele.
"A Terra, na verdade, nos fala em termos de forças, de ligações e de interações, o que basta para fazer um contrato. Cada um dos parceiros em simbiose deve, de direito, a vida ao outro, sob pena de morte.Tudo isto permaneceria letra morta se não se inventasse um homem político..." ( Michel Serres - O Contrato Natural)
O filósofo francês Michel Serres escreveu este livro em 1990. Passaram-se 20 anos e ainda não inventamos um novo homem político, ou seja um novo homem político-estético e ético. O livro Contrato Natural tem sido minha leitura de cabeceira, desde do encontro e representação espetacular sobre mudanças climáticas da Terra em Conpenhague. Aliás o tema já se esgotou na mídia, como bem nos interessa na Sociedade do Espetáculo, onde nossos representantes políticos cada dia mais se aprimoram nessa arte: o mise-en-scène, o palco/palanque hipermidiatizado da macropolítica . Tudo tem sua efemeridade garantida, e o assunto do momento pode ser apenas mais uma catástrofe, nevasca, tornado, furacão, enchente ou devastação florestal, quem sabe outro tsunami, ou mais uma campanha eleitoral. ".

E Serres utiliza este quadro de Goya para ilustrar que não podemos deixar a natureza fora de qualquer conflito e que ela é um terceiro personagem de suma importância nesta cena, eu diria até que determinante. Percebam que enquanto lutam os dois homens, estão afundando na lama. Precisamos urgentemente de uma consciência universal que defenda a responsabilidade do homem sobre a natureza, mas não subjugando-a e sim respeitando-a e amando-a acima de tudo.

3 comentários:

Zoe disse...

viva turmalina
Eu acho que Sebastião da Gama quer que o leia!!! este poeta que amava profundamente a naturaza fundou em 1948 a Liga Para a Protecção da Natureza, numa época em que ninguém falava de meio-ambiente ou ecosistemas,já ele teve a intuição de que era necessário respeitar e preservar a Mãe-Natureza.
beijinho
zoe

Turmalina disse...

Zoe, agora irei mesmo me aprofundar um pouco mais no trabalho de Sebastião da Gama. Obrigada :o)

Zoe disse...

Sebastião da Gama foi professor, vítima de tuberculose deixou-nos aos 38 anos, mas deixou-nos também o seu Diário, muita poesia e o seu amor pela naturaza.
beijinho
zoe
PS
se não nos "virmos" mais, feliz ano novo, cheio de concretizações pessoais e profissionais e saúde, muita saúde.