13.11.09

Amanhã é aniversário do meu adorado, idolatrado e tudodebom filho.
Finalmente hoje aconteceu a tal reunião com o professor de filosofia do meu querido.Inspirada talvez pela Deusa -Mãe nórdica Frigga, saí do "combate" vitoriosa e com a alma lavada. E por certo que os deuses hão de perdoar os pobres de espírito, e aqueles limitados de visão também.
Acredito que o professor esteja amaldiçoando a tal sexta feira de hoje, que tinha de ser 13. Sem querer, acabei dando uma aula sobre olhares diferenciados e escolas inclusivas. Foi horrível.
Diante de discurso tão rígido e inflexível, eu pedi a ele que não fosse complacente, mas sim que soubesse conhecer os seus alunos e de uma forma um pouco menos superficial, já que o ensino da filosofia, à nivel fundamental, permite este conhecimento através dos questionamentos reflexivos.
A reunião foi tão produtiva, que o coordenador da escola aproveitou o gancho para me perguntar se eu achava que a escola estava caminhando na direção correta da inclusão. E eu respondi que sim.Afinal não é o posicionamento inflexível de um professor que derruba todo o trabalho de uma instituição. Na verdade, lá, a maioria dos professores tenta compreender e trabalhar com as diferenças dos alunos.
Meu pequeno Einstein capta informações visuais e sonoras muito rapidamente. E segundo o próprio professor de filosofia seu raciocínio é impressionante e ele quase sempre vai muito além do conteúdo ministrado em sala de aula.E isso é um problema para a escola.
Pela conversa do professor percebi que meu filho desafia-o o tempo todo. Além de quê, ele tem o dom de acertar em cheio o ponto fraco da pessoa, mesmo que não intencionalmente.E é claro que atitudes assim acabam tirando o profissional do sério.Só que neste caso específico ninguém pode ajudar nem uma das partes. Eles terão que se afinar e tornar o convívio, ao menos, suportável.
Atitudes e pensamentos preconceituosos e intolerantes não vão ajudar em nada.Eu espero mesmo que o professor reveja seus conceito, e sobre todas as coisas. Na reunião de hoje ficou claro que apesar de todo um discurso sobre o preconceito, que lá no fundo, ainda existe um ranço dentro dele.E espero ainda, agora de coração, que de toda essa discussão tenha nascido alguma luz.
Bem, e vamos em frente que o dia de hoje não foi assim tão fácil. Ainda manco um pouco, minha cunhada fez uma punção no seio para biópsia e uma amiga me confidenciou que seu marido recebeu o diagnóstico de um câncer terminal em estado avançado. E isso me deixa bem chateada porque afinal os sinos dobram por todos nós.

3 comentários:

CGS disse...

Parabéns para os dois, para si e para o seu filho!

Turmalina disse...

Ogrigada,
querida do meu coração :o)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O trabalho nã me tem deixado muito tempo para visitas. E para comentários, ainda menos, mas hoje não podia deixar de desejar um dia muito feliz para os dois.
continuo a passar por aqui diariamente, mas não estranhe a falta de comentários, ok?