1.9.09

Então vamos aos blá blá blás para liberar a tensão...
Outro dia, o que li no Crônicas do Rochedo me colocou à pensar:
"Duas mulheres, de 39 e 42 anos, atraíam homens adultos para encontros sexuais. Drogavam-nos e depois roubavam-nos. Estão em prisão preventiva, a aguardar . Um homem de 45 anos conheceu uma jovem de 13 através da Internet.Atraíu-a a um hotel. Violou-a e filmou-a. A polícia presume que terá vendido o filme. Aguarda julgamento em liberdade."
O comentário de um leitor chamou-me a atenção:
"Não me surpreende. A pedófilia sempre foi um entretém de gente influente, endinheirada.(...)Mas, há muito que ouço falar disto.Sempre existiu, sempre foi aceite na "alta roda", por isso dificilmente será erradicada e severamente punida. Já roubar uns outros tantos tarados, isso é um crime hediondo."
Colocando-me a pensar novamente, vejo que cada vez mais entendo menos a sociedade aonde vivo. Pedofilia e abusos sexuais contra mulheres sempre existiram e pelo jeito vão continuar, talvez só mais veladamente e em contra partida de forma cada vez mais naturalizada.Eu me espanto quando as pessoas acham que tudo é normal!
Entrevistando uma mulher com uma história de vida bem interessante, soube que no interior da região Sudeste, naqueles lugares bem distantes da civilização, em comunidades bem carentes, era comum até uns 40 anos atrás o sogro ou padrinho tirarem a virgindade da noiva, se assim ela o fosse, na noite de núpcias.O sexo também era moeda de troca por lá, servia para quitar dívidas dos maridos no bar, no jogo e até na mercearia. Isso talvez justifique, mas não desculpe, o alto índice de alcoolismo das mulheres dessas comunidades.
Aí fiquei refletindo sobre a relevância desta informação para o meu roteiro.Sinto que as pessoas vão assistir e dizer: Ah, tá! A minha personagem central em questão, depois de ver e sofrer tanta fome e abusos decidiu mudar a própria vida. Mas ela é uma entre milhões e milhões de brasileiras Eu ainda não terminei este roteiro porque fico me perguntando se as pessoas não vão achar tudo normal.
Tem dois momentos importantes da narrativa, até o ponto de virada.Um é quando o pai , escondido, mata o gato da família para servir de comida, afinal eles não tinham mais o que comer.E outro é quando o tio vai cobrar um dívida do pai e este oferece a mulher em troca. E alguns minutos depois o tio bate a porta do barraco todo satisfeito. A coisa toda é muito séria e tenho receio que achem graça.
Mais uma vez eu tenho de me lembrar que escrevo para mim e não para os outros. Neste caso específico não é nem para mim, é para a pessoa que me pediu que escrevesse o roteiro da sua vida.Enfim, vou dando continuidade à ele.

3 comentários:

ameixa seca disse...

A sociedade está podre. Estas histórias deixam-me revoltada com os homens. A tradição já não é o que era. Aquelas tradições que magoam, para mim, deveriam ser erradicadas. Não sei se estou a ser injusta mas é o que me parece correcto :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Muito interessante a sua reflexão. Creio que temos de trocar umas ideias sobre o assunto. Esta sua actividade está despertando minha curiosidade.
Ah! Deposi quero royalties (risos)

Turmalina disse...

Ameixinha: a sociedade está decadente mesmo :o(
Carlos: é uma atividade apaixonante!!!