12.6.08

Hoje é dia dos Namorados e ponto!
Dia dos Namorados prá mim é todo dia, ou melhor, toda uma vida....eu agradeço ao meu eterno namorado por me acompanhar por quase uma vida...e queira Deus que a gente se encontre por muitas e muitas vidas :o)

Bem, mas mudando de assunto hoje é também o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil!

Nós sabemos que existe a exploração do trabalho infantil em vários setores da sociedade. Encontramos crianças trabalhando no Garimpo, na Prostituição, no Tráfico, nas Usinas Carvoeiras, na Agricultura, nas Fábricas de Fogos de Artifício e em tantos outros locais inadequados.
Mas estes são locais muito distantes da minha realidade. O que eu vejo no meu dia a dia são meninas trabalhando de babás ou domésticas.Começa sempre com aquela história de que uma parente indicou a menina para o serviço.Sou contra colocar de uma menina de 11/12 anos , normalmente vinda do interior, para limpar uma casa e cuidar de crianças estranhas.
As pessoas que defendem esta atitude acham que estão dando um futuro melhor para a criança. Já ouvi quem dissesse que pelo menos a criança não passa fome e tem um bom teto para morar. É, mas estudos indicam que a criança que trabalha tem baixo nível de desenvolvimento.Criança tem que estar na escola e de forma aplicada.Precisa de um bom tempo para o estudo, sem ter que se preocupar se o feijão está queimando ou o bebê chorando.Como se sente uma criança que precisa trabalhar enquanto os filhos da patroa brincam, gargalham e se divertem?
Uma coisa é a criança executar uma tarefa doméstica dentro de um ambiente familiar aonde existe uma relação de afeto e aonde ela esteja verdadeiramente inserida e outra coisa é ser uma pessoa alheia à casa, sem o direito de se expressar e que geralmente dorme num quartinho ao lado da lavanderia ou então nos fundos da casa, bem distante da família de verdade.

Um comentário:

Claudinha disse...

Não posso deixar de comentar que o trabalho de crianças, obrigadas pelos próprios pais a colaborar no orçamento doméstico é crime de igual calibr.

Embora muitos não vejam desta forma, eu acredito que uma criança que deixa de ir à escola para trabalhar em alguma coisa no quintal de casa a mando dos próprios pais é igualmente explorada se comparada à aquela que vem do interior para alguma casa nas cidades para trabalhar como arrumadeira ou babá de crianças.