16.8.07

Cheguei em casa hoje prá lá de derrubada...
Ah...Clau, li o seu recado, depois passo o nome do "santo" :o)
Tive um momento totalmente descontrol hoje no escritório.Mas já passou...passou...
Também, acordei cedo, terminei dois relatórios ainda em casa e segui para o PoupaTempo, para terminar de renovar minha CNH, pois já estava dando uma novela.
Lá, depois de quase 40 minutos, avisaram que o sistema havia caído e que não tinham previsão de retorno.Saí e fui prô banco. A tal da guardinha me travou na porta giratória e por pouco não tiro toda a roupa para poder passar.Depois de 4 tentativas uma atendente que já me conhece intercedeu e pediu à guardinha que me liberasse.Sim, acho que desde de manhã eu já estava com cara de assaltante de banco.Só pode ser...
O meu dia foi prá lá de estressante, o povo todo só botando pressão.Eu resolvi pelo menos 5 assuntos totalmente diferentes simultaneamente...Eu até que tentei corresponder, mas não deu, cheguei no limite e caí no choro.Eu desabei como uma velha construção no momento da implosão.Com lágrimas nos olhos, e com um discurso bem feminista, reclamei de tudo o que considero errado no meu ambiente de trabalho.Inclusive da horrorosa mania machista de vincular toda e qualquer decisão minha à total aprovação do grupo.
Perá lá, sempre vão existir divergências de opiniões.Sou diferente, sou boa, sou profissional, mas não sou perfeita.Clamei por mais respeito à minha forma de agir.Parece que na teoria funcionou, vamos esperar...
No final da tarde saí do escritório, tirei as temíveis fotos 3x4, fiz o exame médico e voltei outra vez ao PoupaTempo.Eu fiquei uma hora e quarenta minutos lá dentro até sair com a certeza que minha Carta fica pronta amanhã.
Ao entrar em casa, os meninos estavam só me esperando para sair...mas desta vez eu disse não.Eles estranharam, pq eu nunca nego fogo, mas hoje não deu...fiz o que eu tinha de fazer, comi qualquer coisa, tomei um banho e vim prá cá. Acionei a biblioteca de música e embarquei numa grande viagem musical.E o que me animou hoje foi VERDE , com a Leila Pinheiro:

Quem pergunta por mim
Já deve saber
Do riso no fim
De tanto sofrer
Que eu não desisti
Das minhas bandeiras
Caminho, trincheiras, da noite

Eu, que sempre apostei
Na minha paixão
Guardei um país no meu coração
Um foco de luz, seduz a razão
De repente a visão da esperança

Quis esse sonhador
Aprendiz de tanto suor
Ser feliz num gesto de amor
Meu país acendeu a cor

Verde, as matas no olhar, ver de perto
Ver de novo um lugar, ver adiante
Sede de navegar, verdejantes tempos
Mudança dos ventos no meu coração
Verdejantes tempos
Mudança dos ventos no meu coração

Um beijo grande no coração de todos vocês!!!

Um comentário:

Claudinha * disse...

É, meu dia também foi cheio, sai de casa as 6 da matina e só voltei depois das 23:30, uma reunião atrás da outra (até de noite), mas foi fichinha perto do que parece ter sido o seu. Ate´fiquei ofegante ao ver seu post.

Infelizmente atitudes machistas têm em todo lugar, eu mesma, às vezes me acho tão macho... kkkkkkkkkkkkkkkkk.

Espero que esta sexta pelo menos você possa dar uma relaxada e recolocar o trem nos trilhos. Deve esfriar um pouquinho, bom pra tomar um cházinho esquentando as mãozinhas...

Beijinhos