18.10.12

Começo o dia como canta o samba enredo da União Ilha do Governador de 1991:

"Hoje eu vou tomar um porre, não me socorre, que eu tô feliz"

Na verdade não há nada que me deixe mais feliz do que uma realização pessoal, principalmente porque nunca fui de ficar esperando que as coisas simplesmente acontecessem.Não tenho temperamento para isso, talvez eu não saiba esperar.Muitas vezes atropelo tudo por conta de tanta pressa...certa ou errada é assim que eu sei ser.
Hoje estou feliz porque faz um bom tempo que ando remando, remando, remando, sem avistar praia alguma e enfim meus olhos identificam uma luminosa faixa de areia logo a frente.E ela tem um sabor doce e intenso e posso senti-la com  meus pés.Como é duro acreditar que o caminho que escolheu está certo quando os outros ao seu lado já desistiram.É preciso além de força, coragem, para manter-se firme diante de tanta descrença.Eu soube escutar todas as críticas em silêncio e só eu sei o quanto isso me doeu.
Agora sim posso relaxar um pouco e me permitir sentir coisas como saudade, mas só daquilo que me enche o coração, a alma e a boca de alegria.

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Gostei de a saber assim feliz, Turmalina. E tome um belo porre, sim.
Eu também sou capaz de tomar um, mas por razões inversas. Por aqui já não há luz. Apenas trevas.Não se pode suportar este sofrimento sem perder a lucidez...

Turmalina disse...

Carlos... sabe, eu gostaria que o povo português reagisse como eu, embora meu ganho não tenha sido econômico e sim pessoal.Como no filme que assisti recentemente em que a Branca de Neve enfrenta e derrota a Rainha Má.Isso é ficção, mas na realidade não deve existir conformismo.
É inconcebível que um povo deixe afundar um país.Pode-se perder a lucidez, mas não a coragem.
Força, meu amigo, mesmo cansado de lutar você não deve perder a vontade de influenciar outros a conquistar o que lhes é de direito, um país inteiro :o)