20.5.10

Neste domingo será entregue a Palma de Ouro ao melhor filme apresentado no Festival de Cinema de Cannes .
E como tem acontecido nas últimas edições as produções asiáticas estão em alta. O que eu acho ótimo porque eu gosto muito das produções orientais. O Brasil não concorre diretamente, mas o país marca presença este ano no Festival com uma sessão especial e também na figura do roteirista Marcelo Novais Teles, integrante da equipe do cineasta Mathieu Amalric que produziu o longa "Tournée".
A sessão especial fica por conta do “5 X favela: agora por nós mesmos”, produzido por Cacá Diegues. O filme é composto por cinco curtas: "Fonte de Renda", de Manaíra Carneiro e Wagner Novais; "Arroz com Feijão", de Rodrigo Felha e Cacau Amaral; "Concerto para Violino", de Luciano Vidigal; "Deixa Voar", de Cadu Barcelos e "Acende a Luz", de Luciana Bezerra.



Por enquanto o filme do britânico Mike Leigh, " Another Year" aparece como favorito. Basicamente a película traz um casal de classe média inglês, que ao longo das quatro estações, cuida de uma pequena horta em suas horas de folga, plantando e colhendo ervas e tomates para cozinhar, e que também lêem juntos na cama. Dizem que o filme consegue transformar atividades rotineiras e teoricamente entediantes em momentos fascinantes. Mais uma vez voltamos à questão de que a forma como vivemos depende única e exclusivamente da forma como a encaramos a vida.



Mais uma vez entra em cena o diretor mexicano Alejandro Gonzalez Iñarritu, trazendo no papel do protagonista Uxbal, o divino Javier Bardem. É um drama ao mesmo tempo pesado, poético e intenso. Não vejo a hora de assistí-l0.




A nota desagradável fica por conta da prisão de Jafar Panahi. Juliete Binoche se emociona durante uma coletiva ao saber que o diretor iraniano iniciou uma greve de fome como protesto à sua prisão. Panahi está preso desde março, sob acusação de querer realizar um filme sobre as eleições presidenciais. Diversos diretores e artistas pedem a libertação de Panahi.

Um comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Assisti, com surpresa à vitória do filme tailandês (O Meu Tio). Na verdade, não creio que houvesse grandes favoritos à partida, mas a vitória deste filme não deixou de ser surpreendente.