15.2.10

Don Quixote de la Mancha

Eu bem que poderia dizer que gosto do sossego da cidade nos feriados, principalmente os prolongados, como acontece na capital. Mas que nada, como moro num subdistrito que é conhecido como centro gastronômico e área de proteção ambiental, isso aqui fica lotado!
Mas também não faz muita diferença, uma vez que mal saio de casa no carnaval.
E gosto de assistir os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro. Não que eu goste tanto assim de samba. Mas sou vidrada em cultura e aspectos visuais. Como roteirista adoro entender as letras dos sambas enredos e conferir se o carnavalesco desenvolveu bem o tema na avenida, através das fantasias, adereços e carros alegóricos. Do desfile de ontem posso ressaltar duas escolas que realmente fizeram bonito na avenida. E quando digo bonito, não é só visualmente e sim também porque acrescentaram um pouco mais de cultura e beleza ao nosso dia a dia.

A primeira delas foi "União da Ilha" , que trouxe como tema "Don Quixote", o adorável e eterno cavaleiro dos sonhos impossíveis. E como eu não podia deixar de notar, Rodrigo Santoro estava, além de lindo, animadíssimo na bateria. (Foto:Anderson Norde/AgNews)

Mas justiça seja feita, Letícia Spiller estava perfeita como Dulcinéia e a madrinha da bateria Luciana Picorelli, de arrasar quarteirão. O carro alegórico que trazia gravuras de Cândido Portinari estava de emocionar, além dos muitos livros e leques que passaram pela avenida. Transcrevo aqui a letra que eu achei excelente:
"Dom Quixote De La Mancha, O Cavaleiro Dos Sonhos Impossíveis"

Autores: Grassano, Gabriel Fraga, Márcio André Filho, João Bosco, Arlindo Neto, Gugu das Candongas, Marquinhus do Banjo, Barbosão, Ito Melodia, Léo da Ilha
Intérprete: Ito Melodia
"Voltou a Ilha
Delira o povo de alegria
Nessa folia sou fidalgo, sou leitor
Cavaleiro sonhador
Meu mundo é de magia
Vou cavalgar no rocinante
Meu escudeiro é Sancho Pança
Se Dulcinéia é meu amorQuem eu sou?
Sou Dom Quixote De La Mancha

O gigante moinho me viu, deu no pé O povo grita..olé
Nesse feitiço tem castanhola
A bateria hoje deita e rola

Vesti a fantasia, fui à luta Venci manadas, rebanhos
Fiz de uma bacia, meu elmo de glórias
Meus livros se perderam pela história
Enfim, fui vencido pelo branca lua
Voltei pra casa esquecendo as aventuras
O tempo ficou com meus ideais
Quimeras são imortais

A Ilha vem cantar
Mais um sonho impossível... sonhar!
Quem é que não tem, uma louca ilusão
E um quixote no seu coração".

A minha segunda eleita da noite foi "Unidos da Tijuca" com o enredo "Não é mais segredo: a Tijuca tem samba-enredo" que trouxe o delicioso refrão:

"É segredo, não conto a ninguém
Sou tijuca, vou além
O seu olhar, vou iludir
A tentação é descobrir"

Foi muito luxo, beleza e surpresa, começando pela comissão de frente que trocava de roupa na frente de todos, sem que percebessemos o truque. Foram inúmeras surpresas, como o fantástico efeito especial do fogo na biblioteca de Alexandria. Assim como estava simples e grandioso o cavalo de Tróia. Do meio da bateria partiram gângsters e até mesmo um Ford 1928 preto, simulando um tiroteio, como aqueles que vemos nos filmes sobre mafiosos.

(Foto: Comissão de frente da Unidos da Tijuca, de Bruno Gonzalez/Futura Press)

Um comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não sou fã de Carnaval. Nunca fui. Mas gosto da plástica e daquilo que o Carnaval brsileiro transporta consigo.