12.1.10

Ainda sobre o Programa Nacional dos Direitos Humanos:
"O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai pedir ao ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, ministro Paulo Vannuchi, que seja retirada do 3º Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH) a questão sobre a descriminalização do aborto, por temer as fortes reações da Igreja Católica, segundo o jornal O Globo. O presidente também poderá pedir a alteração no trecho que fala das "violações aos direitos humanos cometidas no contexto da repressão política", trocando "repressão" por "conflitos políticos", segundo o jornal. De acordo com O Estado de S. Paulo, além da descriminalização do aborto, Lula quer deixar de apoiar ou que sejam retirados outros pontos polêmicos, como união civil entre pessoas do mesmo sexo, a revisão da Lei de Anistia e mudança na reintegração de posse em invasões de terra. Já a Folha de S.Paulo diz que Lula alega que o texto sobre o aborto não traduz a posição do governo e que, em nova redação do plano, o documento deve manifestar defesa do aborto apenas no contexto da saúde pública como, por exemplo, para salvar a vida da mãe.
De acordo com o jornal, a nova redação do programa deve afirmar que o tema do aborto deve ser tratado como questão de saúde pública, não como "autonomia das mulheres para decidir sobre seus corpos", para evitar desgastes com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil(CNBB)."
(Fonte: Redação Terra)
Por questões muitos particulares eu não sei se eu faria um aborto, mas defendo integralmente o direito das mulheres à autonomia para decidir sobre os seus corpos.
A decisão presidencial parece acompanhar pesquisas que indicam que a sociedade aceita bem o aborto quando ele é um caso de saúde, como quando acontece do feto ser anencéfalo.
Mas me parece, não posso afirmar com certeza pois não possuo dados concretos, que uma grande parcela da sociedade não apoia a legalização do aborto. Continua o impasse.

4 comentários:

a vista de um ponto disse...

olha no caso de saude eu ate apoio a retirada do bebe
acho q tabm apoiaria se o caso fosse estupro
mas em outros casos nao sei se estaria a favor nao... pq nao acho que seja uma questao agora dos corpos das mulhers mas isso envolve tabm os corpos de outras vidas...
mas enfim gostei do tema em debate...
bjinhos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Pelo que conheço da sociedade brasileira, parece-me bastante conservadora e assim, dificilmente aceitaria a despenalização do aborto. Daqui, de longe, ( e peço desculpa por estar a comentar um assunto que apenas aos brasileiros diz respeito)parece-me mais peocupante se Lula rejeitar a questão dos crimes praticados durante a ditadura. Cristina Kirchner, num contexto bastante mais difícil, avançou e os criminosos desse período trágico da história da Argentina estão a começar a ser julgados.

Turmalina disse...

Ingrid...eu tb não faria, mas tenho que respeitar o direito de quem quer fazê-lo e que seja feito em segurança, dentro da legalidade :o)
Carlos...questionar um direito humano não é um assunto restrito à esse ou aquele país, é uma questão global e merece toda a atenção.E, por favor, comente sempre :o)

Milu disse...

Olá Turmalina

É muito difícil mudar as mentalidades, as próprias mulheres são contra a despenalização do aborto, porque nem se lembram que um dia terão filhas e que nem sempre estas são como as mães mais anseiam. E também há mulheres que acham normal que um homem que engravide uma mulher se furte às suas obrigações como progenitor. Estão habituadas a este estado de coisas e nem sequer questionam este comportamento, que não é mesmo nada decente. É bom e necessário que a mulher conquiste direitos, se os põe em prática ou não, só a cada uma isso diz respeito. O que também estranho é que haja tanta moralidade acerca de umas coisas e tão pouca acerca de outras. Causa-me muito mais pena e remorso, as crianças negligenciadas, sem carinho, sem nada...
Um beijinho