24.11.09

Eu até agora não entendi a visita de Ahmadinejad...quem queria o que?
Segundo a matéria de Eduardo Bresciani, do portal G1:
" Os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), enfatizaram no encontro com o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, nesta segunda-feira (23) a necessidade de paz no Oriente Médio. Sarney lembrou um acordo da América Latina contra a proliferação de armas nucleares e defendeu que se busque uma solução pacífica entre judeus e palestinos."
(...)"Sarney enfatizou que o Brasil é signatário de tratados contra a proliferação de armas nucleares. Votamos nas Nações Unidas para que o Atlântico Sul seja uma área desmilitarizada proibindo que nessas áreas transitem embarcações com armas nucleares. Quero ressaltar que esperamos que o Brasil possa contribuir com este sentimento para que no Oriente Médio possa ser encontrada uma área sem conflitos e de paz entre os povos”.
Se era para escutar isso, eu garanto que Ahmadinejad não precisaria ter vindo até aqui.
Mas resumindo, o líder iraniano se encontrou com Lula no Itamaraty, por volta de 12h30, para a assinatura de acordos comerciais e diplomáticos. Resta saber que acordos são esses.E nosso presidente, muito político, não disse nem que sim e nem que não:
"Reconhecemos o direito do Irã de desenvolver um programa nuclear com fins pacíficos e com respeito aos acordos internacionais e esse é o caminho que o Brasil vem trilhando. Não proliferação e desarmamento nuclear devem andar juntos. O Brasil sonha com um Oriente Médio livre de armas nucleares, como ocorre na América Latina",
Mas no começo do mês, o embaixador do Irã, Mohsen Shaterzadeh, adiantou que "Um dos pontos seria a compra de terras brasileiras para agricultura, que seriam exploradas em parceria por empresas brasileiras e iranianas". Como assim, se aqui ainda briga-se por terra?
Em entrevistas, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, declarou que, se o Brasil quiser ter um papel mais relevante nas grandes discussões internacionais, tem de estar preparado para conversar com todos os regimes.
E assim Lula vai praticar justamente com o chefe de um regime autoritário, que ignora a pressão contrária ao seu projeto nuclear, apesar de sofrer sanções econômicas de diversos países.
Ainda em terras brasileiras o presidente iraniano afirmou que:“Precisamos elaborar um novo plano, um novo modelo, para gerenciar o futuro do mundo. O Conselho de Segurança das Nações Unidas deve passar por mudanças fundamentais." Mas acho que ele quis dizer fundamentalistas, mudanças fundamentalistas.
(As declarações, entre aspas,contidas neste post são do Portal G1 de notícias)

4 comentários:

Veroca disse...

Turma, passando rapidinho só pra dizer que voltei e que estou com saudades. Venho com calma ler você depois. Uma beijoca, obrigada sempre pelo seu carinho.

Pitanga Doce disse...

"Reconhecemos o direito do Irã de desenvolver um programa nuclear com fins pacíficos"????

E no Papai Noel? Também acredita??

Zoe disse...

"fins pacíficos..." é boa essa. tiveram a visita do presidente do irão porque altíssimos valores económicos se sobrepõem a tudo o resto. a política n tem cor...
beijinho
zoe

Christina Frenzel disse...

Eu também não entendí nécas desta visita, mas fiquei preocupada com o nosso crustáceo-mor e suas declarações de apoio.
Ok, demagogia reina, mas e na hora do vamos ver???

=S

Beijos