14.9.09

Considerações de segunda feira

Aqui está um pouco de mim, ou talvez um muito. Na verdade não gosto de falar de mim especificamente quando é para reclamar de algo. Não acho que reclamar seja a solução para qualquer problema e afinal de contas todos temos problemas.Uns me chamam de otimista, outros de Pollyana, mas também não gosto de ficar alimentando o que me perturba. Muitas vezes sou de meias palavras, outras vezes descarrego o dicionário completo. Depende do humor :o)
Eu queria ser só um pouco mais constante, mas aí acho que já é interferência astrológica. Meus desejos são muitos e ampliar meus horizontes com novas paisagens está sempre em primeiro plano, mas isso não significa que seja a prioridade do momento. Deixo ainda no campo dos desejos e não da prática. Quando der eu vou...sou grata por tudo o que já conheci :o)
Muitos me acham um pessoa boa e outro dia até me perguntaram porque eu sou assim. E inclusive se eu espero que, agindo assim, as pessoas melhorem. Não, não espero nada, sou assim pq não sei ser de outro jeito. O amor altruísta me faz bem. Talvez eu tenha me cansado de ver tanta gente egoísta por aí :o)
Minha formação é também acadêmica, mas rejeito o rótulo. Já adolescente aprendi muito mais nas relações humanas do que na escola. O universo acadêmico pode dar uma falsa idéia da realidade. Já caminhei por muitos mundos e a realidade não está toda nos livros.Muito aprendi com as trocas que a vida me proporcionou.Um olhar, uma expressão, um gesto...estava tudo lá, sem a necessidade de uma única palavra.Talvez eu seja uma boa observadora e isso ajuda muito na minha forma de relacionar-me com o outro :o)
Amo as pessoas e estar com elas, mas preciso de um tempo só meu, isso é sagrado. É nessas horas que converso comigo e tento resolver meus problemas, aqueles que não gosto de admitir. Estar em contato direto com a água é outro modo de me conectar a mim mesma.É na água tb que encontro forças.Sou de combater e não de correr.Embora fosse mais sensato que algumas vezes eu corresse. Costumo enfrentar os meus fantasmas e mandá-los embora, mesmo que eles voltem :o)

5 comentários:

ameixa seca disse...

É bom saber tudo isso :)

Romulo Barros disse...

Oi Turmalina,

espero que tenha gostado da dica no meu blog! Volte lá mais vezes.
Beijos

Patti disse...

Venho retribuir a sua visita ao Ares e ainda bem que cheguei aqui numa altura, em que fala um pouco de si.
Gostei muito da parte do optimismo; também eu o sou.

Silvana Nunes .'. disse...

Muito obrigada pela visita e pelo comentário. Realmente você está certa, essa arte não tem definição. Todas as vezes que estive no Museu ficava encantada com o colorido.
Volte sempre, estarei de volta no seu com mais calma, estiu de saída agora.
saudações Florestais !

Reflexos disse...

Eu adoro, eu necessito de, como costumo dizer, de estar sozinha comigo...
E muitas vezes esse estar só, passa por andar a vaguear no mei da multidão de uma cidde...