14.4.07

Amar é um elo
Entre
o azul
E o amarelo
Paulo Leminski

Existe mesmo um lugar para o Amar?
Ele cabe em tantos lugares que muitas vezes me perco...

Você deixou tudo a tua cara
Só pra deixar tudo
Com cara de saudade

Amar está na saudade, no gozo e no sorriso...

Drummond fala com maestria do Amar :

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.

Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.

Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
nem se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

ou ainda:

O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige, nem pede. Nada espera,
mas do destino vão nega a sentença.

O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.

Se em toda parte o tempo desmorona
aquilo que foi grande e deslumbrante,
o antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.

Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor

Muito Amar para todos ;o)

2 comentários:

Claudia * disse...

ai ai (suspiros)

É muito bom amar, ainda mais sabendo ser amada.

Ligia disse...

Aaaaaahhhhhhhh, que coisa linda!!!!
Quanto à Willy, era uma vinheta da TNT, eu me sinto a própria matrona de maiozão!!!!! Chuááááááááááa´
Beijos!!!

Lígia