4.2.06

E a gente até que se segura bem, mas ao final do documentário indiano Born Into Brothels(Nascidos em Bordéis), é impossível não derrubar algumas boas lágrimas...
Ele é rodado dentro de um distrito conhecido como "luz vermelha", um bairro pobre de Calcutá , ocupado na sua maioria por prostitutas e seus filhos excluídos da sociedade.
A esperança surge nos olhos destas crianças qdo elas tomam contato com a fotografia e passam à registrar com máquinas fornecidas pelos documentaristas Zana Briski e Ross Kauffman, o mundo que as cerca. O resultado é inusitado... algumas fotos são fantásticas!!!
O filme gira em torno de um grupo de 8 crianças, uma mais cativante e surpreendente que a outra. Enquanto as crianças vão descobrindo essa nova forma de se expressar, os cineastas lutam para poder dar mais esperança e uma vida melhor para essas crianças.O envolvimento e dedicação de Zana para com as crianças, carinhosamente chamada de Tia Zana, é comovente. A luta é visívelmente desesperadora...
O filme recebeu o prêmio de melhor documentário de longa metragem no Oscar 2005 e o Sundance Festival em 2004.

E falando do cenário brasileiro, é uma vergonha o que pesquisadores norte-americanos fizeram com o nosso povo lá no Amapá!
Em nome do Progresso da Ciência e alguns trocados os ribeirinhos da comunidade de Quilombola se submeteram à picadas de mosquitos transmissores da malária. A incidência de malária aumentou muito com a pesquisa, suspensa em 14 de dezembro de 2005. Todos os participantes do projeto foram contaminados e a doença se espalhou entre os demais ribeirinhos...
Segundo um dos participantes, ou melhor, a cobaia humana Sidney Siqueira, que tb é agente de saúde voluntário da região, o contrato que assinaram dizia que médicos iriam cuidar deles, e isso não aconteceu.
Como funcionava a experiência: os mosquitos eram capturados e colocados em copos plásticos cobertos com uma telinha. Depois a borda do copo era encostada nos braços e pernas das pessoas para que os mosquitos as picassem. Eram 25 picadas por vez, até completar cem. O processo durava 9 noites. Segundo Raimundo Picança, a dor, às vezes, era insuportável. Alguns desistiam antes de atingir a meta de cem mosquitos. Nesses casos, eles não recebiam os R$108,00.Nunca uma cobaia humana foi tão barata...
- Não faziam nem um curativo. O curativo era a gente chegar na beira do rio e passar água, para ver se abaixava aquela coceira, que era demais - lembrou Sidney.
Cientes de que estavam sendo explorados, os moradores se mobilizaram e reuniram provas do que havia acontecido, com a ajuda de um advogado voluntário. A visita do promotor Haroldo Franco, em novembro de 2005, foi a chance de romper o silêncio.
O promotor notificou Allan Kardec Gallardo (funcionário da Fundação Nacional de Saúde) e responsável pelo projeto no Brasil, e comunicou o caso aos Ministérios Público Estadual e Público Federal.O projeto original, que foi aprovado, dizia que eles usariam sangue de animais domésticos presos em gaiolas! (Fonte: INFO ATIVO DEFNET Nº 2397- ANO 10 - FEVEREIRO DE 2006 - EDIÇÃO EXTRA)
Revoltante, não?
As misérias humanas não devem ficar escondidas atrás de meios de comunicação manipulados por poderes políticos e econômicos.Uma matéria, um documentário, um texto, uma imagem: tudo é valido no sentido de tentar salvar a vida e a dignidade do ser humano!

Um comentário:

Dai disse...

são muitas as nossas vergonhas, turmalina. dá vontade de sair por aí registrando tudo isso...
beijos